A SOLENIDADE DE PENTECOSTES NA VISÃO DE SÃO LEÃO MAGNO

por Dom Vital Corbellini
Bispo da Diocese de Marabá 

Pentecostes foi a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos com Maria Santíssima no Cenáculo (cf. At 1,14; 2,1-11). É uma solenidade de grande alcance para o cristianismo, marcando desta forma a vida da Igreja na qual ela vai ao mundo para anunciar a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo. A missão é dada pelo Espírito Santo em unidade com o Senhor e com o Pai. A seguir dar-se-á uma visão desta solenidade em São Leão Magno, Papa no século V.

Festa importante

São Leão Magno afirmou que Pentecostes era uma festa muito importante na vida dos cristãos e das cristãs. Era consagrada ao Espírito Santo com o excelente milagre do dom que ele fez de si mesmo para os apóstolos e para a Igreja[1]. Após quarenta dias em que o Senhor foi elevado aos céus, no qüinquagésimo dia, veio o dom de Deus, o Espírito Santo sobre os apóstolos.

O qüinquagésimo dia

 São Leão Magno falou da importância do qüinquagésimo dia, que seria a palavra Pentecostes. O povo hebreu no qüinquagésimo dia celebrou, após a imolação do cordeiro, a Lei que foi dada no monte Sinai (cf. Ex 19,17). Assim também no qüinquagésimo dia, após a paixão de Cristo, sendo morto o Cordeiro de Deus, desceu sobre os apóstolos e o povo fiel o Espírito Santo (cf. At 2,3). O Espírito Santo veio para estimular ações em favor de Cristo e da Igreja em unidade com as duas alianças: o Antigo e o Novo Testamentos[2].

A presença do Espírito Santo

Os Atos dos Apóstolos colocaram a presença do Espírito Santo que desceu em Pentecostes como línguas de fogo, de modo que todos ficaram cheios do Espírito Santo começando a falar em outras línguas (cf. At 2,1-11).  São Leão afirmou a presença do Espírito Santo dando novo vigor à Igreja nascente. Quando Deus é o mestre tudo vai bem. O Espírito da verdade soprou de uma forma livre sobre as pessoas. As línguas próprias de cada povo tornaram-se comuns, pelos lábios da Igreja[3]

Trombeta do Evangelho

São Leão Magno disse que neste dia ressoou a trombeta evangélica da pregação, com chuvas de carismas, rios de bênçãos a irrigarem o deserto e a terra para renovar a face da terra. Este mesmo Espírito que veio sobre os apóstolos pairava sobre as águas lá no inicio da criação(cf. Gn 1,2) para dissipar as trevas do erro, coruscar os fulgores de uma nova luz, para iluminar e para queimar os pecados das pessoas e dos povos[4].

O Espírito Santo é Deus como o Pai é Deus e o Filho é Deus

O Espírito Santo é de natureza divina, porque é Deus como o Pai é Deus: é Deus como o Filho é Deus, formando a Trindade Una e Santa. Na Trindade divina nada é dessemelhante, nada é desigual. Nela nada difere em poder, glória e eternidade. Não é diferente a natureza, nem a divindade. Na última ceia Jesus prometeu a vinda do Espírito Santo, do qual Ele não falará por si mesmo, mas tudo o que disser estará em comunhão com o Pai e com Filho (cf. Jo 16,12-15). O Espírito Santo é o Espírito do Pai e do Filho[5]. Tudo o  que o Pai tem, igualmente tem o Filho e o Espírito Santo. Sempre teve na vida divina a perfeita comunhão entre o Pai e o Filho, o Filho também está unido com a Igreja e, sobretudo com as pessoas pobres. A comunhão na Trindade sempre existiu porque nela ter tudo é o mesmo que sempre existir[6]. Tudo parte do Pai, passa pelo Filho e se completa no Espírito Santo tornando vigorosa a missão evangelizadora na Igreja e a vida no mundo.

As ações do Espírito Santo

São Leão Magno enumerou algumas ações do Espírito Santo na vida dos seguidores e das seguidoras do Senhor. Dele provém a invocação do Pai, as lágrimas dos penitentes pela sua conversão, os gemidos dos suplicantes. Pelo Espírito Santo, é possível dizer Jesus é o Senhor (cf. 1 Cor 12,3)[7]. Se existe a diversidade de dons, no entanto o Espírito é o mesmo (cf. 1 Cor 12,4).

Ele é santificador

É muito importante a celebração de Pentecostes, a sua solenidade na vida familiar, eclesial e social. O Papa Leão disse ainda que o Espírito Santo é santificador, porque Ele santifica toda a Igreja católica, instrui todos os espíritos racionais. Ele coloca em unidade com o Senhor o fogo de amor no coração das pessoas e dos povos em vista da missão. Ele dá o dom às pessoas para amar Jesus Cristo, o Pai e a Igreja. Tudo é Luz ao seu redor de modo que o pecado[8] não tem vez e voz para reinar, mas com o Espírito Santo reina a paz e o amor.

[1] Cfr. LXXV Sermão. Primeiro sermão de Pentecostes de Leão Magno. Paulus, SP, 1996, pg. 178.

[2]Cfr.  Idem, pgs. 178-179.

[3] Cfr, Ibidem, pg. 179.

[4] Cfr. Ibidem, pg179.

[5] Cfr. Ibidem, pg. 180.

[6] Cfr. Ibidem, pg. 181.

[7] Cfr. Ibidem, pg. 182.

[8] Cfr. Ibidem, pg. 182.

Artigos Anteriores

A EUCARISTIA, ALIMENTO MATERIAL E ESPIRITUAL EM VISTA DA VIDA ETERNA

por Dom Vital Corbellini  Bispo da Diocese de Marabá  Nós celebramos a solenidade do Corpus Christi, festa do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo. É a grande festa eclesial e é o grande alimento neste mundo e um dia ele dar-nos-á a graça para participar da vida...

A SOLENIDADE DA SANTÍSSIMA TRINDADE

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Nós festejamos a Solenidade da Santíssima Trindade, Deus Uno e Trino, Um só Deus em três Pessoas, Três Pessoas num único Deus. É o mistério dos mistérios. No entanto Ele é dado para nós e para a nossa salvação. Nós o...

A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR NA DOUTRINA DE SÃO LEÃO MAGNO

por Dom Vital CorbelliniBispo da Diocese de Marabá Nós celebramos a solenidade da Ascensão do Senhor. Jesus voltou ao Pai, após ter sido enviado a este mundo em vista da redenção humana. Ele entrou na glória de Deus e está sentado à sua direita para julgar os vivos e...

JESUS CRISTO É O BOM PASTOR, SEGUNDO SANTO AGOSTINHO

por Dom Vital CorbelliniBispo da Diocese de Marabá A Igreja refletiu no quarto domingo da Páscoa e na semana seguinte a boa nova de Jesus do bom Pastor no evangelista São João (cf. Jo 10,1-18), A figura é bem percebida no mundo de hoje e na vida eclesial, nos quais os...

A PÁSCOA NA VIDA DE JESUS CRISTO E NA VIDA DO POVO DE DEUS

por Dom Vital CorbelliniBispo da Diocese de Marabá Nós celebramos a Páscoa do Senhor em nossas existências e na vida de nossas comunidades. É o grande mistério no qual Deus Pai ressuscitou Jesus dos mortos (cf. At 3,15). Ela é passagem da morte para a vida em Cristo...

A FÉ DE SÃO TOMÉ EM JESUS RESSUSCITADO E AS GERAÇÕES POSTERIORES

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá São Tomé, um dos discípulos de Jesus teve a graça da aparição do Senhor Ressuscitado dentre os mortos em sua vida. São João (Jo 20, 24-29) colocou este fato para a vida dos apóstolos e também para as gerações...

A CEIA DO SENHOR EM SÃO PAULO SEGUNDO SÃO JOÃO CRISÓSTOMO

por Dom Vital CorbelliniBispo da Diocese de Marabá Na missa do lava-pés, na quinta-feira santa, a segunda leitura (cf. 1 Cor 11,23-26) fala da ceia do Senhor segundo a tradição que São Pulo recebeu dos apóstolos e também da comunidade dos cristãos e das cristãs, na...

A ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS EM SÃO CIRILO DE ALEXANDRIA

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Estando próximo à semana santa, sendo também o discurso fundamental do Senhor Jesus realizado na última ceia com os seus discípulos, o início do capítulo dezessete do Evangelista São João, apóstolo do Senhor Jesus,...

O SIGINIFICADO DO LEMA NA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Vós sois todos irmãos e irmãs (cf. Mt 23,8). É o lema da Campanha da Fraternidade 2024, sendo esta coordenada pela CNBB: Conferência Nacional dos Bispos do Brasil[1] nas paróquias, comunidades, instituições, escolas,...

A IMPORTÂNCIA DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá Nós estamos felizes e ao mesmo tempo nós louvemos a Deus Uno e Trino pela Campanha da Fraternidade 2024 dada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, cujo tema é: Fraternidade e Amizade Social e o seu Lema é:...

A SANTIDADE COMO DOM DE DEUS E A RESPOSTA LIVRE DO SER HUMANO

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá A santidade é dom de Deus para o ser humano, para que este viva a graça oferecida. É sempre Deus o iniciador da oferta divina, na qual a vida humana envolve-se pelo sim ou pelo não. Deus quer uma resposta livre das...

O DIA DE FINADOS EM ALUSÃO À VIDA ETERNA

por Dom Vital Corbellini Bispo da Diocese de Marabá O dia de finados, dois de novembro, está se aproximando de modo que é fundamental pensar na morte como passagem e na vida presente em ligação com a vida futura, a vida eterna. É o dia de fazer visita ao cemitério,...