A CAMPANHA DA FRATERNIDADE E O SIGNIFICADO DA AMIZADE SOCIAL NOS SANTOS PADRES

por Dom Vital Corbellini

Bispo da Diocese de Marabá 

Os padres da Igreja aprofundaram o valor da amizade, na qual nortearam as suas vidas e comunidades, sendo também este o tema norteador da Campanha da Fraternidade 2024 da CNBB. O tema da amizade está presente nas Sagradas Escrituras, sobretudo nos evangelhos onde Jesus disse que nós somos irmãos e irmãs uns dos outros (cf. Mt 23,8). Jesus quer que façamos obras de caridade, de amor para com os pobres, os necessitados e assim nós sejamos pessoas que se queiram bem e se amem de verdade. O amor social se traduz em atos de caridade, que criam instituições mais sólidas e estruturas mais solidárias. A amizade social esteve presente nos santos padres, nos primeiros escritores do cristianismo, pelo seguimento a Jesus Cristo e à Igreja.

Deus, o verdadeiro amigo das pessoas humanas. Santo Ireneu, bispo de Lião séculos II e III afirmou que Deus é o verdadeiro amigo dos seres humanos, ao enviar o seu Filho ao mundo em vista da salvação dos mesmos. Jesus veio para libertar as pessoas das escravidões dos pecados e da morte. Por isso ele disse: Já não vos chamo de servos, porque o servo não sabe o que faz o seu Senhor, mas de amigos(cf. Jo 15,15). O Senhor tornou os seus discípulos e discípulas em amigos, amigas de Deus. Pela amizade, Deus concede às pessoas a imortalidade[1].

A amizade social ocorreu também entre dois grandes bispos São Basílio de Cesareia e São Gregório de Nazianzo, no século IV. Eles foram de fato grandes amigos, de uma amizade assim tão forte que eles eram uma só alma em dois corpos. Os dois nasceram na Capadócia, hoje, Turquia, antes da metade do IV século. Antes de se tornarem bispos os dois estudaram em Atenas a retórica, espécie de curso superior para poder bem pensar, e se expressar diante do público, sempre no sentido do bem, não de dominação do outro. Eles foram para lá para buscar a sabedoria, a graça de aprofundar às coisas de Deus, e, as suas criaturas. São Gregório de Nazianzo falou que foi da Vontade de Deus esta unidade, esta busca de pensar e de agir. Ele admirava o seu amigo Basílio pela seriedade de costumes, a maturidade, a prudência de suas palavras. A sua reputação foi conhecida por outras pessoas. Ele disse que Basílio foi o prelúdio da amizade que foi formada entre ele e Gregório de Nazianzo, a centelha que fez surgir a intimidade entre eles, tocados pelo amor mútuo.

Como a amizade é um dom de Deus e com o passar do tempo, eles confessaram um ao outro o desejo pela filosofia que almejavam na realidade, Assim eles eram tudo um para com o outro, pela moradia onde moravam juntos, faziam juntos as refeições na mesma mesa, aspirando aos mesmos ideais e cultivando a cada dia mais estreita e firme a amizade. Os dois buscavam a superação da inveja de um para com outro, e vivendo o amor mútuo, lutavam não para ver quem tirava o primeiro lugar, mas para cedê-lo ao outro. O fato era que cada um considerava como própria a glória do outro.

Ainda na amizade de São Basílio e São Gregório de Nazianzo foi a célebre afirmação que eles tinham uma só alma em dois corpos. Cada pessoa se encontrava na outra e com a outra pessoa. A única tarefa de ambos era dada em vista de alcançar a virtude e viver as esperanças futuras para assim imigrar aos poucos na vida eterna, ainda neste mundo pela amizade formada entre os dois. Eles se deixavam conduzir pelos mandamentos divinos. estimulando de uma forma mútua a prática da virtude. Eles chegaram ao ponto de ser um para com o outro a regra e modelo para discernir o certo e o errado[2]. Eles queriam viver o seguimento a Jesus pela amizade, o seu amor dado até o fim (cf. Jo 13,1).

Outro exemplo de amizade entre os santos padres existiu entre São Bento e Santa Escolástica, que eram irmãos de sangue. São Bento visitava a sua irmã Escolástica uma vez por ano. Certa vez, ele chegou com alguns discípulos e passaram o dia inteiro a louvar a Deus em colóquios santos. Ao escurecer, tomaram juntos a refeição. Naquela noite choveu muito de modo que São Bento não voltou para sua cela. Dessa forma eles passaram a noite toda acordados e se saciaram de santas conversas sobre a vida espiritual. São Gregório Magno ao escrever sobre esses dois irmãos de sangue afirmou que a monja o teria vencido, porque ao seguir a palavra de João, Deus é caridade (cf. 1 Jo 4,8), foi mais poderosa aquela que mais amou[3].

A amizade entre São João Crisóstomo e a Diaconisa Olímpia. São João Crisóstomo foi presbítero de Antioquia, na Síria e teve que ir para Constantinopla, na Turquia, para ser bispo daquela grande cidade, no final do século IV. Ele enfrentou muitas barreiras na busca sempre de uma vida conforme o Evangelho do Senhor Jesus. Sendo contestado e perseguido, Ele foi enviado ao exílio pelas autoridades imperiais, morrendo no Ponto, no início do século V. Ele manteve contatos com uma Diaconisa chamada Olímpia que o auxiliou na vida do exílio, dando-lhes forças na caminhada. Ele dizia que era caríssima a Deus e não se entregaria à tirania da tristeza e que deveria ser forte diante das tempestades[4]. Sem dúvida ele falava das tempestades que ele sofreu ao ser mandado no exílio, mas ele suportava por causa de Jesus Cristo. A Diaconisa Olímpia foi amiga de São João Crisóstomo e colaboradora em Constantinopla[5].

A amizade social determina uma vida conforme o evangelho do Senhor e ajuda na convivência social, na superação do ódio, da indiferença para dar lugar ao amor a Deus, ao próximo como a si mesmo. Jesus nos quer a todos como irmãos e irmãs, amigos e amigas como ocorreu no tempo dos santos padres e também na atualidade.

 

[1] Cfr. Ireneu de LIão. IV, 13,4. São Paulo, Paulus, pgs. 403-404.

[2] Cfr. Dos Sermões de São Gregório de Nazianzo, bispo. (Oratio 43, in laudem Basilii Magni, 15,16-17.19-21: PG 36, 514-523). In: Liturgia das Horas, I, Aparecida-SP, Editora Vozes, Paulinas, Paulus, Editora Ave-Maria, 1999, pgs. 1111-1113.

[3] Cfr. Do Livro dos Diálogos de São Gregório Magno, papa. (Lib. 2, 33: PL 66, 194-196). In: Liturgia das Horas. Ofício das Leituras. São Paulo, Edições Paulinas, 1987. pg. 1317.

[4][4] Cfr. Cartas a Olímpia, 3. São João Crisóstomo. São Paulo, Paulus, pgs. 200-201.

[5] Cfr. Introdução. Idem, pg. 13.

Artigos Anteriores

A FÉ DE SÃO TOMÉ EM JESUS RESSUSCITADO E AS GERAÇÕES POSTERIORES

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá São Tomé, um dos discípulos de Jesus teve a graça da aparição do Senhor Ressuscitado dentre os mortos em sua vida. São João (Jo 20, 24-29) colocou este fato para a vida dos apóstolos e também para as gerações...

A CEIA DO SENHOR EM SÃO PAULO SEGUNDO SÃO JOÃO CRISÓSTOMO

por Dom Vital CorbelliniBispo da Diocese de Marabá Na missa do lava-pés, na quinta-feira santa, a segunda leitura (cf. 1 Cor 11,23-26) fala da ceia do Senhor segundo a tradição que São Pulo recebeu dos apóstolos e também da comunidade dos cristãos e das cristãs, na...

A ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS EM SÃO CIRILO DE ALEXANDRIA

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Estando próximo à semana santa, sendo também o discurso fundamental do Senhor Jesus realizado na última ceia com os seus discípulos, o início do capítulo dezessete do Evangelista São João, apóstolo do Senhor Jesus,...

O SIGINIFICADO DO LEMA NA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Vós sois todos irmãos e irmãs (cf. Mt 23,8). É o lema da Campanha da Fraternidade 2024, sendo esta coordenada pela CNBB: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil[1] nas paróquias, comunidades, instituições, escolas,...

A IMPORTÂNCIA DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Nós estamos felizes e ao mesmo tempo nós louvemos a Deus Uno e Trino pela Campanha da Fraternidade 2024 dada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, cujo tema é: Fraternidade e Amizade Social e o seu Lema é:...

A SANTIDADE COMO DOM DE DEUS E A RESPOSTA LIVRE DO SER HUMANO

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá A santidade é dom de Deus para o ser humano, para que este viva a graça oferecida. É sempre Deus o iniciador da oferta divina, na qual a vida humana envolve-se pelo sim ou pelo não. Deus quer uma resposta livre das...

O DIA DE FINADOS EM ALUSÃO À VIDA ETERNA

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá O dia de finados, dois de novembro, está se aproximando de modo que é fundamental pensar na morte como passagem e na vida presente em ligação com a vida futura, a vida eterna. É o dia de fazer visita ao cemitério,...

O SÍNODO, A COMUNHÃO, A PARTICIPAÇÃO E A MISSÃO

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá O Sínodo dos Bispos em Roma possui como pontos fundamentais a comunhão, a participação e a missão. As três dimensões estão profundamente relacionadas entre si, sendo os pilares essenciais de uma Igreja sinodal,...

O ESPÍRITO SANTO E O SÍNODO

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá  O Papa Francisco colocou o Sínodo dos bispos 2023-2024 sob o selo do Espírito Santo, porque Ele é o protagonista do mesmo[1], fazendo com que a vida familiar, eclesial e social transcorra bem conforme o plano do...

A SINODALIDADE COMO DOM DE DEUS E COMPROMISSO HUMANO

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá A Igreja toda está em unidade com Roma aonde ocorre a Décima Sexta Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre: Por uma Igreja sinodal, comunhão, participação e missão. Todos os seguidores do Senhor e que...

O TEMA DO CÍRIO DE NOSSA SENHORA DE NAZARÉ 2023 EM MARABÁ

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá O quadragésimo terceiro Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Marabá, 2023, tem um tema muito importante para a vida cristã e para todas as pessoas de boa vontade que seguem o Senhor Jesus, caminho, verdade e vida (Jo...

O VALOR DA CRUZ NO SEGUIMENTO A JESUS

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá A cruz tem um grande valor para os cristãos porque ela é a condição essencial para seguir a Jesus e receber a dignidade de se unir com Ele. A sua palavra direciona a vida no sentido da liberdade humana: “Se alguém...

“MORREREI, MAS NÃO TE DEIXAREI ENTRAR NA IGREJA”

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá São estas as últimas palavras de Akash Bashir, um jovem paquistanês de 20 anos, mártir de Cristo, a caminho da beatificação. Por causa dos inúmeros atentados contra as igrejas na cidade de Lahore, no Paquistão, alguns...

O VALOR DO AMOR FRATERNO EM SANTO AGOSTINHO DE HIPONA

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Santo Agostinho foi um grande pastor e bispo em Hipona, no qual dirigiu a Igreja, a diocese, por mais de trinta anos, final do século IV e início do século V. Para todas as pessoas tinha uma palavra de fé, de...

VOCAÇÃO: CHAMADO DO SENHOR E RESPOSTA HUMANA

Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá A vocação é dom de Deus para a realidade humana. Deus sempre chama pessoas para o serviço do seu Reino no mundo e na Igreja. A resposta vem do ser humano diante do chamado. O Verbo de Deus encarnado também chamou pessoas...