FOLHAS E FRUTOS

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

Disse um velho sábio: “Quem tem palavras, mas não tem obras, é como uma arvore que tem folhas, mas não tem frutos. Contudo, como uma arvore com frutos tem muitas folhas, assim aquele que cumpre boas obras tem também palavras boas”.

No 33º Domingo do Tempo Comum continuamos a leitura do capítulo 25 do evangelho de Mateus e encontramos a parábola dos talentos, uma das mais conhecidas e comentadas. Lendo-a somos tentados de identificar cada personagem com alguém e os próprios talentos com qualidades e aptidões que muitas vezes reconhecemos em nós e nas outras pessoas. Podemos fazer isso e até imaginar que Jesus esteja nos convidando à multiplicar os talentos com uma visão interesseira de negócios lucrativos. Afinal este patrão-Senhor chama de bons e fiéis os servos que dobraram o patrimônio recebido. Todas as parábolas correm estes riscos: ser lidas com o nosso olhar atual, preocupados em manter os nossos pontos de vista. Sem dúvida, a parábola é uma exortação à laboriosidade e não à preguiça e à acomodação. Contudo, a questão que deve chamar mais a nossa atenção é o relacionamento entre o patrão-Senhor e os servos e como eles o reconhecem de maneira tão diferente. O “homem” que vai viajar entrega os seus bens aos empregados e desta forma manifesta uma extrema confiança neles. Distribui os seus bens “de acordo com a capacidade” de cada um (capacidade, não merecimentos) e não lhes dá nenhuma indicação sobre como devam usar aqueles bens. Por isso é bastante evidente que os três empregados agem livremente mas, ao mesmo tempo, conforme o que pensam do patrão. Os primeiros dois entendem que foram agraciados com aqueles talentos e se sentem na obrigação de multiplica-los reconhecendo assim o valor do dom recebido com total gratuidade e confiança pelo patrão. Quando este Senhor volta, eles apresentam o resultado do seu trabalho com a mesma atitude de generosidade, não pretendem e nem reclamam recompensa. É o próprio patrão-Senhor que os elogia e diz que foram fiéis “na administração de tão pouco”, merecem mais confiança ainda. A relação de gratuidade e colaboração entre eles e o patrão continua na participação da alegria daquele Senhor.

Bem diferente é o pensamento do terceiro empregado que é de medo do patrão. Para ele este Senhor é “um homem severo” que colhe onde não plantou e ceifa onde não semeou (Mt 25,24-25). Este último empregado não acolheu o talento como um dom, nem pensou na confiança do patrão que queria tê-lo, de fato, como parceiro na plantação e na colheita. Simplesmente ele não fez nada e pensou que o patrão, por sua vez, recebendo o talento inteiro de volta, não podia lhe cobrar mais nada. Assim, este servo “mau e preguiçoso” e ainda “inútil”, não participará da alegria do seu Senhor porque, afinal não o reconheceu como alguém que lhe dava a maior confiança e a maior liberdade para corresponder com criatividade àquela imerecida gratuidade.

Não preciso juntar mais explicações. Talvez a parábola dos talentos seja afinal a parábola da nossa vida, de tudo aquilo que somos e temos e que recebemos da bondade de Deus. De maneira especial, como cristãos, quanto e quantas vezes continuamos a pedir a Deus mais coisas, mais bens, mais solução de problemas que nós criamos, como se nunca tivéssemos recebido nada, como se Deus nunca nos tivesse entregue a vida e o planeta no qual passamos os poucos dias da nossa existência. Quantos talentos desperdiçamos, usamos de forma egoísta e interesseira ou deixamos enterrados por não querer entender a única “cobrança” que o Deus-Pai que Jesus nos fez conhecer nos solicita. Justamente aquela de usar de tantos bens recebidos com tanta variedade, bens materiais e espirituais, para multiplicar a bondade, a solidariedade, a partilha e assim  convocar todas as pessoas a participar da alegria deste Senhor que nos quer todos irmãos porque todos somos seus filhos amados. Menos palavras inúteis e mais ações então.  Ou mais palavras boas que sirvam para entender, amar e agradecer o único Pai de todos.

Artigos Anteriores

ERA SUCO

  por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá Talvez lembramos o caso da mosca que caiu no copo de leite e que, de tanto se mexer, conseguiu engrossá-lo e assim sair daquela perigosa situação. Novamente aquela mosca caiu num copo cheio de liquido. Tinha...

TEORIA E POLÍTICA

  por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um famoso palestrante ganhava a vida como especialista em educação. O auditório lotava para ouvir suas orientações. Título da palestra: “Os dez mandamentos para educar os filhos”. Tinha resposta para tudo. Era...

A FONTE

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáDurante as férias, uma família, que morava numa grande cidade, foi passear num bosque. Todos admiravam a altura das arvores, o perfume e a variedade das flores. Depois de uma boa caminhada encontraram uma fonte que...

MAS ELES NÃO FALHARÃO

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEis uma estória totalmente imaginária. Quando Jesus ressuscitado chegou ao céu houve uma grande festa marcada por cantos e muita alegria. Finalmente, os anjos tiveram a oportunidade de falar com Jesus. Um deles...

AS MÃOS QUE ORAM

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEsta é a história de um quadro famoso de Albrech Duerer. No fim do século XV dois amigos desejavam ardentemente tornar-se pintores. Precisavam estudar, mas ambos eram muito pobres. Por isso decidiram que um ficaria...

PARA QUE A VIDA SEJA PRECIOSA

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de Macapá“Eu observava... o modo como meu pai olhava um passarinho deitado de lado à margem da calçada perto da nossa casa. – Está morto, pai? Eu tinha seis anos e não sentia a coragem de olhá-lo. – Por que morreu? – Tudo o que...

OS NOMES DE DEUS

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáConta-se que os monges do Tibet, nas montanhas da Ásia, procuravam desde séculos reunir em um grosso código todos os nomes com que os homens, pelo mundo inteiro, tivessem designado Deus. Tratava-se de aproximadamente...

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá