O NOVO MISSAL

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

Com o Primeiro Domingo de Advento iniciamos o novo Ano Litúrgico. No Brasil, a partir deste domingo iniciaremos a usar, em nossa missas, o novo “Missal”. Para quem não sabe este é o nome que damos àquele “livro” grande do qual o padre que celebra a missa tira as palavras que pronuncia proclamando algumas e falando em voz baixa outras. Diferente é o livro do qual são lidas as leituras da Palavra de Deus, este é chamado de “Lecionário”. Todo padre deve seguir o que está escrito no Missal, não por mera obrigação, mas porque ele não está celebrando um ritual fruto de sua própria criatividade. Ele está dizendo palavras que, apesar de ser traduzidas e adaptadas para as diversas línguas do mundo inteiro, são as mesmas para todos os cristãos representando assim a mais firme unidade e a mais sólida comunhão. De fato tudo começou com uma edição do Missal, chamada “típica” (escrita em latim!), ou seja, de referência para todos, depois coube a cada Conferência Episcopal a tradução e a escolha daquelas partes que serão próprias daquele pais. Por exemplo, depois dos Santos e Santas que são venerados no mundo inteiro, têm Santos e Santas propriamente brasileiros, que são conhecidos somente por aqui. Outra questão são certas expressões da linguagem que assumem sentidos diferentes também se os países falam e usam a mesma língua. Toda língua viva, ou seja falada por um povo, vai se modificando e se torna necessário introduzir palavras novas, justamente porque as mais antigas caíram em desuso e não expressam mais como deveriam o seu rico sentido. No entanto, o que é fundamental para a celebração permanece igual para todos em qualquer lugar. Poderíamos dizer que o novo Missal é mais uma atualização necessária da nossa maneira de rezar para que continuemos a vivenciar com participação ativa e alegre as nossas celebrações litúrgicas e assim sermos confirmados em nossa fé, conforme o antigo ditado: “Lex orandi, lex credendi”, o que rezamos é o mesmo que acreditamos. Rezar diferente, poderia parecer que cremos também diferente!

Quis explicar um pouco tudo isso porque ouviremos muitos católicos dizer que  “agora a Missa mudou”. Nada disso. As novas formulas de oração e de respostas foram introduzidas para ajudar a rezar melhor e, esperamos, entender melhor o que estamos dizendo e fazendo. Com certeza serão estas novas palavras a chamar a nossa atenção e precisaremos de um tempo para nos adaptar. A Liturgia católica, porém, não é feita só de palavras, ela é um conjunto de muitas outras formas de participação do povo fiel que nunca deve ser um mero expectador de uma representação ou encenação feita pelo presidente da celebração mais alguns ministros e cantores em destaque. Papa Francisco no n.42 de sua Carta Apostólica sobre a Liturgia “Desiderio desideravi” apresenta um breve elenco destes “elementos que são exatamente o oposto de abstrações espirituais: pão, vinho, óleo, água, perfume, fogo, cinzas, pedra, tecido, cores, corpo, palavras, sons, silêncios, gestos, espaços, movimento, ação, ordem, tempo, luz”.

Talvez alguns se perguntem se vai ter espaço para a criatividade das pessoas ou dos diversos grupos. Vai ter sim, porque alguns momentos, gestos e palavras são deixados sob a responsabilidade do presidente da celebração. No entanto, a Missa não pode ser pensada como algo a ser construído “a gosto do freguês” porque o que estamos celebrando não é propriedade nossa, é de toda a Igreja, dela a recebemos e em comunhão com ela a realizamos. Por reservada que seja, nenhuma Missa é “particular” ou privativa, ela é sempre o memorial da Páscoa de Jesus Cristo, o evento daquela salvação que é oferecida e alcança a todos. Limitar a própria criatividade não quer dizer celebrar as Missas de forma mecânica, fria e impessoal. Significa acolher com confiança aquilo que nos é proposto no Missal dando ênfase às expressões que lá estão, preparadas por quem, com certeza, fez isso para nos ajudar a rezar melhor. Espero que o uso atencioso do novo Missal seja uma excelente oportunidade para todos, para redescobrir e valorizar mais a beleza e a alegria das nossas celebrações litúrgicas. Porque junta vai sempre a nossa fé.

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...