AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

Qual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas importantes que nos apresentam a importância da vida espiritual para o enriquecimento e fortalecimento da amizade.

  1. A natureza da experiência religiosa

A experiência religiosa é, por si mesma, um convite à transcendência; é reconhecimento de que o ser humano não basta a si mesmo; é abertura e encontro com o “totalmente Outro” como bem refletiu o teólogo Karl Barth. Aderir a Deus, é ir ao encontro do mistério daquele que é plenamente diferente dos parâmetros humanos, totalmente gratuito, amigo por excelência da humanidade.

Essa experiência religiosa nos convida necessariamente à abertura aos outros e a estabelecer com eles uma relação autenticamente alicerçada no amor. Essa é a primeira condição para a amizade. Portanto, quem tem fé, naturalmente deveria declarar-se aberto para acolher, encontrar e interagir positivamente com os outros.

A experiência religiosa leva o ser humano a conectar-se à fonte da sua origem, Deus que é Amor. Quem está ligado ao amor divino, recebe a força suficiente para transcender-se, descentralizar-se e, assim possivelmente fazer a experiência da compaixão, da solidariedade, do perdão, da tolerância, da fidelidade criativa.

O Espírito de Deus é Amor sem medida que estimula o homem a superar-se, abrindo-se ao fenômeno da amizade e o capacita para a reciprocidade, bondade, comunhão, cuidado, responsabilidade para com o outro. A espiritualidade enquanto dinamismo de vida consequente do Amor de Deus, nos fortalece para estabelecer autênticas experiência de amizade. Na comunidade Divina está a plenitude da Amizade.

Na perspectiva religiosa, percebemos que a amizade não é simplesmente produto da vontade e da liberdade humana, mas é sobretudo, manifestação da vontade de Deus. No Antigo Testamento o fiel judeu era chamado a “amar a Deus sobre todas as coisas e o seu próximo como a si mesmo” (Lv 23,22); o profeta Isaías denunciou a prática da religião ligada à injustiça, opressão e desonestidade (cf. Is 1,10-17), portanto, era uma vida religiosa destituída de amizade e espírito ético.

No Novo Testamento, Jesus não coloca como critério o amor a si mesmo, mas o seu amor para com a humanidade: “O meu mandamento é este: amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês. Não existe amor maior do que dar a vida pelos amigos. Vocês são meus amigos, se fizerem o que eu estou mandando” (Jo 15,22-23).

A prática da amizade não é somente um valor humano natural, mas também é um compromisso que brota da experiência da fé. Há uma íntima conexão entre fé e ética, como acena São Tiago: “Se alguém pensa que é religioso e não sabe controlar a língua, está enganando a si mesmo, e sua religião não vale nada. Religião pura e sem mancha diante de Deus, nosso Pai, é esta: socorrer os órfãos e as viúvas em aflição, e manter-se livre da corrupção do mundo” (Tg 1,25-26).

  1. A vida espiritual é frutuosa

Há na Sagrada Escritura uma grande abundância de referências sobre a relação entre a fé e a prática da Caridade, da amizade, da solidariedade, da justiça, da compaixão. Certo, é que a fé não pode ser uma experiência vazia, puramente intelectual. Trata-se de uma energia interior que deve qualificar a existência do fiel na sua totalidade de dimensões. Assim diz São Paulo aos tessalonicenses: “Que o próprio Deus da paz os santifique por completo. Que todo o espírito, a alma e o corpo de vocês sejam preservados irrepreensíveis na vinda do nosso Senhor Jesus Cristo” (1Tss 5,23).

Jesus, na parábola da videira e seus ramos, deixou claro que não queria que seus discípulos vivessem numa esterilidade de vida. “Fiquem unidos a mim, e eu ficarei unido a vocês. O ramo que não fica unido à videira não pode dar fruto. Vocês também não poderão dar fruto, se não ficarem unidos a mim” (Jo 15,4-5). A qualidade de vida do discípulo depende da intimidade da sua relação com Mestre. O fruto ao qual Jesus se refere é a prática do amor. Essa é a condição da Alegria e da Glória do discípulo, do próprio Jesus e do Pai. “A glória de meu Pai se manifesta quando vocês dão muitos frutos e se tornam meus discípulos” (Jo 15,8). O apóstolo Paulo, na carta aos Gálatas, afirma que “o Fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio” (Gl 5,22-23). Todas essas virtudes compõe a grande moldura do dinâmico quadro da amizade.

São João aprofunda essa relação entre Fé e Amor. “Amados, amemo-nos uns aos outros, pois o amor vem de Deus. E todo aquele que ama, nasceu de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor” (1Jo 4,7-8). “Se alguém diz: «Eu amo a Deus», e, no entanto, odeia o seu irmão, esse tal é mentiroso; pois quem não ama o seu irmão, a quem vê, não poderá amar a Deus, a quem não vê” (1Jo 4,20-21).

Também São Paulo em suas diversas cartas aprofunda essa relação inseparável entre fé e amor: “Irmãos, acima de tudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição” (Cl 3,14-15). “Eu… vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: com toda a humildade e mansidão, suportando-vos uns aos outros com paciência, no amor. Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz” (Ef 3,1-4). Na comunidade onde falta o espírito amistoso que brota da fé, há “discórdia, inveja, animosidades, rivalidades, maledicências, falsas acusações, arrogância, desordens” (2Cor 12,20). O crescimento integral do discípulo de Jesus só é possível quando ele está alicerçado no amor (cf. Ef 4,18-19).

O espírito amistoso é carregado de senso de responsabilidade pessoal e corresponsabilidade comunitária, como bem reflete São Paulo: “Carregai os fardos uns dos outros…” e “cada qual tem que carregar o seu próprio fardo” (Gl 6,2.6).

  1. Compromisso de conversão permanente

A fé compromete o fiel discípulo de Jesus num permanente processo de crescimento custoso que lhe exige perseverança no exercício do amor: “Não desanimemos de fazer o bem” (Gl 6,9). Essa prática do bem deve ser sincera (cf. 1Pd 1,22). Na carta aos Romanos São Paulo nos apresenta uma longa lista de atitudes recheadas do espírito caridoso que deve caracterizar o comportamento do cristão: o amor sincero, a rejeição do mal, o afeto fraterno, o carinho recíproco, a mútua estima, o zelo no serviço, o fervor de espírito, a alegria, a paciência, a solidariedade, a hospitalidade, a harmonia, a humildade, a tolerância (cf. Rm 12,9-20). E conclui dizendo: “Não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal com o bem” (Rm 12,21).

A espiritualidade cristã purifica os desejos e fortalece a afetividade dando-nos condições para a amizade porque nos educa e canaliza os nossos impulsos para o bem nos livrando de viver dominado pelas paixões desordenadas. São Pedro nos exorta dizendo: “afastai-vos das humanas paixões, que fazem guerra contra vós mesmos” (1Pd 2,11). Paixões desordenadas são movidas pelos instintos e desprovidas da hierarquia de valores éticos, por isso, nelas não há espaço para a amizade. Por isso, a sabedoria nos pede o cultivo do autodomínio e da sobriedade (cf. Eclo 18,30-33). Nesse horizonte de equilíbrio está também a continência verbal, como reflete São Pedro: “quem quer amar a vida e ver dias felizes, guarde a sua língua do mal e seus lábios de falar mentiras” (2Pd 3,10-11).

A espiritualidade contribui para a experiência da amizade porque a fé cristã é chamada a ser virtuosa: “Façam esforço para pôr mais virtude na fé, mais conhecimento na virtude, mais autodomínio no conhecimento, mais perseverança no autodomínio, mais piedade na perseverança, mais fraternidade na piedade e mais amor na fraternidade” (2Pd 1,7-8).

Enfim, a espiritualidade contribui para a experiência da amizade porque é um dinamismo de vida que brota das inseparáveis virtudes da fé, esperança e caridade; elas nos possibilitam a vivência de todas as virtudes e atitudes que compõem os conteúdos da amizade: confiança, diálogo, partilha, cuidado, reciprocidade, solidariedade, compaixão, perdão, generosidade etc. Amigos que são alimentados pela fé tem mais condições para a superação dos obstáculos, firmeza para conservarem-se frutuosos, predisposição para o perdão e a fidelidade.

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. O que significa a frase de Jesus: “sem mim vocês nada poderão fazer” (Jo 15,5)?
  2. Quais frutos do Espírito Santo fazem parte da experiência da amizade?
  3. Por que o dinamismo dos instintos e das paixões desordenadas atentam contra a amizade?

Artigos Anteriores

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém