BASE CRISTOLÓGICA DA DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA NA CATEQUESE (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

A relação entre a Catequese e a Doutrina Social da Igreja se fundamenta nas palavras e no agir de Jesus Cristo, o Libertador-Salvador da humanidade. A sensibilidade pedagógica do catequista e a base do seu conteúdo encontra na pessoa do Filho de Deus a sua fonte essencial.

É importante considerar que Jesus não se fixou na “salvação das almas”, mas se ocupou com as pessoas promovendo a Salvação integral delas. Por isso, Jesus se interessou pela saúde, liderança, fome, sede etc. Ou seja, vamos encontrar no agir de Jesus um profundo interesse por todas as pessoas e pela totalidade da vida delas, e não simplesmente com a dimensão espiritual e religiosa.

  1. A missão de Jesus

Toda a vida de Jesus Cristo foi dedicada à salvação integral da pessoa humana. Ele mesmo ao anunciar a sua missão, declarou a convicção do seu cuidado para com as pessoas na sua integridade; Ele se interessou tanto pelo indivíduo, quanto pelas multidões e múltiplas realidades sociais.

O evangelista Lucas documentou a declaração missionária de Jesus quando disse na Sinagoga de Nazaré: «O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção, para anunciar a Boa Notícia aos pobres; enviou-me para proclamar a libertação aos presos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos, e para proclamar um ano de graça do Senhor» (Lc 4,18).

Outra síntese dessa totalidade está na declaração do Evangelista João falando do Filho de Deus: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). O Verbo é a realidade divina invisível, Sabedoria eterna, Palavra Criadora (cf. Salmo 33,6; Jo 1,3), que assume a humanidade na sua totalidade de dimensões. Por isso, seguidora do Senhor, a Igreja deve também encarnar-se em todas as realidades da vida humana.

Aquele que disse “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8,12), declarou a seus discípulos: “Vocês são o sal da terra. Ora, se o sal perde o gosto, com que poderemos salgá-lo? Não serve para mais nada; serve só para ser jogado fora e ser pisado pelos homens. Vocês são a luz do mundo. Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. Ninguém acende uma lâmpada para colocá-la debaixo de uma vasilha, e sim para colocá-la no candeeiro, onde ela brilha para todos os que estão em casa. Assim também: que a luz de vocês brilhe diante dos homens, para que eles vejam as boas obras que vocês fazem, e louvem o Pai de vocês que está no céu.» Eis aí a insistente declaração de Jesus sobre a necessidade do testemunho de vida dos seus discípulos capaz de causar impacto social.

  1. Jesus Cristo e a promoção do Reino de Deus

Apresentando um novo estilo de liderança, Jesus se apresentou como o Bom Pastor e afirmou:Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância!” (Jo 10,10). De fato, Ele com suas palavras, gestos, atitudes e iniciativas se interessou pela totalidade da vida de todas as categorias de pessoas.

A missão de Jesus, o Messias, foi aquela da promoção do Reino de Deus na vida das pessoas e nas mais variadas realidades humanas: na família, nas relações interpessoais, nas comunidades, na política, na economia, nas ciências, na religião, no mundo do trabalho etc. Na promoção do Reinado de Deus Jesus dá prioridade aqueles que viviam em dramática situação existencial: os pobres, doentes, cegos, coxos, aleijados, surdos, aprisionados, famintos, mudos, deprimidos, angustiados, leprosos, paralíticos, possuídos pelo demônio (pessoas psiquicamente transtornadas!…), estrangeiros, as vítimas do legalismo religioso, aqueles que não tinham voz e nem vez como as crianças, mulheres, pagãos, leprosos. Uma nova era chegava para eles; assim Jesus mandou dizer a João Batista para confirmar o início do Reino de Deus: “vão e digam a João o que vocês estão ouvindo e vendo: os cegos enxergam, os mancos caminham, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e as Boas Novas estão sendo pregadas aos pobres” (Mt 11,4-5).

Marcos descreveu essa situação apresentando Jesus sempre em meio à miséria humana com muita clareza, sobretudo, nos primeiros capítulos do seu Evangelho. Os pobres não são destinatários passivos da pregação de Jesus; mas são tratados por Jesus como sujeitos e desafiados. Jesus os desafiou à mudança de vida, a tomarem decisões sérias e a serem seus discípulos seguindo seus passos. Jesus descobriu em meio aos pobres grandes talentos; Ele valorizou as pessoas, deu visibilidade a elas, as promoveu e transformou em seus verdadeiros parceiros corresponsáveis pela mesma missão: «Sigam-me, e eu farei vocês se tornarem pescadores de homens» (Mc 1,18).

O Evangelista Mateus narra que certa vez, Jesus andando pela pobre região da Galiléia encontrou uma multidão de pobres e sofredores: “vieram até ele numerosas multidões trazendo coxos, cegos, aleijados, mudos e muitos outros, e os puseram aos seus pés e ele os curou, de sorte que as multidões ficaram espantadas ao ver os mudos falando, os aleijados sãos, os coxos andando e os cegos a ver. E renderam glória ao Deus de Israel” (Mt 15,29-30); conversando com os seus discípulos comentava: “Tenho compaixão da multidão” (Mt 15,32).

A gestão da pastoral catequética não pode esquecer a sensibilidade social de Jesus. Por outro lado, deve ser refletida e confrontada com a sensibilidade pessoal, comunitária e paroquial. Não seremos autênticos seguidores de Jesus se formos frios diante dos pobres e sofredores de hoje. A catequese tem uma séria responsabilidade socio-eclesial.

A reflexão sobre a sensibilidade social de Jesus na promoção do Reino de Deus, provocando a transformação social, deve ser objeto não somente de reflexão pela pastoral catequética, mas sobretudo deve traduzir-se me atividades concretas com os catequizandos. De nada adianta falar dos problemas humanos e dos dramas sociais se ficarmos, na prática, distantes deles. Por isso, ao final desta série de reflexões pretendo sugerir aos catequistas uma lista de atividades possíveis a serem promovidas com os catequizandos. A Catequese não deve reduzir-se ao estudo, pois a Iniciação à Vida Cristã requer a experiência do engajamento socio-eclesial. Iniciação à Vida Cristã é imersão no Mistério da caridade, da compaixão, da misericórdia.

  1. Gestos e atitudes de Jesus

Promovendo o Reino de Deus, Jesus não se fechou no templo e nem ficou somente rezando ou pregando nas sinagogas, mas andava por todos os lugares, ensinando e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo (cf. Mt 4,18-23; Lc 8,1). Nessas andanças ia formando os seus discípulos. A formação do verdadeiro discípulo de Jesus deve, hoje, acontecer da mesma forma, através de múltiplas experiências: do estudo, oração, liturgia, engajamento comunitário, prática missionária, serviço da caridade etc.

Jesus promoveu a dignidade humana curando cegos, aleijados e surdos; restaurando a saúde das pessoas, ressuscitando mortos (cf. Mt 4,24; 8,16-17; Jo 11,1-44) e essa missão foi confiada aos apóstolos (cf. Lc 10,9; Mt 10,1-8); Jesus lutou contra a ignorância (cf. Mt 9,35) e a opressão (cf. Mt 11,28-30; Mt 23). Jesus se opôs ao acúmulo da riqueza e ao materialismo (cf. Mc 10,25; Lc 18,24-27; Lc 16,19-31). Na política, Jesus reconheceu a autêntica autoridade civil, mas alertou para a necessidade da não confusão, propondo o princípio do “dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” (Mt 12,17; 22,21); e a autoridade, deve ser serviço, contestando e criticando o exercício do poder tirano na sociedade (cf. Jo 13,14-15; Mt 23,11; 18,1-4) e até chama Herodes de raposa (cf. Lc 13,32).

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Como a catequese, através da Iniciação à Vida Cristã, pode estimular nos catequizandos o conhecimento e a assimilação da sensibilidade social de Jesus?
  2. Há alguma relação entre a ignorância sobre Jesus Cristo e o intimismo religioso?
  3. Por que a sensibilidade social de Jesus nos inquieta e o que nos provoca?

 

Artigos Anteriores

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém