AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

Ninguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva, sempre atual e condicionada pelo dinamismo de vida dos sujeitos envolvidos e inseridos em contextos variados.

Se afirmamos que a amizade é relação entre dois ou mais sujeitos, então naturalmente, ela precisa de cuidado, atenção, vontade, dedicação, zelo, discernimento conjunto. Por outro lado, nas relações humanas sobretudo, na experiência de amizade, nem tudo depende da simples vontade dos indivíduos. Como já vimos no artigo anterior, há princípios, valores, virtudes e atitudes fundamentais que comprovam a existência da Amizade. Há poucos meses uma jovem já madura, acima dos 25 anos, me disse que ama profundamente o seu namorado, mas ele, apesar de declarar amor com palavras, é ciumento, violento e lhe agrediu diversas vezes deixando-a com hematomas pelo corpo. E me perguntava: Por que isso acontece? Naturalmente lhe respondi que é porque não se amam, vivem uma relação doentia!

O amor não é possessivo, agressivo e nem violento. O amor autêntico não gera dependência deixando o outro vivendo à mercê dos seus impulsos; a amizade não é uma relação por pena de deixar o outro na solidão… isso não é amizade! A amizade é uma qualidade de relação possível somente para pessoas maduras e que querem crescer juntas, e sabem se cuidar! Por isso, uma relação tóxica, fria, sem respeito, nem espírito ético, venenosa e agressiva não está alicerçada no Amor! Nessa situação não pode haver amizade!

  1. Amizade e vulnerabilidade afetiva

Há muitos fatores que influenciam profundamente a qualidade de uma amizade, que podem contribuir para o seu fortalecimento ou para o seu fim e, muitas vezes, há até a passagem brusca, da amizade para uma terrível e violenta inimizade. A vulnerabilidade da amizade, ou seja, a possibilidade de mudanças, é natural porque está condicionada à instabilidade do comportamento humano. Mas isso não é motivo para o fracasso.

Na relação de amizade há sempre um compromisso de gestão recíproca da relação. Ou seja, o teor da experiência de amizade, depende basicamente da maturidade das pessoas envolvidas, sendo capazes de resolver problemas, conflitos, desentendimentos, frustrações etc. Isso implica o cultivo de muitas virtudes para os envolvidos. Uma séria e madura amizade está sempre alicerçada na rocha de muitas virtudes. Sem a existência de uma teia de virtudes, não conseguimos estabelecer compromissos duradouros com ninguém, seja nas relações de amizade, namoro, noivado, matrimônio, na vida profissional ou em qualquer outro compromisso relacional. Portanto, podemos afirmar que pessoas socioafetivamente imaturas, não são capazes de relações de amizade estáveis e profundas.

Amizade é relação entre sujeitos diferentes, livres, vulneráveis, passíveis de muitas situações imprevisíveis; mas, ao mesmo tempo, a amizade é relação entre pessoas cheias de recursos e, por isso, capazes de sonhar, querer, lutar, crescer, discernir, perseverar em bons propósitos. Um dos fatores que possibilitam a estabilidade de uma amizade é a questão da formação humana. Quem não amadureceu e nem desenvolveu a sua dimensão socioafetiva, dificilmente terá condições de estabelecer estáveis relações de amizade. Pessoas afetivamente imaturas são possessivas, violentas, agressivas, fechadas, autodefensivas, egoístas, interesseiras, ciumentas, intolerantes, oportunistas, desconfiadas, facilmente interpretam mal gestos, atitudes e palavras.

Todavia, a experiência da amizade madura, pressupõe um dinamismo profundamente diferente, rico de conteúdos positivos e promotor da formação recíproca, porque está baseada na abertura, na comunicação, no diálogo, na escuta, no perdão, na compaixão, no respeito, na confiança, na correção mútua, na solidariedade, na corresponsabilidade, na compreensão dos limites do outro.

A experiência da amizade é uma relação entre sujeitos carregados de virtudes, valores, crenças, bem como, de fragilidades, defeitos e tendências negativas. Quem está em busca de um amigo perfeito jamais o encontrará. E mesmo o amigo fiel, não é perfeito!

Dizia o filósofo Blaise Pascal que o ser humano é como um monte de grandezas e misérias. Considerando essa condição, a realização dos nossos bons propósitos, muito dependerá dos nossos investimentos pessoais de força de vontade, de inteligência relacional, de valores que cultivamos, de virtudes nas quais nos treinamos, de reflexão e discernimento nas variadas circunstâncias da vida. Amizade é vida e, por isso, está sempre inserida numa grande variedade de situações.

  1. A experiência da diversidade

Apesar de constituirmos uma única humanidade, todos os seres humanos são diferentes entre si. A experiência da amizade só é possível porque somos diferentes, essa diversidade possibilita o nosso enriquecimento recíproco. Quem procura uma pessoa igual a si mesma, para ser sua amiga, jamais fará a experiência da amizade. Na verdade, esse é um desejo narcisista que tem como intenção uma relação dominadora, possessiva, exploradora. A pessoa narcisista é alguém profundamente apegada a si mesma, que fica sempre projetando sobre os outros a própria imagem e se impondo sobre elas; esse não é o figurino da amizade autêntica, que é encontro de pessoas diferentes, que se acolhem incondicionalmente, se conhecem, se identificam, divergem, compartilham o que pensam, sentem e vivem; se complementam, se respeitam, se corrigem, se ajudam.

Por outro lado, essa experiência da diversidade também ocasiona a possibilidade do surgimento do conflito, do desentendimento, da frustração nas expectativas pela falta de correspondência. A questão da diversidade humana é ampla; não envolve somente os aspectos físicos, mas diz respeito à dimensão psicológica, afetiva, sexual, mental, religiosa, vocacional, moral, cultural, existencial (experiência de vida) etc. Dessas dimensões ricas de diferenças, temos consequentemente, a diversidade de atitudes e comportamento dos amigos por causa da variedade de crenças, sensibilidades, gostos, interesses, expectativas, modos de entender os valores, convicções religiosas e morais, opções políticas e esportivas, histórias vividas pessoalmente na família e com outros. A experiência da amizade não nega e nem neutraliza aquilo que o outro é (a sua identidade) e nem a sua história.

  1. Conflito, reconciliação e resiliência

No livro do profeta Jeremias encontramos um versículo muito interessante. Deus manifesta a sua convicção de amor para com o povo lhe dizendo através do profeta: “Eu te amo com amor eterno e te reservo misericórdia” (Jr 31,3). O que mais nos chama atenção nesse versículo não é a declaração de amor eterno de Deus para com o povo, mas é o fato de Deus declarar o seu amor eterno considerando a fragilidade do povo. É por isso que lhe reserva a misericórdia, ou seja, o perdão. O fato de Deus amar o povo, não significa negar sua fragilidade e a possibilidade de erros e traição.

Amar não significa negar os defeitos do outro! Quem faz da pessoa amada um ser perfeito não considerando sua realidade ambivalente, corre o perigo de uma séria frustração. Uma das mais fortes manifestações da fragilidade de uma amizade é o idealismo. A experiência da amizade entre sujeitos perfeitos só acontece na Santíssima Trindade.

Quanto mais idealizamos os nossos amigos mais corremos o perigo de uma grave frustração por causa da excessiva expectativa e do esquecimento de que o outro é profundamente humano e pode errar. Isso não significa reconhecer suas virtudes e admirá-los. Mas é na experiência da sábia e serena gestão do erro do outro, que podemos dar testemunho da grandeza do nosso amor para com ele. Onde há idealismo amistoso, há também perfeccionismo e intolerância. Pessoas assim, não conseguem estabelecer uma relação de amizade, porque amor e perdão caminham juntos.

Uma das mais significativas formas de manifestação de maturidade afetiva entre os amigos é a experiência da resiliência, ou seja, quando os amigos são capazes de sofrer, perdoarem-se, reconciliarem-se e restaurar a experiência da Amizade sem ficarem com mágoas recíprocas. A experiência de amizade longeva e madura é consequência da resiliência. Amigos verdadeiros são capazes de testemunhar o amor entre si através do perdão, da paciência, da delicadeza, da reconciliação. Todavia, quando alguém desconsidera a corresponsabilidade na manutenção da amizade, quando há pertinácia em graves erros com a traição da confiança, a violência, prejuízos econômicos e muitas formas de abusos, o fracasso da amizade é inevitável.

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Por que não é bom idealizar os amigos?
  2. O que é a resiliência relacional?
  3. Por que não é admissível a “amizade líquida”?

Artigos Anteriores

AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáQual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas...

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém