COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

Na próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano (Fraternidade e Amizade Social), o trecho que inspirou a escolha do lema da Festa foi a situação de preocupação que Maria e José experimentaram ao voltar para casa, ao término da peregrinação a Jerusalém, quando perceberam que Jesus adolescente não estava junto na caravana (Lc 2,41-51). Evidentemente foram procurá-lo. O curioso é que também no evangelho da liturgia deste Quinto Domingo de Quaresma alguns estrangeiros gregos, provavelmente pagãos, se aproximaram de Felipe que, talvez, falava a língua deles e lhe disseram que queriam ver Jesus. Alguns domingos atrás ouvimos do evangelho de Marcos que os discípulos disseram a Jesus: “Todos estão te procurando” (Mc 1,37). Poderíamos ficar entusiasmados com todo este interesse por Jesus, também se, claramente, os motivos desta “procura” são muito diferentes: a angústia de Maria e José, a curiosidade dos gregos e o interesse dos doentes para serem curados.

Como responde Jesus a toda esta procura? A Maria e José diz que deve estar naquilo que é do Pai. Aos doentes e sofredores se manifesta operando cura e expulsando demônios, mas depois vai para outras aldeias para pregar o Evangelho. Aos gregos, enfim, responde de uma forma surpreendente. Ele fala do “grão de trigo” que se não morrer ficará só, mas se aceitar ser transformado em espiga carregará muitos frutos. Jesus está falando dele mesmo. A quem queria “vê-lo” se apresenta como aquele que dá a própria vida. Quem quiser encontrá-lo deve se colocar ao seu “serviço” e trilhar o mesmo caminho da cruz. Isto fica mais claro ainda com as palavras finais do trecho litúrgico do evangelho: “E eu, quando for elevado da terra, atrairei todos a mim”. Segue o comentário do evangelista: Jesus falava assim para indicar de que morte iria morrer. (Jo 12, 32-33). Esta morte será uma derrota total para o mundo, mas será a glorificação do Filho por parte do Divino Pai que, naquele momento, fez ouvir a sua voz misteriosa. 

Antes de encontrar o Cristo glorioso, precisamos reconhecê-lo sofredor e crucificado, solidário, por amor, com todos os descartados, excluídos e injustiçados da história humana. Quem não se dispõe a “servir” Jesus presente nos pequenos e nos pobres, a perder um pouco ou toda a sua vida por amor a eles, pode encontrar Jesus, com certeza, porque ele sempre se oferece a todos. Será, todavia, um “Senhor” parcial, sem as chagas, mais semelhante as pessoas de sucesso, aos grandes, aos poderosos deste mundo com o quais ele nunca se identificou. Somente a fraternidade e a solidariedade podem nos aproximar mais uns aos outros. É na comunhão entre as pessoas que se acolhem como irmãos e irmãs, com o mesmo valor e dignidade, muito além daquelas particularidades de natureza, de condição, de ideologia que tanto nos separam e nos tornam inimigos, que Jesus está no meio de nós. Onde tem amigos que se ajudam, pessoas capazes de deixar de lado os próprios interesses para assumir as preocupações dos irmãos é que podemos encontrar Jesus. Maria nos dá o exemplo com o seu “sim”, pronta a acolher o Salvador que revoluciona seu projeto de vida. Logo corre para visitar Isabel, a parente idosa para partilhar com ela o segredo inacreditável da encarnação e cantar a boa notícia de esperança para os pobres e os humildes. Também José com o seu “sim” vence o medo e acredita no impossível que estava acontecendo no seio da esposa prometida. Será o pai humano de Jesus, lhe ensinará as maravilhas que Deus tinha feito ao seu povo e as promessas que deviam se cumprir. Lhe ensinará, a laboriosidade, a fidelidade,  tudo aquilo que abre a mente e o coração de uma criança para que se torne capaz de compaixão com os irmãos, quem sabe, até a coragem de doar a própria vida. Nunca saberemos isso com certeza, mas nos faz muito bem aprender o amor e a amizade com a Família de Nazaré. A “amizade social” se aprende, antes, em casa.         Dom Pedro José Conti, bispo   

Artigos Anteriores

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.