ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e pagou com a vida a sua não-colaboração com o regime que tinha ocupado a pátria dele, a Áustria. Franz era casado com Franziska e tinha três filhas com ela. Desde o começo ele compreendeu quanto a humanidade fosse ameaçada pelo totalitarismo. Com coragem, decidiu não ter nada a ver com o regime. Por isso votou contra a anexação da Áustria ao Reich, não aceitou o cargo de prefeito da sua cidade, rejeitou todas as contribuições para a sua família e se recusou a fazer parte do exercito nazista. O sacerdote que o acompanhou Franz ao suplício assim comentou a morte dele: “Ele viveu como um santo e morreu como um herói. Tenho certeza que este homem simples é o único santo que tenha encontrado na minha vida”.

Neste primeiro domingo de novembro celebramos a solenidade de Todos os Santos. Mais uma vez somos convidados a assumir com mais coragem e determinação a nossa “vocação”. Todos nós, batizados, somos chamados à santidade ou seja a buscar sempre uma prática melhor da nossa vida cristã. Por isso, é muito bom que a Igreja nos aponte homens, mulheres, jovens e crianças como modelos de santos e santas, nas mais diversas situações da vida. Tudo para nos dizer claramente que o anseio de santidade não deve ser entendido como algo extraordinário, reservados a poucos. O contrário da santidade é a mediocridade, ou seja, a desistência de antemão de acreditar mais nas força e na gratuidade do amor de Deus que nas nossas própria capacidades. Os santos e a santas que a Igreja nos apresenta foram também pecadores cheios de defeitos como todos, mas não ficaram só se lamentando das próprias fraquezas para se fechar numa tristeza improdutiva. De fato, mais ficamos pensando nas nossas dificuldades, mais deixamos de enxergar as situações de tantos irmãos e irmãs que de alguma forma pedem o nosso testemunho. Sem experimentar a solidariedade, a gratuidade, a fadiga de carregar os pesos uns dos outros, murchamos como cristãos. Apesar das nossas manifestações religiosas, deixaremos de entender quão grande foi o amor do Pai que enviou o seu Filho, o qual, por sua vez, assumiu a nossa condição humana até a morte, numa comunhão universal com todas as criaturas viventes.

Muitos santos e santas, também se hoje são famosos, nunca foram valorizados durante as suas vidas. Alguns foram desprezados, outros silenciados, outros suportaram a mais absoluta indiferença. Somente depois – e às vezes muito depois – as pessoas perceberam a coragem deles e delas, a “profecia” que o seu jeito e as suas escolhas representavam. Somente eles e elas encontraram no silêncio das suas consciências e na intimidade com o Senhor, a luz que o Divino Espírito Santo nunca deixa faltar a quem nele confia. Muitos, como o bem-aventurado Franz, perceberam os riscos que corriam, passaram pela amargura do abandono dos demais, foram considerados insanos ou loucos, mas não desistiram daquilo que a sua fé e a sua consciência lhes diziam. Quantos homens e mulheres ainda hoje, em tantos lugares diferentes, continuam sendo os pobres, os aflitos, os mansos, os que tem fome e sede de justiça, os misericordiosos, os puros de coração, os perseguidos por causa da justiça, os injuriados por causa do nome de Jesus. É deles o Reino dos Céus! Foram, e são, eles e elas que não deixaram, e não deixam, morrer a esperança de uma humanidade melhor. A Igreja nos convida a lembrar Todos os Santos e Santas, não para aplaudi-los simplesmente, mas para reavivar em todos nós o desejo de seguir os seus exemplos. Nenhum deles e delas procurou a fama e o sucesso. Sabiam, como nós sabemos, que o único prémio para o qual vale a pena amar e dar a vida é o próprio Senhor que guarda os tesouros de bondade acumulados quase sempre no silêncio, no escondimento e até na ingratidão. Nunca é tarde para trilhar o caminho da santidade.

Artigos Anteriores

MAS ELES NÃO FALHARÃO

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEis uma estória totalmente imaginária. Quando Jesus ressuscitado chegou ao céu houve uma grande festa marcada por cantos e muita alegria. Finalmente, os anjos tiveram a oportunidade de falar com Jesus. Um deles...

AS MÃOS QUE ORAM

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEsta é a história de um quadro famoso de Albrech Duerer. No fim do século XV dois amigos desejavam ardentemente tornar-se pintores. Precisavam estudar, mas ambos eram muito pobres. Por isso decidiram que um ficaria...

PARA QUE A VIDA SEJA PRECIOSA

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de Macapá“Eu observava... o modo como meu pai olhava um passarinho deitado de lado à margem da calçada perto da nossa casa. – Está morto, pai? Eu tinha seis anos e não sentia a coragem de olhá-lo. – Por que morreu? – Tudo o que...

OS NOMES DE DEUS

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáConta-se que os monges do Tibet, nas montanhas da Ásia, procuravam desde séculos reunir em um grosso código todos os nomes com que os homens, pelo mundo inteiro, tivessem designado Deus. Tratava-se de aproximadamente...

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

 Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá