NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os inimigos, pedir desculpa quando errou, ser honesto no trabalho, ajudar um necessitado, manter as promessas, enxergar o melhor nas ações dos outros”.

O trecho do evangelho de Marcos do 6º Domingo do Tempo Comum é uma página cheia de surpresas. Chama a nossa atenção a coragem do leproso de aproximar-se de Jesus e a certeza que tinha de ser curado. O homem que ficou bom não conseguiu silenciar sobre o acontecido. Em consequência disso, Jesus foi obrigado a ficar fora da cidade, “em lugares desertos”, mas o povo continuava a procurá-lo, vindo de toda parte.

No tempo de Jesus, os leprosos eram as pessoas mais excluídas de todas. Por causa da gravidade da doença e pelo fato de ser contagiosa, mas também porque, por ser tão vergonhosa, era considerada a maior punição de Deus para aquela pobre pessoa. Doenças e pobreza eram consideradas consequência de alguma falha grave com Deus, como, ao contrário, saúde e prosperidade eram vistas como uma benevolência ou bênção de Deus. Ainda hoje muitos pensam deste jeito, infelizmente. Por isso a aproximação do leproso a Jesus e o seu pedido revelam o desafio de alguém que não se conforma com aquela condenação social e religiosa. Ao curar o leproso e a tocar nele, Jesus quebra o muro da exclusão e, sobretudo, resgata a dignidade da pessoa humana em qualquer situação de miséria possa se encontrar. Mais uma vez o evangelho nos lembra que o amor de Deus começa com os seus filhos mais sofredores e afastados por uma sociedade – e religião também? – que privilegia os abastados, os certinhos, os que se autodefinem “perfeitos”. “Não são os que tem saúde que precisa do médico, mas os doentes. Não vim chamar justos, mas pecadores” (Mc 2,17) assim está escrito. Jesus ordena ao leproso, agora sadio, de se apresentar ao sacerdote para que fosse conferida a cura dele e de não divulgar o fato. Neste caso o homem desobedece. Não consegue conter a alegria de ter voltado a viver junto aos demais ou, simplesmente, ele louva e agradece a Deus gritando pelo benefício recebido, com total gratuidade, sem merecimento algum. A gratidão é um sentimento pouco valorizado, menos, em geral, quando nós mesmos reclamamos de não ver adequadamente reconhecido o bem que  fazemos. Usamos medidas diferentes. Jesus não precisa de manifestações exteriores, lhe basta a alegria do coração de quem renasceu à vida e, talvez, aprendeu também a doar sempre o melhor de si. Além disso, a divulgação podia gerar um equivoco muito grande: que as pessoas o procurassem somente para serem curadas das doenças corporais e não para acolher a novidade inteira do Reino de Deus por ele anunciado. Nada de novo; todos nós cobramos de Deus a saúde e quando a recuperamos esquecemos daquela outra doença pior que é o mal e o pecado do qual nem sempre pedimos com igual insistência e fé a libertação. Última situação; por ter “tocado” no leproso Jesus infringiu as regras, é considerado perigoso e, portanto, deve ficar afastado, fora da cidade. Não levam em conta o bem que fez. Talvez uma antecipação da condenação de Jesus aos gritos do povo a Pilatos: “Fora! Fora! Crucifica” (Jo 19,15).  Muitos, porém, continuavam a procurá-lo onde ele ficava, “em lugares desertos”. Assim foi a vida de Jesus, acolhida e desprezo, busca e exclusão. É bom entender que não será muito diferente também para os cristãos, seus discípulos. Jesus não desistiu da sua missão, não voltou atrás e nem se arrependeu, entregou a sua vida nas mão do Pai confiante sempre na vitória do amor sobre o mal e da vida sobre a morte. Não devemos nos arrepender do bem que fazemos. Afinal não carregaremos nada deste mundo a não ser a certeza de ter usado da melhor maneira possível dos dons que recebemos da bondade de Deus. Ele saberá nos julgar, com a sua misericórdia, também sobre aquilo que nem nós lembraremos mais. Arrependidos do mal feito sim, mas nunca do bem!

Artigos Anteriores

O HOMEM INQUIETO

por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá Certa vez um homem foi procurar o Profeta. Antes que ele abrisse a boca, o Profeta lhe disse: - Vieste para me perguntar o que é virtude? Respondeu o homem: - Como o senhor sabe? – Continuou o Profeta: - Porque ti...

SÃO PEDRO E SÃO PAULO – CHEFES OU SERVIDORES?

  por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá “O chefe se impõe: “Aqui mando eu”. O servidor: “Contem comigo”. O chefe existe pela sua autoridade; o servidor pelas suas atitudes. O chefe exige impor-se com extensos argumentos; o servidor com exemplos e...

MEDO E CORAGEM

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá A Coragem estava sendo perseguida pelo Medo. Procurou abrigo para passar a noite. Bateu à porta da Covardia, mas ela não lhe abriu dizendo que não a conhecia. Bateu à porta da Mentira, mas ela não lhe abriu dizendo...

CINCO MIL ANOS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá “No túmulo de um dos antigos faraós do Egito encontraram um punhado de grãos de trigo. Eram velhos de cinco mil anos. Alguém pegou um daqueles grãos, o plantou e o regou. Com grande surpresa de todos, a semente...

A FLAUTA MÁGICA

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Falar de caça hoje é antiecológico, mas houve um tempo que caçar fazia parte da vida e da sobrevivência humana. Certo dia, lá na África, um caçador pediu a um feiticeiro que inventasse alguma coisa para facilitar o...

ERA SUCO

  por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá Talvez lembramos o caso da mosca que caiu no copo de leite e que, de tanto se mexer, conseguiu engrossá-lo e assim sair daquela perigosa situação. Novamente aquela mosca caiu num copo cheio de liquido. Tinha...

TEORIA E POLÍTICA

  por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um famoso palestrante ganhava a vida como especialista em educação. O auditório lotava para ouvir suas orientações. Título da palestra: “Os dez mandamentos para educar os filhos”. Tinha resposta para tudo. Era...

A FONTE

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáDurante as férias, uma família, que morava numa grande cidade, foi passear num bosque. Todos admiravam a altura das arvores, o perfume e a variedade das flores. Depois de uma boa caminhada encontraram uma fonte que...

MAS ELES NÃO FALHARÃO

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEis uma estória totalmente imaginária. Quando Jesus ressuscitado chegou ao céu houve uma grande festa marcada por cantos e muita alegria. Finalmente, os anjos tiveram a oportunidade de falar com Jesus. Um deles...

AS MÃOS QUE ORAM

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEsta é a história de um quadro famoso de Albrech Duerer. No fim do século XV dois amigos desejavam ardentemente tornar-se pintores. Precisavam estudar, mas ambos eram muito pobres. Por isso decidiram que um ficaria...

PARA QUE A VIDA SEJA PRECIOSA

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de Macapá“Eu observava... o modo como meu pai olhava um passarinho deitado de lado à margem da calçada perto da nossa casa. – Está morto, pai? Eu tinha seis anos e não sentia a coragem de olhá-lo. – Por que morreu? – Tudo o que...

OS NOMES DE DEUS

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáConta-se que os monges do Tibet, nas montanhas da Ásia, procuravam desde séculos reunir em um grosso código todos os nomes com que os homens, pelo mundo inteiro, tivessem designado Deus. Tratava-se de aproximadamente...

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...