FUNDAMENTOS ANTROPOLÓGICOS E ÉTICOS DA DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

Na Igreja há movimentos com fortes tendências espiritualistas que negam, de diversas formas, os fundamentos e a necessidade da Doutrina Social da Igreja (DSI). E por isso questionam a sensibilidade da Igreja para com as realidades sociais. Todavia, tal postura na verdade, carece profundamente de base favorecendo a insignificância da Igreja no mundo, bem como negando suas origens.

A catequese deve ser uma fonte viva de promoção de um processo de formação sistemático, integral e contínuo dos discípulos de Jesus Cristo para que possam compreender a beleza e a profundidade do que significa ser “sal da terra” e “luz do mundo” (Mt 5,13-14). Por isso, nestas próximas reflexões recordemos brevemente os fundamentos da DSI, começando pelas dimensões antropológica e ética.

  1. Fundamento antropológico

A Igreja não é formada por anjos, mas por seres humanos e pela humanidade se interessa. Portanto, a partir da sua própria identidade e constituição, a Igreja tem um fundamento antropológico.

Portanto a Igreja se interessa pelo social porque o ser humano, formado de matéria e espírito, é uma “totalidade unificada”, de corpo e alma, com muitas dimensões. Nenhuma dimensão humana é isolada, paralela, neutra, avulsa; são todas interdependentes e o espírito (alma) perpassa a totalidade delas.

A Igreja, formada por seres humanos, deles se ocupa e por isso é profundamente humana e não pode deixar de se interessar por tudo aquilo que é naturalmente humano. Quando a pessoa abraça a fé, esta dinamiza a totalidade da sua vida.

Essa dimensão social da fé se expressa muito bem no preceito do amor a Deus que é inseparável do amor ao próximo. O amor ao próximo tem uma dimensão social; ou seja, as pessoas não vivem isoladamente, mas em família, em sociedade, em comunidade; por isso é preciso a preocupação com o bem comum que são todas as realidades e estruturas sociais que contribuem para a promoção e a vivência da justiça, da paz, harmonia, fraternidade etc.  Inserido nessa realidade o discípulo de Jesus Cristo é chamado a testemunhar a sua Fé, a Esperança e Caridade. As virtudes teologais tem uma dimensão intrapessoal, interpessoal, social, ambiental, universal.

Ao centro das preocupações antropológicas da DSI está a sacralidade da vida da pessoa humana: a vida humana é o dom de Deus mais precioso; o ser humano, “criado à imagem e semelhança de Deus” é sagrado e deve ser incondicionalmente acolhido, respeitado, tutelado e promovido em todas as fases da sua existência. Jamais perde a sua dignidade. O ser humano é pluridimensional e todas as suas dimensões (intelectual, moral, afetiva, sexual, social, econômica, política, cultural, espiritual… etc), são envolvidas pela fé. A Igreja, portanto, deve se interessar pela totalidade do ser humano.

  1. Fundamentos éticos

Desse primeiro fundamento (antropológico) decorre um segundo que diz respeito ao tratamento do ser humano. O reconhecimento e a acolhida do ser humano, geram muitas consequências sobre as preocupações para com a pessoa, tais como: sua realização vocacional, a qualidade do seu agir, as condições em que vive, seus direitos fundamentais, a promoção do bem comum etc. Todas as realidades sociais, como a economia, a política, as ciências, a educação etc. estão dentro deste bojo de preocupações éticas. Seria uma grande incoerência se a Igreja, teoricamente professasse a dignidade humana, mas não se interessasse por suas consequências concretas.  Portanto, todos os males sociais como a violência, a corrupção, a injustiça, a negação da saúde, o descaso pelo Bem comum etc, atentam contra a dignidade humana.

Vejamos algumas dessas preocupações concretas que fazem parte da DSI e, por isso, devem estar no cotidiano pastoral da Igreja:

  • Os direitos humanos: o ser humano é portador de direitos naturais, inalienáveis, que não dependem da sua condição existencial e por isso devem ser incondicionalmente respeitados, como o direito à vida, ao justo tratamento, e todos os direitos que lhe devem assegurar as condições de vida digna;
  • A promoção do bem comum: são todos os bens da natureza e frutos do labor humano, por isso, tem uma destinação universal, para todos; o bem comum é tudo aquilo que está a serviço da dignidade humana (não só os bens naturais, mas também a educação, economia, política, meio ambiente, paz, justiça…);
  • A participação social: vem do reconhecimento do homem como sujeito livre e responsável e, por isso, deve ser responsabilizado pela promoção do bem comum respeitando a justa ordem e paz social, os princípios éticos e as exigências morais onde vive; por isso, a Igreja defende e incentiva os leigos a estarem engajados em questões sociais onde possam testemunhar a própria fé (no mundo da economia, da política, das ciências, da cultura, dos esportes, das comunicações etc);
  • Do dever da participação social decorre uma consequência importante que é a subsidiariedade: trata-se da justa relação entre o sujeito livre e responsável e as instituições da sociedade que estão a serviço da promoção do bem comum. As instituições contribuem com a promoção dos direitos individuais inalienáveis sem negar o bem comum. O Estado ajuda! O indivíduo deve fazer a sua parte!
  • O desenvolvimento humano integral: crendo no ser humano como portador de grandes potencialidades, a Igreja estimula o desenvolvimento humano em todas as dimensões, em harmonia com as necessidades humanas. O verdadeiro progresso coloca e pessoa humana em primeiro lugar, promovendo a justiça e a paz. Por isso, não basta a promoção do desenvolvimento técnico, científico e nem econômico; é necessário que a pessoa humana seja a beneficiada integralmente tendo melhores condições de vida. Por isso, afirmou o Papa Paulo VI, que o desenvolvimento integral contribui para a promoção da Paz e da Justiça. Não há paz, onde não há justiça.

 PARA REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Como na vida pastoral a Igreja testemunha que se interessa pela totalidade do ser humano?
  2. Qual aspecto das realidades sociais mais desafia a Igreja hoje?
  3. Por que há carência de leigos comprometidos no testemunho da própria fé, atuando na política, na economia, nas ciências?

 

Artigos Anteriores

A AMIZADE ENTRE AS INSTITUIÇÕES (Parte 16)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A reflexão sobre amizade social entre as pessoas físicas e grupos, nos estimula a estendê-la ao nível das instituições. Quando o Papa Francisco lançou o Pacto Educativo Global foi...

AMIZADE E SEXUALIDADE (Parte 15)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Campanha da Fraternidade deste ano que tem como tema a amizade social, nos estimula a refleti-la em muitas direções e a aprofundá-la em várias dimensões. Uma delas é a relação entre...

AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáQual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas...

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém