DEUS É AMOR, E QUEM AMA PERMANECE EM DEUS

por Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém

Muitos conhecem ou já ouviram falar do Caminho de Santiago. Outros já percorreram tal caminho, pelos vários roteiros propostos. Certamente o interesse religioso, místico ou turístico conduz muitos passos nesta estrada. Entretanto, sabemos que a origem é estritamente religiosa, cristã e católica. E os resultados espirituais e de conversão são manifestos na vida de tantas pessoas. São muitos os símbolos usados pelos peregrinos, como São João Paulo II, que percorreu alguns passos com o bastão, a concha e a cabaça, recordando o sentido espiritual da peregrinação, também para convidar as pessoas de nosso tempo a expressar, nas muitas peregrinações possíveis, o caminho da santidade, que o Senhor nos propõe. Nós mesmos, ao viver a magnífica experiência do Círio de Nazaré, tornamo-nos peregrinos e romeiros, fazendo de nossas avenidas e ruas sinais do caminho de fé a que somos chamados. Com toda certeza, os passos dados nas tantas procissões, ou o caminho sofrido e repleto de frutos, percorrido pelos promesseiros, os pedaços da corda do Círio levados para casa, a água benta do final da caminhada, tudo isso pode, se nos deixarmos envolver, ser sinais de nossa abertura para Deus e sua Palavra de Vida e Salvação, conduzidos por Nossa Senhora de Nazaré e envolvidos por seu manto, na certeza de que Maria passa na frente.

É assim que desejamos viver com a Igreja a Solenidade de todos os Santos, envolvidos pela imensa nuvem de testemunhas fiéis, homens e mulheres de todas as idades e categorias sociais ou estados de vida, cujo exemplo e intercessão nos acompanham na estrada da santidade. Peregrinos são os que caminham em Deus e para Deus. Nosso roteiro de peregrinos tem como referência os ensinamentos de São João Paulo II sobre a santidade, de quem recolhemos verdadeiras pérolas (Cf. Novo millenio ineunte 30-40).

São João Paulo II introduz o assunto dizendo que o horizonte da santidade deve iluminar toda a ação da Igreja. Isso significa exprimir a convicção de que, se o Batismo é um verdadeiro ingresso na santidade de Deus através da inserção em Cristo e da habitação do seu Espírito, seria um contrassenso contentar-se com uma vida medíocre, pautada por uma religiosidade superficial. Perguntar a um catecúmeno: “Queres receber o Batismo?” significa pedir-lhe: “Queres fazer-te santo?”. Nossa primeira proposta é assumir como próprio o ideal da santidade e da perfeição, sem nivelar nossa vida pelo rodapé da existência. Tenhamos força para repetir que desejamos caminhar para frente e para o alto! Acolhamos a palavra de um santo de nosso tempo: “É hora de propor de novo a todos, com convicção, esta medida alta da vida cristã ordinária”.

Para tanto, é essencial assumir uma expressão forte e provocante, o ódio ao pecado! É nosso dever reconhecer-nos pecadores, ser misericordiosos uns com os outros, mas rejeitar o acomodamento ao pecado. Alguém pode até usar uma expressão popular: “Não criar cobra dentro de casa”, no sentido de ser radicais, buscando ser melhores a cada dia, vencendo inclusive as pequenas falhas. E para ajudar-nos, vejamos o que propõe São João Paulo II: “Fazer todo o esforço para superar a crise do sentido do pecado, que se verifica na cultura contemporânea e, mais ainda, voltar descobrir Cristo como Mistério de piedade, no qual Deus nos mostra o seu coração compassivo e nos reconcilia plenamente consigo. Tal é o rosto de Cristo que importa fazer redescobrir também através do sacramento da Penitência, que constitui, para um cristão, a via ordinária para obter o perdão e a remissão dos seus pecados graves cometidos depois do Batismo” (Cf. Novo millenio ineunte 37).

Depois, para percorrer o caminho da santidade, aprender a arte da oração. Na oração desenrola-se um diálogo com Jesus, que faz de nós seus amigos íntimos. “Obra do Espírito Santo em nós, a oração abre-nos, por Cristo e em Cristo, à contemplação do rosto do Pai. Aprender esta lógica trinitária da oração cristã, vivendo-a plenamente sobretudo na liturgia, meta e fonte da vida eclesial, mas também na experiência pessoal, é o segredo dum cristianismo verdadeiramente vital, sem motivos para temer o futuro porque volta continuamente às fontes e aí se regenera. Uma oração intensa, mas sem afastar do compromisso na história: ao abrir o coração ao amor de Deus, aquela o abre também ao amor dos irmãos, tornando-nos capazes de construir a história segundo o desígnio de Deus”. (Novo Millenio ineunte 32-33).

E a principal e mais completa oração da Igreja é a Eucaristia, celebrada do nascer ao pôr-do-sol, até a vinda do Senhor. João Paulo II insistiu que “celebrando precisamente a sua Páscoa não só uma vez por ano, mas todos os domingos, a Igreja continuará a indicar a cada geração o eixo fundamental da história, ao qual fazem referência o mistério das origens e o do destino do mundo. A participação na Eucaristia seja verdadeiramente, para cada batizado, o coração do domingo, um compromisso irrenunciável, abraçado como necessidade para uma vida cristã verdadeiramente consciente e coerente. Ao congregar-nos como família de Deus à volta da mesa da Palavra e do Pão de vida, a Eucaristia dominical é o antídoto mais natural contra o isolamento, o lugar privilegiado, onde a comunhão é constantemente anunciada e fomentada. Através da participação eucarística, o dia do Senhor torna-se também o dia da Igreja, a qual poderá assim desempenhar de modo eficaz a sua missão de sacramento de unidade (Cf. Novo Millenio ineunte 36).

A busca da perfeição da vida cristã, vencendo o pecado, exercitando intensa vida de oração, adequada a cada estado de vida dos cristãos, com o ideal da santidade presente no horizonte e a prática das virtudes, poderá acontecer se houver um vigoroso anúncio e uma renovada escuta da Palavra de Deus (Cf. Novo Millenio ineunte 39-40). É necessário que a escuta da Palavra se torne um encontro vital, segundo a antiga e sempre válida tradição da leitura orante da Palavra de Deus (“Lectio divina”), que permite ler o texto bíblico como palavra viva que interpela, orienta, plasma a existência.

Enfim, reportando-nos ainda a São João Paulo II, nosso tempo é rico de testemunhas, que sabem, ora dum modo ora de outro, viver o Evangelho em situações de hostilidade e perseguição até darem muitas vezes a prova suprema do sangue. Neles, a palavra de Deus, semeada em terra boa, produz o cêntuplo. Com o seu exemplo, indicam-nos e de certo modo aplainam para nós a estrada do futuro. A nós, resta-nos apenas seguir, com a graça de Deus, as suas pegadas (Cf. Novo Millenio Ineunte 40). No dia de todos os Santos, abra-se diante de nós o magnífico leque de exemplos e sinais, para que sigamos seus passos!

Artigos Anteriores

DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO!

por Dom Alberto Taveira Correa Arcebispo Metropolitano de Belém A Solenidade do Sagrado Coração de Jesus - Dia de Oração pela Santificação dos Sacerdotes - é celebrada após a Solenidade do Corpus Christi, visto que a Eucaristia - Corpus Christi, é o próprio Coração...

PARTICIPAR DA EUCARISTIA

  por Dom Alberto Taveira Correa Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Jesus instituiu a Eucaristia, entregando à Igreja a responsabilidade de celebrá-la em memorial de sua paixão, morte e ressurreição, até que ele venha. E nós sabemos que do nascer ao...

O ANÚNCIO DO EVANGELHO NO TEMPO DO ESPÍRITO

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémA Igreja celebra a Solenidade da Ascensão de Jesus, na solene e intensa expectativa do Pentecostes, o derramamento do Dom do Espírito Santo. Este foi dado como penhor e garantia definitiva de que todo...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

PEREGRINOS DA ESPERANÇA, CONDUZIDOS PELO BOM PASTOR

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémA Igreja celebra a cada ano, iluminada pelo facho de luz da Ressurreição do Senhor, a Festa do “Bom Pastor”, olhando para aquele dá a vida pelo seu povo, tantas vezes chamado carinhosamente de rebanho, para...

DA DÚVIDA À MISSÃO

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémDurante o tempo pascal, a sabedoria da Igreja nos propõe o aprofundamento da fé professada e renovada na Vigília Pascal, com a luz do Evangelho, as experiências de fé e vida relatadas nos Atos dos Apóstolos...

BENDITO O QUE VEM EM NOME DO SENHOR!

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémRessoa pelos séculos afora o clamor alegre, nascido da boca dos pequeninos, que contagiou a população de Jerusalém, à entrada de Jesus em sua cidade: “Bendito o que vem em nome do Senhor!” De fato,...

DEUS, RICO EM MISERICÓRDIA

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémQuem se abre à misericórdia sente muito mais vergonha dos erros cometidos do que o natural acanhamento de abrir o coração ao Confessor, o Sacerdote que recebeu a missão de espalhar misericórdia, no Tribunal...

EDIFICAR O TEMPO EM TRÊS DIAS?

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de BelémNas voltas que o mundo dá, sucedem-se crises de todo tipo. As pessoas conhecem ciclos diversos, mudanças condicionadas pela idade, situação social, opções feitas no correr da vida. A sociedade conhece...

UM DIA PARA OS ENFERMOS?

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de Belém“Vinde, benditos de meu Pai! Recebei em herança o Reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo! Pois eu estava com fome, e me destes de comer; estava com sede, e me destes de beber; eu era...

PARA FRENTE E PARA O ALTO

por Dom Alberto Taveira CorrêaArcebispo Metropolitano de Belém    O Plano Arquidiocesano de Pastoral de nossa Igreja de Belém abriu vários horizontes para nossa ação evangelizadora, e um deles é a nossa realidade amazônica (Cf. Apresentação do Plano...

VENHAM E VEJAM

Artigo Semanal de Dom Alberto Taveira Corrêa, Arcebispo Metropolitano de Belém.

DEUS É AMOR, E QUEM AMA PERMANECE EM DEUS

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém Somos convidados a acolher com plena disposição a palavra de Deus! A primeira Carta de São João nos provoca: "Nós, que cremos, reconhecemos o amor que Deus tem para conosco. Deus é amor. E ele amou primeiro...

O TEMPO DE DEUS E O TEMPO HUMANO

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém O tempo humano, no correr dos anos, é interpretado a partir de visões diferentes. Discussões de caráter filosófico se multiplicam e oferecem leituras dos acontecimentos. Alguns são entendidos como fatídicos,...

CONVIVER COM AS DIFERÊNCAS

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém "A Igreja de Belém toma a peito o dever da evangelização em todos os ambientes, nas cidades, em suas áreas paroquiais, áreas missionárias e periferias existenciais. "Não pode haver verdadeira evangelização...

O CHAMADO

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém No coração do mês vocacional está a figura da Virgem Maria. Chamada por Deus ainda em sua adolescência, dada em casamento a José, num relacionamento todo original, discípula de seu próprio filho, entregue aos...

MOSTRA-NOS O PAI, E ISSO NOS BASTA

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém O pedido de Filipe, um dos Apóstolos de Jesus, como alguns chamam de "santa ingenuidade", tornou-se oportunidade privilegiada da revelação da face do Pai, vista em Jesus, com quem os discípulos de todos os...

O SEMEADOR SAIU PARA SEMEAR

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo Metropolitano de Belém Há poucos dias tomou posse como Bispo de Cametá Dom Ivanildo Oliveira Almeida. Seu lema episcopal é "Eis que o semeador saiu a semear" (Ecce exiit qui seminat seminare). É a Igreja que cresce, e nossa...