TEMA DO CÍRIO 2023: “Maria, sinal de esperança para o povo de Deus em caminho”

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

Todos os anos o Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Belém ganha um tema específico. O sentido do tema é evidenciar um aspecto do perfil de Maria que possa ser objeto de reflexão catequética para o enriquecimento do povo de Deus. Portanto, o tema do Círio de cada ano, é sempre uma pista de aprofundamento da beleza e largueza da mariologia.

Além desse aspecto teológico de aprofundamento da mariologia, ainda há outros dois fatores que estimulam a escolha do tema do Círio de cada ano. Trata-se do dinamismo da vida pastoral da Igreja e da sociedade na atualidade. Dessa forma, a palavra central do tema do Círio deste ano é “esperança”; essa virtude tem uma íntima relação com a vida de Maria, do dinamismo da Igreja e a atual situação da era contemporânea profundamente tentada pelo pessimismo, desânimo, cansaço, derrotismo, desespero, depressão, carência de sentido para vida. Brevemente aprofundemos o sentido do tema do Círio deste ano: “Maria, sinal de esperança para o povo de Deus em caminho”.

  1. O tema do Círio deste ano nos convida a olhar para “Maria como sinal”. Então, somos convidados a refletir sobre a pedagogia dos sinais. O que é um sinal e para que serve? Os dicionários da língua portuguesa nos apresentam muitos significados da palavra “sinal”. Em síntese nos falam de uma realidade visível que comunica, informa, adverte, orienta, informa, confirma, consola, tranquiliza, indica, comprova, demonstra, preanuncia algo etc. “Maria é sinal de Esperança” porque nos estimula a olhar para o futuro a partir da sua vida e da Vida de Cristo. Olhando para a vida de Maria, com seus gestos e palavras, a partir dos Evangelhos, encontramos muitos sinais estimulantes para o nosso caminho de Peregrinos da Esperança: Maria é a mestra da escuta da Palavra de Deus, ela traduz em atitudes de serviços a sua experiência de intimidade com Deus, é corajosa e ousada, rica de espírito de iniciativa, testemunha zelo para com a sua família, está firme na hora do sofrimento etc.
  2. A Igreja é povo de Deus peregrino. A Igreja é o povo formado pelos discípulos de Jesus Cristo que estão a caminho da pátria definitiva, a plenitude do Reino de Deus, à glória eterna. Essa noção de peregrinação ou caminho, quer indicar o dinamismo da Igreja neste mundo. A Igreja não é uma realidade estática, mas viva; é a dinâmica comunidade de Jesus Cristo movida pela fé, a esperança e a caridade. Por ser formada por pessoas a Igreja tem uma fase terrena profundamente encarnada na história, essa é a Igreja peregrina; mas ao mesmo tempo, a Igreja transcende a história e chega a sua plenitude formando a comunidade Celeste, que é a Igreja Triunfante. A Igreja enquanto caminha neste mundo tem seus olhos voltados para o alto, aspirando as coisas celestes, onde está Cristo em sua plenitude (cf. Cl 3,1-2). O mesmo apóstolo afirma que “a nossa cidadania é dos céus, de onde aguardamos com grande expectativa o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fl 3,20). Dessa forma a nossa habitação terrena é passageira (cf. 2Cor 1,5; 1Pd 1,1), porque somos peregrinos. Alicerçados na fé, animados pela esperança e comprometidos na prática do amor, estamos em busca da nossa pátria celeste (cf. Hb 11,14).
  3. Maria é a peregrina da Esperança por excelência porque se fez serva de Deus para a Salvação do mundo (cf. Lc 1,38). Na solene definição do dogma da Assunção, o Papa Pio XII em 1950, afirmou: “A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrestre foi assunta (elevada) em corpo e alma à glória celestial.” Portanto, para nós ela é sinal de estímulo, esperança, consolo. A ideia de peregrinação, porque estamos em movimento rumo ao santuário eterno, sintetiza o dinamismo da Igreja que testemunha a promoção do Reino de Deus. Maria é modelo da peregrina fiel que, tendo vivido plenamente a vida terrena, agora é nosso modelo e intercede pelos discípulos do seu Filho.
  4. Maria, é Mãe e esperança da humanidade. Toda mãe é naturalmente fonte de esperança e segurança para seus filhos, sobretudo, enquanto estes vivem na condição de total dependência e menoridade. Maria é sinal de esperança para a humanidade porque Ela nos gerou o Filho de Deus na humanidade, possibilitando a nós a visibilidade, aproximação e encontro com o Messias, o Salvador. A maternidade está profundamente vinculada à esperança.
  5. Como mãe da comunidade dos discípulos do seu filho, ela é a intercessora por excelência, como toda mãe diante das necessidades dos seus filhos em suas aflições. Essa condição de intercessora é reconhecida na ladainha de Nossa Senhora com seus diversos títulos relacionados à intercessão, como por exemplo, Maria é invocada como a Mãe da Divina Graça, Virgem poderosa, Virgem clemente, Porta do céu, Refúgio dos pecadores, Consoladora dos aflitos, Auxílio dos cristãos, Rainha da paz, Senhora do Bom Remédio, Advogada, mãe do Perpétuo Socorro etc. Todos esses títulos confirmam o papel de intercessora, sinal de esperança e consolo para seus filhos.
  6. Maria é sinal da vivência das virtudes teologais. Na vida de Maria há uma profunda síntese de fé, esperança e caridade. A sua intimidade com Deus, a levou a ser profundamente aberta, sensível, criativa, solidária com as pessoas durante a sua vida. Ela foi sinal da ternura da bondade Divina para com a humanidade aceitando ser a mãe do Emanuel, o Deus conosco; sua presença na casa de Isabel foi sinal concreto da sua sensibilidade, espírito de iniciativa e fé traduzida em obras; foi o mesmo que aconteceu em Caná da Galileia, quando seu espírito de percepção e corajosa iniciativa tornou-se o ponto de partida da esperança para os jovens noivos para que a festa não viesse ao fracasso.
  7. Maria é sinal de esperança por sua plena realização vocacional em Cristo. Como peregrinos neste mundo, vulneráveis aos múltiplos condicionamentos terrenos, somos passivos de erros, desvios, desânimo. Contemplamos na sociedade o drama da frustração vocacional sofrido por muitas pessoas. Maria é sinal da pessoa plenamente realizada, que testemunhou com generosidade o sentido da sua vida. Tendo já alcançado a meta definitiva da sua existência, está junto ao seu Filho, no céu, gloriosa. Também nós somos chamados à glória; mas ainda vai se manifestar o que seremos (cf. 1Jo 3,2). Do Céu, Maria nos acompanha e intercede junto a Deus por nós, seus filhos a caminho pela nossa plena realização em Cristo. A mãe nunca quer ver seus filhos infelizes, frustrados, fracassados.
  8. Maria é sinal de Esperança porque é a mulher vestida de sol (cf. Ap 12,1), cheia de Graça, portadora da trindade Santa (cf. Lc 1,28-28). Portanto, onde está Maria, está Cristo Nossa Esperança. Muito significativo foi o gesto de Jesus no alto da Cruz apontando Maria como sua mãe e o discípulo compreendendo tudo, levou Maria para a sua casa. Maria é sinal de proteção, de intercessão e de esperança para as famílias. Onde há sinais da presença de Maria, ali há compromisso com a defesa da vida indefesa e inocente (cf. Mt 2,13-15).
  9. Maria é sinal de esperança porque foi a educadora do Mestre e Salvador. Há uma profunda relação entre educação e esperança. Por isso, em Caná da Galileia, Maria assumiu a missão de zelosa educadora dos serventes para a obediência ao Senhor e, assim, se garantiu a esperança da boa festa para o noivos. No compromisso com a educação há um claro sinal de quem acredita no futuro, no pleno desenvolvimento humano, na justiça e na Paz. Maria educa a humanidade para o sentido da vida, que está na vivência da obediência ao mandamento do Amor, de onde brota a esperança do Bem viver, da Alegria e da Paz Interior, bondade e realização humana.
  10. Maria é sinal de esperança por sua firmeza no Calvário. Ela é a consoladora dos aflitos e a desatadora dos nós que anima e consola seus filhos nos momentos dramáticos. Por estar sofrendo serenamente junto à cruz de Jesus, Maria é sinal de firmeza e estímulo para quem está sendo tentado ao desespero e ao desânimo no sofrimento. Não são poucos aqueles que, ao fazer a experiência do sofrimento, entram em crise de fé e se desesperam. Ela é referência de quem é portador de solidez espiritual e por isso, mantém-se íntegra nos momentos dramáticos da existência.

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Por que não podemos considerar uma “esperança sem sinais”?
  2. Quais dos sinais (atitudes) de Maria mais lhe educam?
  3. Quais são as consequências de um viver sem a Esperança?

 

 

Artigos Anteriores

INVESTIR TEMPO, ENERGIA E RECURSOS NA PASTORAL JUVENIL

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém O parágrafo 119, do documento final do Sínodo dos bispos sobre os jovens, nos diz que a prioridade da pastoral juvenil é uma escolha que exige investimento de "tempo, energias e recursos"....

AMIZADE E ESPERANÇA (Final)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A experiência da Amizade nos proporciona dois níveis de esperança: o primeiro é aquele mundano, da nossa história, deste mundo no relacionamento com os outros; o outro é a Esperança da vida...

A AMIZADE ENTRE AS INSTITUIÇÕES (Parte 16)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A reflexão sobre amizade social entre as pessoas físicas e grupos, nos estimula a estendê-la ao nível das instituições. Quando o Papa Francisco lançou o Pacto Educativo Global foi...

AMIZADE E SEXUALIDADE (Parte 15)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Campanha da Fraternidade deste ano que tem como tema a amizade social, nos estimula a refleti-la em muitas direções e a aprofundá-la em várias dimensões. Uma delas é a relação entre...

AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáQual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas...

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...