A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

O tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a sensibilidade da Igreja para com essa experiência humana tão significativa. Na verdade, por se tratar de um nobre valor humano, a Igreja sempre insistiu na promoção da Amizade em todos os contextos.

  1. Na encíclica Rerum Novarum do Papa Leão XIII (1891), o sumo pontífice estimulou um justo tratamento das relações trabalhistas entre patrões e operários e afirmou que a Igreja, instruída e dirigida por Jesus Cristo, eleva o seu olhar para o alto e, por isso, ambiciona estreitar a união das duas classes até uni-las por laços de verdadeira amizade. A caridade promove a diminuição do abismo causado pelo orgulho e contribui para a amizade que une as classes (cf. RN, 11.14).
  2. O Papa Pio XI (1931) na Encíclica Quadragesimo Anno, sobre a restauração e aperfeiçoamento da ordem Social, afirma que a Igreja inspirada no Evangelho deseja suavizar as relações, tirando-lhes as asperezas (cf. QA,1). A restauração da ordem Social pressupõe a harmonia entre as profissões e relações de vizinhança entre muitos sujeitos (cf. QA,5).
  3. Na Encíclica Pacem in Terris do Papa João XXIII (1963), sobre a promoção da Paz e da justiça para todos os povos, o sumo pontífice afirma a necessidade do respeito à dignidade humana como princípio fundamental para a convivência humana bem constituída e eficiente. “E se contemplarmos a dignidade da pessoa humana à luz das verdades reveladas, não poderemos deixar de tê-la em estima incomparavelmente maior. Trata-se, com efeito, de pessoas remidas pelo Sangue de Cristo, as quais com a graça se tornaram filhas e amigas de Deus, herdeiras da glória eterna” (PT,10).
  4. Na carta Encíclica Dominum et Vivificantem (1986), sobre o Espírito Santo na vida da Igreja e do mundo, João Paulo II nos apresenta-o como o Amor, eterno Dom incriado que nos chama à amizade, na qual as transcendentes profundezas de Deus, são abertas, de algum modo, à participação por parte do homem. O Deus invisível na riqueza do seu amor, fala aos homens como a amigos (cf. DetV, 34). O Espírito Santo é a fonte da autêntica e verdadeira Amizade.
  5. Em 1987 na Encíclica Sollicitudo Rei Socialis, João Paulo II lamenta a constatação de ver o mundo dividido em blocos onde cada um corre atrás dos seus interesses, sendo um deles a corrida armamentista que impede o desenvolvimento do “impulso de cooperação solidária de todos para o bem comum do gênero humano” que deveria promover um diálogo profícuo e de uma verdadeira colaboração para a paz (cf. SRS, 122).
  6. Na Encíclica Evangelium Vitae, João Paulo II (1995), reflete sobre a importância do Amor à vida, que é a dimensão bioética da amizade. O Papa afirma: “em profunda comunhão com cada irmão e irmã na fé e animado por sincera amizade para com todos, quero meditar de novo e anunciar o Evangelho da vida…” (EV, 6). O Evangelho da Vida gera relações de amizade e convoca todos os membros da Igreja para que cresçam na justiça e a solidariedade e se afirme uma nova cultura da vida humana. O materialismo gera um grande empobrecimento das relações interpessoais, e conclui: “o critério próprio da dignidade pessoal — isto é, o do respeito, do altruísmo e do serviço — é substituído pelo critério da eficiência, do funcional e da utilidade: o outro é apreciado não por aquilo que «é», mas por aquilo que «tem, faz e rende” (EV, 23). A formação da consciência ajuda o homem a crescer no respeito à vida formando-o para as justas relações interpessoais (cf. EV, 97).
  7. A amizade é um importante elemento no relacionamento matrimonial; mas o casal deve estar atento com as falsas e prejudiciais amizades com terceiros que pode ameaçar o vínculo matrimonial (cf. Pio XI. Casti Connubii, 1930, N. 26). Na Encíclica Familiaris Consortio (1981), a experiência da Amizade pessoal está na base que sustenta as relações conjugais (cf. FC,25).
  8. São João Paulo II, na Pastores Dabo Vobis (1992), fala da necessidade da educação para o amor responsável e a maturidade afetiva como condições fundamentais para a vivência do celibato pois capacitam a pessoa para ser capaz de relações humanas, serena amizade e de profunda fraternidade. O diretor espiritual deve ajudar o seminarista para que chegue a uma decisão madura, livre, fundamentada na estima da amizade sacerdotal e da autodisciplina (cf. PDV, 50). Os candidatos ao sacerdócio devem ser ajudados através de uma “adequada educação para a verdadeira amizade, à imagem dos vínculos de fraterno afeto que o próprio Cristo viveu na sua existência (cf. PDV, 60). “O ambiente do Seminário Maior deve tender a tornar-se uma comunidade impregnada de uma profunda amizade e caridade de modo a poder ser considerada uma verdadeira família, que vive na alegria” (PDV, 60).
  9. João Paulo II, na Exortação Apostólica pós-sinodal Vita Consecrata (1996), sobre a vida consagrada e a sua missão na Igreja e no mundo, recorda aos consagrados que amizade espiritual ligou na terra diversos fundadores e fundadoras (cf. VC, 52). Falando da abertura dos institutos afirma que são chamados à experiência do conhecimento mútuo, o respeito e a caridade recíproca; ainda podem cultivar oportunas formas de diálogo, caracterizadas por amizade cordial, recíproca sinceridade e até com os ambientes monásticos de outras religiões (cf. VC, 102).
  10. Na Encíclica Fides et Ratio (1998) de João Paulo II sobre as relações entre fé e razão, fala que a razão nas suas buscas tem necessidade de ser apoiada por um diálogo confiante e uma amizade sincera, pois “a amizade é um dos contextos mais adequados para o reto filosofar”. “O ser humano está sempre em busca da verdade e busca duma pessoa em quem poder confiar” (FR, 33); citando Santo Tomás de Aquino afirma que fé e razão estão unidas com laços de amizade recíproca que conserva os direitos próprios de cada uma e salvaguarda a sua dignidade (cf. FR, 57).
  11. Na carta Encíclica Deus Caritas Est(2005), o Papa Bento XVI nos recorda que no começo da vida cristã está a experiência de um encontro de Amor: «Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo» (DCE, 1).
  12. O Papa Bento XVI, na Carta encíclica Caritas in Veritate (2009), afirma que “a doutrina social da Igreja considera possível viver relações autenticamente humanas de amizade e camaradagem, de solidariedade e reciprocidade, mesmo no âmbito da atividade econômica e não apenas fora dela ou “depois” dela” (CV,36). De fato, a atividade econômica não é eticamente neutra e nem de natureza antissocial (cf. CV,36). O mesmo documento, fala da amizade cívica e sua dimensão ecológica. “Toda lesão da solidariedade e da amizade cívica provoca danos ambientais, assim como a degradação ambiental por sua vez gera insatisfação nas relações sociais” (CV,51). “A paz dos povos e entre os povos permitiria também uma maior preservação da natureza” (CV, 51). (No próximo texto refletiremos sobre a amizade no magistério do Papa Francisco).

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Por que é danoso o materialismo nas relações humanas?
  2. O que significa a “amizade cívica” citada pelo Papa Bento XVI na Carta Caritas in Veritate?
  3. Por que a experiência da amizade é importante no processo de formação presbiteral?

Artigos Anteriores

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém