FALAR À TOA

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

A língua mais falada no mundo é “o falar à toa”, falar por falar. Bilhões de palavras, a cada dia nos chegam de qualquer lado e nos sufocam. Para que o ser humano não fale bobagens demais, Deus nos deu dez dedos para que possamos lembrar alguns sábios conselhos: “Que a tua primeira palavra seja boa. Que a tua segunda palavra seja verdadeira. Que a tua terceira palavra seja justa. Que a tua quarta palavra seja generosa. Que a tua quinta palavra seja corajosa. Que a tua sexta palavra seja tenra. Que a tua sétima palavra seja consolante. Que a tua oitava palavra seja acolhedora. Que a tua nona palavra seja respeitosa E a tua décima palavra seja sabia. Depois pode ficar calado”

No Terceiro Domingo de Advento deixamos o evangelho de Marcos para proclamar um trecho do primeiro capítulo do evangelho de João. Novamente no centro está a figura de João Batista que é questionado por sacerdotes e levitas sobre a própria identidade. Eles perguntam: – “Quem és tu?”. Inicia assim um diálogo entre os enviados de Jerusalém e o Batista. Ele sabe muito bem quem não é: não é o Messias, nem Elias, nem o Profeta. Apesar das expectativas e do sucesso da sua pregação, não será ele a realizar as antigas promessas. No final ele responde que é somente “a voz que grita no deserto: “Aplainai o caminho do Senhor” (Jo 1,23). No entanto, desde o início do trecho proclamado, nós já tomamos conhecimento que João Batista era um homem “enviado por Deus”. Ele não era a luz, mas “veio para dar testemunho da luz”. A pregação de João devia servir “para que todos chegassem à fé por meio dele”. A fé que aqui está em jogo é evidentemente aquela que ainda hoje somos convidados a ter “com os olhos fixos em Jesus, que vai à frente da nossa fé e a leva à perfeição” como lemos na carta aos Hebreus 12,2.

O silêncio, sobre o qual refletimos domingo passado, não significa nos omitir do testemunho, do anúncio corajoso da nossa fé. Jesus mesmo disse: “O que vos digo no escuro, dizei-o à luz do dia; o que vos é sussurrado ao ouvido, proclamai-o sobre os telhados!” (Mt 10,27). A dinâmica do testemunho cristão é feita de escuta e de proclamação. Se não escutamos bem o que o Senhor nos diz, podemos falar aos nossos irmãos, aos quais somos enviados, de nós mesmos, das nossas ideias, dos nossos gostos. De outro lado, precisamos comunicar a alegria da nossa fé, não podemos manter escondida a luz que encontramos. É mais forte do que nós. De novo, é questão de palavras, mas também de gestos e atitudes. Testemunhamos a nossa fé com todo o nosso jeito de viver, incluindo as nossas fraquezas, limitações e até pecados. Somos companheiros de caminhada com a humanidade toda e buscamos acertar os passos. O que vale é nunca desistir. Se caímos, ao levantarmos anunciamos a misericórdia do Pai. Se espalhamos um pouco de luz e de paz, procuramos sustentar o nosso ânimo mais na bondade do Senhor que nas nossas próprias forças. Se formos chamados a explicar o sentido da nossa fé, lembramos as palavras de Jesus que prometeu que será o Espírito do Pai a falar através de nós (Mt 10, 19-20). É possível falar bem da nossa fé e da nossa Igreja sem falar mal dos outros? Devemos tomar cuidado para não usar o nome de Deus em vão como se ele fosse obrigado a confirmar tudo o que nós dizemos, sobretudo quando esquecemos do seu perdão e da sua infinita bondade. Nas conversas, devemos lembrar que não estamos falando de uma doutrina, mas de uma pessoa, Jesus, que surpreendeu a todos com sua vida, seu amor, sua Páscoa de cruz e ressurreição. Nunca podemos deixar de conhecer mais e melhor Jesus. Vale para nós também a resposta que João Batista deu aos que o questionavam: “Eu batizo com água; mas no meio de vós está aquele que não conheceis, e que vem depois de mim” (Jo 1,26-27). Saber reconhecer Jesus que está sempre no meio de nós é um grande dom. Dar testemunho da luz do Senhor é compromisso de todo batizado. Talvez começando a falar com as dez palavras que, afinal, são dez santas virtudes. De Jesus não se deve falar “à toa”.

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...