VII JORNADA MUNDIAL DOS POBRES: «Nunca afastes de algum pobre o teu olhar» (Tb 4,7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Neste ano 2023, a Igreja celebra a VII Jornada Mundial dos Pobres. É sempre uma ocasião oportuna para a nossa reflexão sobre a dignidade humana e a promoção da cultura da solidariedade. Cada ano o Papa Francisco nos apresenta um tema para ser aprofundado trazendo em sua mensagem muitas inspirações e estímulos para a ação concreta em nossas comunidades, paróquias e instituições nos mais variados contextos pastorais e institucionais. O tema deste ano nos convida a refletir sobre o mal da indiferença. Recordemos, sinteticamente, as ideias principais desta mensagem.

  1. A celebração do Dia Mundial dos Pobres é sinal fecundo da misericórdia do Pai na vida das comunidades que progressivamente está se radiando na vida pastoral da Igreja, fazendo-a descobrir cada vez mais o conteúdo central do Evangelho. O compromisso de acolhimento dos pobres é o ponto de partida. A recomendação de Tobite a seu filho Tobias “Nunca afastes de algum pobre o teu olhar» (Tb 4,7) serve também para a Igreja.
  2. Essa frase está dentro de um contexto familiar. O velho Tobite, sabendo que seu filho empreenderia uma longa viagem, temendo não mais vê-lo, deixa-lhe o seu «testamento espiritual». Essas palavras são confirmadas pelo testemunho de fé, sensibilidade e bondade de Tobite. Tobias é convidado, não só a não ser indiferente, mas também a praticar boas obras, promover a justiça, dar esmolas conforme suas posses, evitar todos os dias os caminhos da injustiça (cf. Tb 4,5-7).
  3. O Papa Francisco nos convida a alimentar a nossa vida espiritual para que sejamos sensíveis e capazes de promover a justiça com gestos concretos. Na base de tudo está a importância da família que educa e testemunha a solidariedade. Pais sensíveis e solidários educam seus filhos para a compaixão. A fonte da força da coragem, perseverança e sensibilidade para com o próximo, por parte de Tobite, estava na sua fidelidade à Lei de Deus. A Palavra de Deus nos educa a “ir ao encontro de todo o pobre e de todo o tipo de pobreza, sacudindo de nós mesmos a indiferença e a naturalidade com que defendemos um bem-estar ilusório”.
  4. “Vivemos um momento histórico que não favorece a atenção aos mais pobres”. Hoje, imersos no meio de um mundo com tanta dispersão e barulho, somos tentados a não ouvir e nem perceber os clamores dos pobres e das muitas formas de pobreza.  “A realidade virtual sobrepõe-se à vida real”; a pressa, companheira diária da vida, impede de parar, socorrer e cuidar do outro. Assim, acabamos por delegar a outros a tarefa da solidariedade; mas “oferecer dinheiro para que outros pratiquem a caridade é um gesto generoso; envolver-se pessoalmente é a vocação de todo o cristão”.
  5. Todavia, demos graças a Deus, porque há tantos homens e mulheres que vivem a dedicação aos pobres e excluídos e partilha com eles; pessoas de todas as idades e condições sociais que praticam a hospitalidade e se empenham junto daqueles que se encontram em situações de marginalização e sofrimento. São pessoas simples, sensíveis aos mais pobres, mas capazes de acolher, escutar, dialogar, compreender, aconselhar estimulando processos de mudança.
  6. Neste ano celebramos os 60º anos da Encíclica Pacem in terris, é urgente retomar as palavras do Santo Papa João XXIII quando escrevia: «O ser humano tem direito à existência, à integridade física, aos recursos correspondentes a um digno padrão de vida: tais são especialmente a nutrição, o vestuário, a moradia, o repouso, a assistência sanitária, os serviços sociais indispensáveis; a pessoa tem também o direito de ser amparada em caso de doença, de invalidez, de viuvez, de velhice, de desemprego forçado, e em qualquer outro caso de privação dos meios de sustento por circunstâncias independentes da sua vontade» (PT, 11).
  7. Constatamos, infelizmente, ainda hoje muitas formas de pobreza. Por exemplo, as populações que vivem em cenários de guerra, as crianças privadas dum presente sereno e dum futuro digno, a desordem ética no mundo do trabalho.
  8. Outros males, atingem o mundo juvenil. “Quantas vidas frustradas e até suicídios de jovens, iludidos por uma cultura que os leva a sentirem-se «inacabados» e «falidos». Ajudemo-los a reagir… É fácil cair na retórica estatística quando se fala dos pobres; mas os pobres são pessoas, têm rosto, uma história, coração e alma. “São irmãos e irmãs com os seus valores e defeitos, como todos, e é importante estabelecer uma relação pessoal com cada um deles. O Livro de Tobias ensina-nos a ser concretos no nosso agir com e pelos pobres”.
  9. “Que a nossa solicitude pelos pobres seja sempre marcada pelo realismo evangélico”. Para isso é preciso: coração aberto, atenção às necessidades concretas do outro, “discernimento, sob a guia do Espírito Santo, para distinguir as verdadeiras exigências dos irmãos do que constitui as nossas aspirações”. «Somos chamados a descobrir Cristo neles” (Evangelii Gaudium, 198).
  10. Este ano completam-se 150 anos do nascimento de Santa Teresa do Menino Jesus. Numa página da sua “História de uma alma”, deixou escrito: «Compreendo agora que a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros, em não se escandalizar com as suas fraquezas, em edificar-se com os mais pequenos atos de virtude que se lhes vir praticar; mas compreendi, sobretudo, que a caridade não deve ficar encerrada no fundo do coração” (Manuscrito C, 12rº: História de uma alma, Avessadas 2005, 255-256). Nesta casa comum, o mundo, todos têm direito de serem iluminados pela caridade, ninguém pode ser privado dela.

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Como você percebe a “cultura da indiferença” em nossa sociedade?
  2. Qual é a importância da família para a promoção da cultura da solidariedade?
  3. Por que tantas vezes, nos desculpamos de fazer algo pelos mais pobres, apelando para nossa falta de dinheiro? E por que muitos pobres se dedicam ao voluntariado?

Artigos Anteriores

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

ENCONTRO DE GERAÇÕES: III DIA MUNDIAL DOS AVÓS E DOS IDOSOS

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução O IV Domingo de julho foi instituído pelo papa Francisco como o Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, motivado pela celebração do dia de Sant’Ana e São Joaquim, os avós de Jesus, no dia...

RENOVAR A ESPERANÇA COM VISÃO DE FUTURO

Artigo Semanal de Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB, bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém