DESAFIOS E ESPERANÇAS PARA AS JUVENTUDES FORAM PAUTADOS DURANTE A 61ª ASSEMBLEIA GERAL DA CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

por Vívian Marler / Comunicação CNBB Regional Norte 2
foto Comunicação CNBB

O tema da juventude no contexto das novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE) foi debatido durante a 61ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (AG CNBB).

O evento contou com a presença de Dom Vilson Basso, bispo da Diocese de Imperatriz (Ma) e presidente da Comissão Episcopal para a Juventude da CNBB, Wanessa Freire Almeida, secretária nacional da Pastoral da Juventude (PJ), e Patrik Soares de Carvalho, membro da Comunidade da Aliança de Misericórdia e representante das Novas Comunidades, ambos membros da Coordenação Nacional da Pastoral Juvenil da CNBB, composta por 12 jovens. Estiveram presentes, também, os referentes para a Juventude dos regionais, como Dom Antonio de Assis Ribeiro, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belém e referente para a juventude no Pará e Amapá.

Para Dom Vilson Basso a temática prioritária ‘Desafios e Luzes na Evangelização das Juventudes’ retoma o grande sonho de Papa Francisco no sínodo de 2018 “o número 119 do documento final [Sínodo dos Bispos, XV AGO ‘Os Jovens a Fé e o Discernimento Vocacional – de outubro de 2018] que fala que a Igreja deve investir tempo, energias e recursos financeiros na evangelização dos jovens. E Cristus vivit que foi exortação apostólica pós sinodal, onde Papa Francisco coloca meios para uma nova pastoral com os jovens, colocando a Boa Nova de que Deus os ama, derramou seu sangue por eles e que Jesus vive ressuscitado e está sempre presente ao lado dos jovens”, e continuou.

“Sabe-se que apostar nos jovens, cuidar dele é cuidar do presente e do futuro, da Igreja e da sociedade, valorizando a arte, a cultura, o esporte, o cuidado com a casa comum, a solidariedade e as ações concretas porque os jovens de hoje são sensíveis com o sofrimento dos outros e da natureza, e devemos assim estimula-los a missionariedade”, disse o presidente episcopal para a Juventude, que sente alegria em sempre servir a causa juvenil.

Os jovens Wanessa e Patrik destacaram a presença e importância dos jovens na Igreja e suas expectativas para o futuro. Apresentaram preocupação com as causas sociais, sobretudo com a Casa Comum; desejo e necessidade de formar novas lideranças jovens; desafios de proximidade com as lideranças e assessores eclesiásticos nas dioceses; dificuldades dos jovens em participarem nas instâncias decisórias da Igreja; aumento dos jovens “desigrejados”.

Os debates também envolveram bispos com experiências em juventudes, como Dom Eduardo, bispo de Jaboticabal (SP), dom Gilson, bispo de Nova Iguaçu (RJ) e Dom Darley José Kummer, bispo auxiliar de Porto Alegre (RS). Eles compartilharam histórias e percepções sobre processos de evangelização e pontos de destaque nas discussões sobre as juventudes, pautadas pelo caminho recente percorrido pela Igreja tanto universalmente quanto no contexto brasileiro.

O contexto colocado pelos bispos passa pela necessidade em buscar novos caminhos para chegar aos centros urbanos e aos lugares mais distantes. Uma forma que já é usada pelos Jovens conectados e que deve ser ampliada, através das novas tecnologias, das redes sociais junto as emissoras de tv e rádio, de uma forma rápida, criativa e que consiga conectar toda a juventude com os valores evangélicos, tocando seus corações.

Para Dom Antônio de Assis Ribeiro, em seu pronunciamento, deve-se investir tempo, energia e recursos na Pastoral Juvenil para que se possa dedicar ao acompanhamento dos jovens, oferecendo tempo para escuta-los e conhecer as suas realidades, para que se possa programar e discernir a melhor forma de evangeliza-los.

 

Abaixo, leia, na íntegra, o pronunciamento de Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB, referente para a Juventude no Pará e Amapá.

“ INVESTIR TEMPO, ENERGIA E RECURSOS NA PASTORAL JUVENIL

O parágrafo 119, do documento final do Sínodo dos bispos sobre os jovens, nos diz que a prioridade da pastoral juvenil é uma escolha que exige investimento de “tempo, energias e recursos”. Essa ideia aparece também na Exortação Apostólica Christus Vivit afirmando: “qualquer plano de pastoral juvenil deve conter claramente meios e recursos variados para ajudarem os jovens a crescer na fraternidade, viver como irmãos, auxiliar-se mutuamente, criar comunidade, servir os outros, aproximar-se dos pobres” (CV,215). Uma vez que a Igreja já fez a opção preferencial pelos jovens, então devemos levar a sério as suas consequências.

Uma pastoral juvenil consistente, requer a dedicação de TEMPO QUALIFICADO aos jovens; não há pastoral sem tempo dedicado; uma pastoral juvenil séria demanda tempo para a elaboração de planos pastorais, projetos socioeducativos e agendas específicas (diocesana e paroquiais); tempo para com a formação de lideranças juvenis, leigos, padres e seminaristas; é preciso dedicar tempo para a promoção de processo educativos, articular e programar celebrações especiais, encontros periódicos, retiros, experiências missionárias e participar de eventos diocesanos, regionais e nacionais.

Não existe educação e evangelização onde não há investimento de tempo; somos educadores-pastores dos jovens porque eles fazem parte do rebanho que nos foi confiado e somente quem gasta tempo com o outro, pode cuidar e comprovar que ama. Recordemos Saints Exupéry: “Foi o tempo que dedicaste à tua rosa que a fez tão importante.”

Em síntese: é preciso dedicar tempo para a Pastoral Juvenil; tempo para escutar, pensar, projetar, programar, avaliar, estudar, discernir situações; tempo para conviver e acompanhar.

A segunda consequência da prioridade pastoral para com jovens é o investimento de ENERGIAS: isso significa disponibilizar recursos humanos (assessores, sacerdotes, líderes, seminaristas); gastar energias significa ser presença animadora que escuta, acompanha, orienta, convive, participa da vida deles. Energia na vida pastoral significa afeto dedicado, exercício de inteligência à serviço da pastoral juvenil; energia significa esforço de redimensionamento, reconfiguração pastoral e conversão missionária. Todavia, a mais forte energia que podemos dispensar aos jovens é o nosso calor afetivo amistoso e paterno.

Temos muitas energias que poderiam estar com mais generosidade a serviço da educação e evangelização dos jovens, como por exemplo, as energias carismáticas presentes em nossas Igrejas que fortalecem a Pastoral juvenil e promove a mentalidade sinodal. Na gestão pastoral é preciso equilíbrio no emprego de energias. Pois, todas as categorias do povo de Deus devem ser beneficiárias da mesma atenção pastoral.

Em síntese: temos energias disponíveis nossas o evangelho, as devoções, os carismas, a paixão pela missão, nossa vocação… Mas a maior e mais potente das nossas energias é aquela afetiva – que vai ao encontro, acolhe, gera amizade.

O terceiro investimento a ser feito na pastoral juvenil, diz respeito a RECURSOS. Isso significa a disponibilidade de meios necessários para que as iniciativas desejadas aconteçam. Há uma variedade de recursos que, sem os quais, a pastoral juvenil fica atrofiada. O fortalecimento da pastoral juvenil, que contribui para a revitalização da Igreja, necessita de recursos humanos, recursos técnicos (espaços), pedagógicos e financeiros.

A maioria dos jovens não trabalha, por isso eles precisam ser apoiados financeiramente nas ações pastorais e, ao mesmo tempo, sejam educados para que o protagonismo juvenil, se manifeste também através do dinamismo de uma pastoral juvenil aberta e autossustentável.

Em síntese: é preciso investir em formação (de assessores leigos, seminaristas, sacerdotes especialistas), em recursos pedagógicos, técnicos, infraestruturas como o Oratório e centro juvenil… investimento em experiências como no voluntariado, na missionariedade, na luta socioambiental etc.”

 

#eurezopelaassembleiadosbispos

Clique nos títulos abaixo para ler na íntegra a matéria:

13/04 REPRESENTANTE DA DIOCESE DE CASTANHAL É UMA DAS 19 CATEQUISTAS QUE RECEBEU O MINISTÉRIO DA CATEQUESE DURANTE A 61ª AG CNBB

12/04 CATEQUISTA DA DIOCESE DE CASTANHAL REPRESENTARÁ O REGIONAL NORTE 2 NA CERIMÕNIA DE INISTITUIÇÃO DO MINISTÉRIO DE CATEQUISTAS

10/04 EVANGELIZAÇÃO FOI UM DOS TEMAS APRESENTADOS DURANTE A COLETIVA DE IMPRENSA DO PRIMEIRO DIA DA 61ª AG CNBB

10/04 DOM JAIME SPENGLER DÁ INÍCIO A SESSÃO DE ABERTURA DA 61ª AG CNBB

08/04 SECRETÁRIO-GERAL CONVIDA PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA 61ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB

 

Notícias

DIOCESE DE ABAETETUBA DIVULGA SUA PROGRAMAÇÃO DO DIA DE CORPUS CHRISTI

por Pascom / Diocese de Abaetetuba Na quinta-feira, dia 30 de maio, a cidade de Abaetetuba se encherá de fé e devoção para celebrar Corpus Christi, o mistério da Eucaristia, o corpo e o sangue de Cristo presente entre nós. Momento de profunda adoração e gratidão, onde...

PELA VIDA DAS COMPANHEIRAS

por Coordenação Pastoral da Juventude / Regional Norte 2.foto Pastoral da Juventude / Regional Norte 2A Pastoral da Juventude do Regional Norte 2 (Pará e Amapá) entre os dias 17 a 19 de maio de 2024 no Centro Manarijó e na Paróquia Nossa Senhora da Luz, na cidade de...

NOVOS RUMOS DA PASTORAL DO MENOR

por Vívian Marler / Comunicação Regional Norte 2A Arquidiocese de Santarém realizou ao final da tarde de ontem, dia 20, no auditório principal da Catedral Nossa Senhora da Conceição, uma reunião para tratar sobre os novos rumos da Pastoral do Menor – PAMEM. A reunião...

ENCONTRO VOCACIONAL REÚNE MAIS DE 50 JOVENS EM BRAGANÇA

por Matheus Felipe /  Pascom Diocese de BragançaAconteceu no último final de semana (17 a 19) no Centro Pastoral Guadalupe – EFAC, em Bragança, o primeiro ‘Encontro Vocacional de 2024 da Diocese de Bragança do Pará’ e contou com a presença de 57 jovens de diversas...

PENTECOSTES: ARQUIDIOCESE DE SANTARÉM REALIZA DIVERSAS CELEBRAÇÕES

por Pascom / Arquidiocese de SantarémNo próximo domingo, 19 de maio, a Igreja festeja a solenidade de Pentecostes, que é a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos de Jesus Cristo em Jerusalém. Na Arquidiocese de Santarém as programações em nível de região...