SÓ DEUS TEM PODER SOBRE TI

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

“Um homem possuído pelo demônio chegou certo dia em Scete onde moravam alguns santos eremitas. Por muito tempo não ficou bom. Um dia, porém, um dos anciãos, movido de compaixão, fez um sinal da cruz nele e o curou. O demônio, enfurecido, disse ao ancião: – Tu me expulsas dele, e eu vou morar contigo. – Venha – respondeu o ancião. Este passou doze anos vigiando o demônio e humilhando-o. Todo dia comia somente doze caroços de tâmara. Depois disso o demônio o abandonou e fugiu. O ancião, vendo o demônio ir embora, lhe disse: – Por que foge? Fica ainda. O demônio respondeu: – Só Deus tem poder sobre ti.”

Neste 4º Domingo do Tempo Comum continuamos a leitura do evangelho de Marcos. Jesus, estando em Cafarnaum, entrou na sinagoga e começou a ensinar. O evangelista nada relata das palavras do Mestre. Simplesmente nos diz, duas vezes, que algo diferente dos ensinamentos dos mestres da Lei estava acontecendo: Jesus “ensinava como quem tem autoridade” (Mc 1,22 e 27). Com efeito, a palavra de Jesus tinha força e ao intimar ao espírito mau de deixar o homem por ele possuído este sarou de vez. Os presentes ficaram espantados e começaram a se perguntar uns aos outros o que era aquilo.

Fica claro que a mensagem central do evangelho deste domingo não é a expulsão do espírito mau daquele homem, como poderíamos pensar, mas o ensinamento de Jesus, a sua palavra que cura e liberta. De onde vem a autoridade de Jesus? Eis alguma justificativa. A primeira é que Jesus não fica só ensinando para os outros fazer o que ele explica, mas ele por primeiro confirma as suas palavras com a seu modo de agir. Ele tem autoridade porque pratica o que ensina. Também, diferentemente dos mestres da Lei, ele fala em nome próprio, consciente da originalidade da própria missão. Para simplificar podemos dizer que o evangelho de Marcos é o evangelho dos “catecúmenos” ou seja daqueles adultos que, no início e até nos primeiros séculos da Igreja, chegavam aos poucos ao conhecimento de Jesus e pediam o batismo como mudança radical da própria vida. Para conseguir fazer isso, os catecúmenos deviam confiar plenamente na palavra de Jesus. Eles deviam seguir alguém que aceitavam como luz iluminadora para as escolhas mais importantes para o resto de suas vidas. Quem queria e quer ser cristão, ainda hoje, só pode ser discípulo do único Mestre Jesus, como ele mesmo disse: “Quanto a vós, não vos fazeis chamar de ‘rabi’, pois um só é vosso Mestre e todos vós sois irmãos”(Mt 23,8).

Desde sempre a humanidade busca responder a algumas perguntas fundamentais:  qual é o sentido da vida? quem somos? de onde viemos? para onde vamos? por que amar? por que o sofrimento e a morte? Quando consegue fazer isso com humildade, reconhece que não possui a solução; somente alguém que está acima de nós, pode nos ajudar. No entanto, hoje, de maneira especial, muitos se consideram “mestres” de se mesmos. Alguns desistem de buscar as respostas por achar isso perda de tempo, fora de moda,  por não dar nenhum lucro. Outros, em nome da própria autonomia – ou individualismo que seja – , fascinados pelas novidades, jogam no esquecimento antigas sabedorias ou as práticas religiosas recebidas dos seus pais. Nem nós, fiéis da Igreja, estamos livres disso. Parece mais fácil e atual ter por “mestre” um líder carismático famoso, um frade ungido, um teólogo ferrenho defensor da doutrina que buscar na Palavra do Senhor a luz necessária nos caminhos da vida. Paramos de nos confrontar com os irmãos da comunidade, de escutar o que os pastores das nossas paróquias procuram nos transmitir todo domingo e acabamos confiando na autoridade de quem tem milhares de seguidores que nunca chegaremos a conhecer. Engano fácil do espírito mau da fama. Ilusão de uma fé que imaginamos ser possível praticar, com orações e bençãos, na frente de um monitor ou pelo celular. Os irmãos na fé, em carne e ossos desaparecem. Trabalhar e lutar juntos pelo bem de todos, pela justiça e a paz se torna supérfluo. Precisamos ser curados disso. 

Artigos Anteriores

O HOMEM INQUIETO

por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá Certa vez um homem foi procurar o Profeta. Antes que ele abrisse a boca, o Profeta lhe disse: - Vieste para me perguntar o que é virtude? Respondeu o homem: - Como o senhor sabe? – Continuou o Profeta: - Porque ti...

SÃO PEDRO E SÃO PAULO – CHEFES OU SERVIDORES?

  por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá “O chefe se impõe: “Aqui mando eu”. O servidor: “Contem comigo”. O chefe existe pela sua autoridade; o servidor pelas suas atitudes. O chefe exige impor-se com extensos argumentos; o servidor com exemplos e...

MEDO E CORAGEM

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá A Coragem estava sendo perseguida pelo Medo. Procurou abrigo para passar a noite. Bateu à porta da Covardia, mas ela não lhe abriu dizendo que não a conhecia. Bateu à porta da Mentira, mas ela não lhe abriu dizendo...

CINCO MIL ANOS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá “No túmulo de um dos antigos faraós do Egito encontraram um punhado de grãos de trigo. Eram velhos de cinco mil anos. Alguém pegou um daqueles grãos, o plantou e o regou. Com grande surpresa de todos, a semente...

A FLAUTA MÁGICA

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Falar de caça hoje é antiecológico, mas houve um tempo que caçar fazia parte da vida e da sobrevivência humana. Certo dia, lá na África, um caçador pediu a um feiticeiro que inventasse alguma coisa para facilitar o...

ERA SUCO

  por Dom Pedro Jose Conti Bispo da Diocese de Macapá Talvez lembramos o caso da mosca que caiu no copo de leite e que, de tanto se mexer, conseguiu engrossá-lo e assim sair daquela perigosa situação. Novamente aquela mosca caiu num copo cheio de liquido. Tinha...

TEORIA E POLÍTICA

  por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um famoso palestrante ganhava a vida como especialista em educação. O auditório lotava para ouvir suas orientações. Título da palestra: “Os dez mandamentos para educar os filhos”. Tinha resposta para tudo. Era...

A FONTE

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáDurante as férias, uma família, que morava numa grande cidade, foi passear num bosque. Todos admiravam a altura das arvores, o perfume e a variedade das flores. Depois de uma boa caminhada encontraram uma fonte que...

MAS ELES NÃO FALHARÃO

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEis uma estória totalmente imaginária. Quando Jesus ressuscitado chegou ao céu houve uma grande festa marcada por cantos e muita alegria. Finalmente, os anjos tiveram a oportunidade de falar com Jesus. Um deles...

AS MÃOS QUE ORAM

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEsta é a história de um quadro famoso de Albrech Duerer. No fim do século XV dois amigos desejavam ardentemente tornar-se pintores. Precisavam estudar, mas ambos eram muito pobres. Por isso decidiram que um ficaria...

PARA QUE A VIDA SEJA PRECIOSA

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de Macapá“Eu observava... o modo como meu pai olhava um passarinho deitado de lado à margem da calçada perto da nossa casa. – Está morto, pai? Eu tinha seis anos e não sentia a coragem de olhá-lo. – Por que morreu? – Tudo o que...

OS NOMES DE DEUS

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáConta-se que os monges do Tibet, nas montanhas da Ásia, procuravam desde séculos reunir em um grosso código todos os nomes com que os homens, pelo mundo inteiro, tivessem designado Deus. Tratava-se de aproximadamente...

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...