JMJ LISBOA 2023: “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1,39) (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

Nesta semana, de 26 a 31 de julho, acontecerá em 17 dioceses de Portugal os “Dias nas Dioceses” (DND) que consiste numa programação de acolhida de grupos de jovens do mundo inteiro nas Dioceses para uma experiência de conhecimento, integração e intercâmbio de vida eclesial. Em geral, os jovens são acolhidos por famílias, nas estruturas paroquiais e públicas em vista de proporcionar-lhes uma experiência profundamente afetiva e de envolvimento pastoral na realidade da Igreja anfitriã. Essa experiência sempre acontece na semana que precede a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

A JMJ não é somente um mega conjunto de eventos para jovens de todas as partes do mundo, mas também é uma oportunidade para que os visitantes possam conhecer mais profundamente a realidade sociocultural do povo do país anfitrião através da experiência de alguns dias de convivência em famílias e de eventos pastorais nas paróquias. Os jovens acolhidos nas famílias sempre contam maravilhosas experiências vividas e, daí nascem amizades que, em muitos casos, perduram no tempo.

O tema da JMJ de Lisboa é “Maria levantou-se e partiu apressadamente” (Lc 1,39). Há meses, com o envio da mensagem do Papa Francisco para a JMJ 2023, os jovens foram incentivados a lerem e a estudá-la no processo de preparação. Os jovens que vão preparados espiritualmente, tem a oportunidade de aproveitar com mais profundidade as atividades da JMJ. Considerando a importância desse tema para os jovens, apresento-lhe em dois textos alguns comentários dessa mensagem para a pastoral juvenil.

 

  1. “Maria levantou-se”

Os jovens cristãos católicos ou não que participam da JMJ, estão sendo convocados pelo Papa Francisco a despertar para a vida, a levantarem-se do comodismo e de muitos males e serem missionários de outros jovens. O ato de se levantar significa tomar uma decisão; Maria é uma jovem decidida.

Essa decisão estava dentro do contexto do seu discernimento vocacional, que colocando-se a serviço do Senhor, lhe exigiria disponibilidade para estar a serviço do Plano da Salvação da humanidade. A atitude de levantar-se é uma consequência da consciência de ser a “serva do Senhor”; o bom servo está sempre de prontidão, em alerta.

Aquele que se encarnou para salvar a humanidade, ainda no ventre de Maria, começa a sua missão indo ao encontro da frágil e pobre Isabel, através de Maria. Jesus Cristo, o missionário de Deus Pai, vai ao encontro dos mais pobres, tendo como “veículo condutor” o útero de Maria; todas as vezes que nós nos decidimos ir ao encontro dos mais pobres e necessitados, nos tornamos veículos portadores de Jesus para que os outros possam se encontrar com Ele; essa é a mais linda experiência missionária: levar Jesus aos outros através da nossa presença, da Palavra de Deus, da nossa alegria, Esperança, compreensão, reflexão, ajuda, do nosso conselho, carinho, serviço!

O verbo levantar-se tem muitos sentidos ao longo da Sagrada Escritura: levantar-se é muito mais do que pôr-se de pé; quer dizer também despertar para a vida, assumir uma missão, ressuscitar, reagir diante das dificuldades, mostrar as próprias convicções, tomar uma atitude de liderança, manifestar a própria coragem e enfrentar desafios.

 

  1. Maria é uma jovem protagonista

Levantar-se é assumir a própria subjetividade, ter uma postura pessoal, revelando-se sujeito da própria vida, da própria existência, da sua história! Quem não se levanta, está sentado ou deitado, quem não se levanta, padece, é espectador da realidade!

Para que uma pessoa possa levantar-se manifestando a própria subjetividade, precisa assumir seus recursos naturais, como a razão, a vontade, a liberdade, a consciência etc.; não usufruir desses recursos significa não dar sentido para a própria vida, é não ser dinâmico, é estar acomodado, doente, prostrado, no vício… A fonte do dinamismo de Maria que a provocou foi uma íntima e profunda experiência de Deus.

Olhando para Maria, os jovens de hoje são chamados a sair de toda e qualquer espécie de comodismo, de paralisia, anestesia, estacionamento existencial que não os deixa caminhar, tomar decisões, servir e viver com liberdade a própria vida! Por isso é tão necessária para eles a experiência da fé em Jesus Cristo.

A atitude de levantar-se de Maria, nos convida também a refleti-lo na dimensão social e eclesial; a sociedade é profundamente dinâmica porque a maioria dos cidadãos estão de pé; quem não está de pé, está à margem da sociedade; cada cidadão tem um papel importante na sociedade enquanto ser humano e cidadão; a mendicância contribui para o bem-estar da sociedade. Uma sociedade composta por indivíduos que estão sempre “deitados”, acomodados, à margem das responsabilidades, caminha para o fracasso ou para o seu subdesenvolvimento.

 

  1. A necessidade do testemunho de fé dos jovens

Na sociedade todos temos direitos e deveres, dessa forma cada um é chamado a dar a sua contribuição para a promoção da justiça e da Paz social. Uma sociedade que não tem sujeitos com espírito empreendedor, capazes de se levantarem e reagirem diante das dificuldades, dos problemas e desafios da realidade, não gozará de desenvolvimento e bem-estar. A irresponsabilidade, o egoísmo, a indiferença, o comodismo são males que contribuem profundamente para a pobreza e a miséria dos povos.

Na sociedade o bom cidadão e as instituições se levantam através da crítica, da ciência, de projetos sociais, de iniciativas inéditas etc. para transformar a história, dando respostas para os problemas humanos.

A Igreja é rica de dinamismo, porque é movida pelo Espírito Santo que tem como missão a promoção do Reino de Deus através do discípulo de Jesus Cristo. O Reino de Deus é ação conjunta do Espírito Santo e dos discípulos de Jesus Cristo. Por isso os cristãos não podem ficar parados; o próprio Jesus os animou a viverem de modo dinâmico, sendo “sal da terra e luz do mundo”. Sendo assim Jesus lhes disse: “brilhe a vossa Luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e deem Glória ao Pai que está nos céus” (Mt 5,16). Os jovens são portadores de muitas riquezas e são convocados a darem o testemunho da própria fé.

Os jovens discípulos de Jesus, são chamados a imitar o seu dinamismo de vida; ele estava sempre em pleno dinamismo promovendo o Reino de Deus: caminhando, visitando, acolhendo, curando as pessoas… Por isso certa vez, disse aos seus interlocutores: “o meu Pai trabalha sempre e por isso eu não posso parar” (Jo 5,17).

Para dar a certeza de que Ele era verdadeiramente o Messias esperado, mandou os discípulos de João Batista testemunhar aquilo que Ele estava fazendo: “Digam a ele que os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e os pobres recebem o evangelho” (Mt 11,5).

Para os jovens o “levantar-se na Igreja”, significa assumir a própria missão de batizados, de discípulos de Jesus Cristo, pedras vivas, promotores do Reino de Deus, estando e engajados em alguma forma de responsabilidade dentro da Igreja em pastorais, grupos, movimentos, serviços etc. Ninguém tem desculpa para estar na Igreja como mero consumidor, espectador da realidade, como puro assistente!

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. O que significa “levantar-se” para os jovens de hoje?
  2. O que leva os jovens, muitas vezes, a viverem prostrados, deitados, parados?
  3. Maria levantou-se e tomou um caminho. O que implica a decisão de levantar-se?

 

 

Artigos Anteriores

INVESTIR TEMPO, ENERGIA E RECURSOS NA PASTORAL JUVENIL

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém O parágrafo 119, do documento final do Sínodo dos bispos sobre os jovens, nos diz que a prioridade da pastoral juvenil é uma escolha que exige investimento de "tempo, energias e recursos"....

AMIZADE E ESPERANÇA (Final)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A experiência da Amizade nos proporciona dois níveis de esperança: o primeiro é aquele mundano, da nossa história, deste mundo no relacionamento com os outros; o outro é a Esperança da vida...

A AMIZADE ENTRE AS INSTITUIÇÕES (Parte 16)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A reflexão sobre amizade social entre as pessoas físicas e grupos, nos estimula a estendê-la ao nível das instituições. Quando o Papa Francisco lançou o Pacto Educativo Global foi...

AMIZADE E SEXUALIDADE (Parte 15)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Campanha da Fraternidade deste ano que tem como tema a amizade social, nos estimula a refleti-la em muitas direções e a aprofundá-la em várias dimensões. Uma delas é a relação entre...

AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáQual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas...

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...