QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

A página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela catequese deste evangelista. Precisamos entender quem é este Jesus para vencer a tentação de fugir na hora da Paixão dele. Só uma fé sólida e luminosa poderá superar o medo do sofrimento e da morte.

O evangelho de Marcos se abre com as palavras: “Início do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus” (Mc 1,1). No momento do batismo no rio Jordão é a voz do Pai que declara: “Tu és o meu Filho amado; em ti eu me agrado”. Na Transfiguração a voz do Pai confirma: “Este é o meu Filho amado. Escutai-o!” Pedro também confessará: “Tu és o Cristo”. Na hora da paixão aparece o letreiro que Pilatos mandou colocar sobre a cruz: “O Rei dos Judeus”. Rei e Ungido, Cristo, são títulos equivalentes. Por fim encontramos as palavras do centurião romano: “Verdadeiramente este homem era Filho de Deus”. Dois pagãos confirmam a identidade de Jesus. No entanto, Jesus quando fala de si mesmo se apresenta como “o Filho do Homem”, com referência à antiga profecia de Daniel. Voltando à página da Transfiguração, Jesus, luminoso, está entre Moisés e Elias e conversa com eles. Ele, então, é o novo Moisés e o novo Elias, mas também é o Homem Novo, o “novo Adão”. Por que isso é tão importante? O “velho” Adão não resistiu à tentação do orgulho de querer ser como Deus. Por que devia obedecer? Ainda pensamos: quem é Deus para mandar em nós? Uma compreensão autoritária e não amorosa de Deus nos conduz à desobediência. O próprio Deus de amigo e aliado se torna inimigo, alguém que atrapalha os nossos planos de poder e dominação. Jesus é o “novo Adão” que resgata a humanidade com a sua obediência confiante no Pai. Ele venceu a tentação de desistir. Não desceu da cruz quando lhe gritavam de “salvar a si mesmo” . Só assim teriam acreditado. O Filho de Deus, porém, não se tornou humano para salvar a si mesmo, mas para abrir a toda a humanidade um novo caminho para encontrar e reconhecer o Deus verdadeiro: generoso e não interesseiro, respeitoso da liberdade humana e não um fiscal  ameaçador. Um Deus “amor” que somente doa e se doa a quem o acolhe e confia nele como Pai amoroso. Sempre, também quando parece não atender aos nossos pedidos. Isto é ter fé no Deus Pai de Jesus Cristo. Não acreditamos num Deus de parte, que dá privilégios somente a alguns e esquece os demais. Num Deus que deve resolver as questões a nossa vantagem. Este seria um deus pagão, fabricado a imagem e semelhança nossa, pronto a fazer a “nossa” vontade. Acreditamos num Deus que, no Filho Jesus, acolhe a todos como filhos e filhas amados e nos conduz com paciência e misericórdia no caminho da fraternidade.

Aqui está o fundamento de toda a amizade social, assunto da Campanha da Fraternidade deste ano. Não podemos apelar a Deus para exigir mais respeito, direitos e bem-estar na vida somente para nós. Menos ainda usar o nome de Deus para praticar injustiças ou agredir aqueles que pensam diferente e têm projetos divergentes dos nossos. É justamente o contrário. Ao reconhecer o Deus de Jesus Cristo como Pai de todos  reconhecemos os laço que fazem de nós uma única humanidade. Não será uma ideologia,  um sistema ou algum iluminado a construir a amizade social porque ainda seria obra humana limitada e passageira. Precisamos reconhecer Jesus como único Mestre,  Deus Pai como único pai de todos e o Espírito Santo como guia a nos conduzir. O “inimigo” é o mal que se aninha em nosso coração e nos impede de enxergar nos outros irmãos e irmãs com os quais deveríamos construir um mundo de diálogo, de colaboração e paz. Deus nos cria todos a imagem e a semelhança dele, mas com muitos dons diferentes, não para disputar entre nós, mas para nos enriquecer uns aos outros com as diversidades. A busca “amizade social” não é a “ilusão” do Papa Francisco, é a proposta possível que surge da nossa própria fé para construir uma nova humanidade, mais unida, fraterna e solidária.

Artigos Anteriores

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.