O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

Uma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: – Me pegue! A mulher alongou o braço na fonte para pegar o fruto bonito, mas ele sumiu imediatamente. O fruto apareceu novamente quando a mulher retirou o braço da água. Fez isso duas ou três vezes. Pensou que fosse alguma bruxaria mas, querendo mesmo pegar o fruto, começou a esvaziar a fonte. Trabalhou muito. Quando secou a fonte, o fruto não estava lá. Foi naquele momento que teve a certeza de escutar uma voz que dizia: – Por que procuras em baixo? O fruto está no alto! A mulher levantou os olhos e viu o fruto colorido que procurava pendurado num galho. O que aparecia na fonte era somente o reflexo dele.

Nesta Quaresma, a partir do Terceiro Domingo, encontraremos trechos do evangelho de João. Todos os quatro evangelhos, com pequenas diferenças, apresentam aquela que é conhecida como a “expulsão dos vendilhões do Templo”. Mateus, Marcos e Lucas colocam este acontecimento depois da entrada de Jesus em Jerusalém. Rapidamente se intensifica a perseguição contra ele até chegar à condenação e à morte na cruz. O evangelista João faz diferente, coloca esta ida para o Templo ainda no início do seu evangelho, logo após do “primeiro sinal” da água transformada em vinho nas bodas de Caná da Galileia (Jo 2,11). Isto significa que as atitudes e as palavras de Jesus nestes momentos tem um valor indicativo para começar a entender as disputas, as revelações, os “mal-entendidos” e os “sinais” que virão em seguida. Os discípulos interpretaram a ação de Jesus como consequência do seu “zelo”. Não foi, portanto, uma explosão de raiva momentânea, mas uma ação de denúncia contra aqueles que, para fazer os próprios interesses, aproveitavam do grande movimento de peregrinos e devotos, que cumpriam as suas obrigações com o Templo,. De fato o Templo era o centro vital de Jerusalém, não somente para os cultos e as orações, mas por toda a movimentação humana e financeira que gerava. Tendo certeza do pagamento dos impostos, tudo isso era  tolerado pelos romanos que também tinham os seus interesses nos negócios do Templo. Até aqui nada de muito novo: grandes templos, grandes negócios. Também nos dias de hoje. Temos que nos perguntar se ganha mais a fé dos fieis ou o bolso dos organizadores. Os judeus, evidentemente, reclamaram da atitude de Jesus e pediram explicação. Um “sinal”, algo que justificasse o acontecido tão desagradável para eles. Aqui chegamos ao ponto central do evangelho deste domingo: uma profecia da ressurreição. É um dos tantos equívocos que pedem explicação no evangelho de João. Jesus falava do templo, mas não aquele de pedra onde eles estavam, falava do “templo” do seu corpo ressuscitado três dias após a morte na cruz. Algo impensável e incompreensível para todos naquele momento, mas uma verdade que se tornará clara para os discípulos depois da ressurreição de Jesus, quando se lembrariam daquelas palavras.

Sem a luz da fé, nenhum sinal, por extraordinário que seja, nos conduz à confiança em Deus e ao seguimento de Jesus. Com fé, “sinais” pequenos e simples, que não dizem nada aos outros, podem ser decisivos para quem acredita. Pode ser um pequeno gesto de bondade e de partilha com um irmão necessitado, um ato de solidariedade com quem perdeu tudo, um abraço para quem chora sozinho. Toda ação que nos proporciona a alegria pelo bem que fazemos com humildade é um pequeno sinal que algo está mudando em nós, começa a aparecer o “homem novo”, o homem da Páscoa, livre da indiferença e do egoísmo. Às vezes nós também somos tentados de pedir e de acreditar em grandes sinais. Devemos sempre olhar para o alto, ou seja para a grandeza e a bondade de Deus que Jesus veio nos fazer conhecer. Nem sempre grandes construções ou grandes eventos ajudam a aumentar a nossa fé. Rezamos para que eles sejam ao menos “reflexos” não do nosso orgulho ou sonhos de superioridade, mas sinais de uma fé “grande” de verdade.

Artigos Anteriores

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.