NÃO É FÁCIL

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

“Não é fácil: pedir desculpa, começar tudo de novo, reconhecer que erramos, ser generosos, aceitar um sorriso de desprezo, ser perseverantes nas dificuldades, aprender com os erros, perdoar e esquecer as ofensas, refletir e agir corajosamente, usar ao máximo os dons de Deus, aceitar uma repreensão não merecida, dominar um temperamento agressivo, corrigir uma língua maliciosa, colocar-se a disposição da comunidade, defender a vida. Não, não é fácil.”

No 3º Domingo do Tempo Comum, o evangelho de Marcos nos apresenta o início daquela que chamamos de “vida pública” de Jesus. Quase nada sabemos a respeito dos mais ou menos trinta anos anteriores. Agora, depois que João Batista foi preso, Jesus começa a falar e agir. Ele tem um anúncio para dar e uma missão a cumprir. As duas coisas, se assim se podem chamar, aparentemente tão diferentes, de fato acontecem juntam. Jesus anuncia a chegada, o início ou, melhor ainda, a presença do Reino de Deus e lança o convite à conversão, ou seja à adesão comprometida a este Reino. Este “anúncio”, como todas as notícias, boas ou não, é feito através de palavras. De fato, porém o Reino de Deus é um acontecimento. Com Jesus, no falar e no agir dele, o Reino se torna visível, se pode encontrar, já está acontecendo. A “boa notícia” de Jesus não é simplesmente uma palavra nova, uma manchete, é uma pessoa – ele mesmo – que começa a fazer acontecer uma presença diferente, inédita, de Deus na história humana. A acolhida do Reino coincide, portanto, com a adesão à mensagem e à pessoa de Jesus. Por isso ele chama discípulos a segui-lo, não simplesmente a compreender e a gostar dos seus ensinamentos, mas os chama para estar com ele, vivendo assim, no dia a dia o evento do Reino de Deus. A “conversão” ao Evangelho do Reino pede uma mudança de vida, um deixar “redes e barcos”. Jesus chama aqueles primeiros a uma missão: serão enviados para ser “pescadores de homens” (Mc 1,17), não mais de peixes.

É sempre animador ver a resposta imediata de Simão, André, Tiago e João, os primeiros quatro. Foi fácil? Aparentemente sim, mas, de fato, os evangelhos não escondem as dúvidas, os mal-entendidos, os medos e a covardia dos apóstolos sobretudo na hora da cruz: “Então, abandonando-o, todos fugiram” (Mc 14,50). Seguir Jesus, aceitar entrar na dinâmica do Reino não é nada fácil. No entanto, não é para desanimar, ao contrário, saber que um caminho é difícil e desafiador deve nos estimular à resistência, à perseverança, à fidelidade. Não estamos sozinhos nesta empreitada, estamos com Jesus, com o Espírito Santo, com a Comunidade dos fiéis, com os santos e as santas, os mártires, todos aqueles que nos precederam no seguimento do Senhor. Precisamos lembrar de tudo isso para não desistir e desanimar com as quedas e as derrotas.

Nunca Jesus disse que ser amigos dele seria fácil. Falou de perseguições e cruzes. Além disso ele nos ensinou, através das parábolas, que o Reino cresce aos poucos e muitas vezes precisa procurar bem para chegar a encontrá-lo. Igualmente Jesus disse que o Reino é oferecido a todos, mas nem todos o acolhem. Por isso, às vezes, temos a impressão de sermos muitos, outras vezes devemos reconhecer que somos bem poucos. Se para seguir Jesus, esperamos que “todos” o façam, não sabemos quando e como isso  acontecerá. Perderíamos a chance de decidir com a nossa liberdade, vontade e  responsabilidade. E o amor, entra nisso também? Nós cristãos temos medo, como todos os seres humanos, de errar, de ser enganados, de não ser felizes por causa das nossas escolhas. Não é fácil arriscar. “Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos, mas, por tua palavra, lançarei as redes” (Lc 5,5), disse certa vez Simão Pedro a Jesus e a pesca foi extraordinária. Todo dia, todos nós tomamos decisões, falamos muito, somos fascinados e nos encantamos por coisas e pessoas. Por que tanto medo de nos envolver com Jesus, com o Reino de Deus, a justiça, a verdade, o amor e a paz? Não é fácil escolher o bem. Mas por que tanta desconfiança? Jesus continua a nos chamar. Vamos responder?

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...