O REINO É BEM GOVERNADO

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

“Quando as espadas estão enferrujadas e as pás, luzidias, as prisões vazias e os celeiros cheios, os degraus do templo gastos pelos passos dos fiéis…quando as cortes estão cobertas de mato, os médicos andam de pé, os padeiros andam a cavalo, e quando há muitas crianças, o Reino é bem governado.” (sabedoria oriental)

Neste domingo celebramos a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo e com esta festa encerramos o Ano Litúrgico. Peço desculpa se iniciei esta reflexão com palavras tomadas da sabedoria oriental e não lembrando o trecho do evangelho de Mateus que encontramos na Liturgia. Pensei que podia ajudar para ter uma visão “grande”, como merece, do “Reino” do qual proclamamos Jesus Cristo “Rei”.

Depois da parábola dos talentos, que encontramos domingo passado, logo seguem aquelas palavras de Jesus aos seus discípulos que costumamos chamar de “Juízo Universal”. A introdução é solene: “Quando o Filho do Homem vier em sua glória…” (Mt 25,31) e continua dizendo que “todos os povos da terra serão reunidos diante dele…” Na linguagem própria destas páginas parece que chegamos ao final da aventura humana, mas, na realidade, a mensagem é de uma atualidade gritante para todos os homens e as mulheres de todos os tempos. Sobretudo para nós hoje, vivos e protagonistas deste momento histórico. Jesus, mais do que julgar, premiar ou condenar, nos oferece critérios para nós mesmos aprender a avaliar as decisões que norteiam a nossa vida e o faz de uma forma singular e inaudita: identificando-se com os que estavam com fome, com sede, eram estrangeiros, estavam despidos, doentes e presos. Todos os convocados, de um lado e do outro, ficarão surpresos e todos perguntarão: “Quando foi Senhor?”. É o “segredo” de Deus, se ainda não o entendemos, que acaba de ser revelado, o caminho seguro para encontra-lo e deixa-lo entrar em nossa vida. É um alerta para o nosso bem, para aprender a reconhecer a presença real, visível e ainda desfigurada, daquele que o Pai enviou, o Filho amado, nos pequenos, nos “menores”, nos doentes, em todos os sofredores e marginalizados. Seremos julgados sobre a solidariedade e a misericórdia que teremos oferecido, ou não, a quem precisava de ajuda, talvez sem alarde porque caído sem forças às margens das estradas da vida. Nesta página do evangelho não se fala de um ou outro grupo religiosos, de uma ou de outra crença. O que terá mesmo valor será o amor fraterno, a generosidade, a capacidade de se colocar ao lado dos desfavorecidos de todas as sociedade, reinos, impérios e organizações sociais e políticas deste mundo.

É evidente que, com esta mensagem, Jesus nos propõe uma humanidade bem diferente daquela que ainda estamos experimentando e construindo, cheia de violências, injustiças e exclusões. Podemos dizer que muito caminho já foi andado, mas continuamos mais criativos em busca de recursos para enriquecer e defender privilégios que para partilhar as riquezas que Deus deixou para todos nesta Casa Comum. Não deveríamos nós cristãos ser os melhores para o serviço aos pobres e para sarar as feridas da fome e da guerra? Fazemos muitas coisas, é verdade. Quantas “obras” sustentamos, quantas “campanhas” promovemos…quantas vidas salvamos. No entanto, a cada dia tomamos consciência das nossas fraquezas e das limitações dos nossos esforços. Vamos desistir de fazer o bem? De jeito nenhum, vamos intensificar e melhorar sempre as nossas obras de misericórdia. Porque o “Reino” não é nosso, é de Deus! Só ele sabe onde o Reino está crescendo, onde enfrenta as “dores do parto” (Rm 8,18-25), quando e como o “grão de mostarda” se tornará uma arvore (Mt 13,31-32). Por isso não cabe a nós conhecer ou definir os limites do Reino. Com certeza muitas pessoas de boa vontade estão trabalhando incansavelmente e talvez até sem saber para que o sonho-projeto de Deus-Amor aconteça.     Deus nunca desistiu dos seus projetos e das suas promessas; se nós não colaboramos, outros nos substituirão. Saberemos a verdade no dia do julgamento. Por enquanto vamos deixar enferrujar as armas e encher os celeiros de alimentos. Teimosos e sem cansar.

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...