SÓ DEUS TEM PODER SOBRE TI

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

“Um homem possuído pelo demônio chegou certo dia em Scete onde moravam alguns santos eremitas. Por muito tempo não ficou bom. Um dia, porém, um dos anciãos, movido de compaixão, fez um sinal da cruz nele e o curou. O demônio, enfurecido, disse ao ancião: – Tu me expulsas dele, e eu vou morar contigo. – Venha – respondeu o ancião. Este passou doze anos vigiando o demônio e humilhando-o. Todo dia comia somente doze caroços de tâmara. Depois disso o demônio o abandonou e fugiu. O ancião, vendo o demônio ir embora, lhe disse: – Por que foge? Fica ainda. O demônio respondeu: – Só Deus tem poder sobre ti.”

Neste 4º Domingo do Tempo Comum continuamos a leitura do evangelho de Marcos. Jesus, estando em Cafarnaum, entrou na sinagoga e começou a ensinar. O evangelista nada relata das palavras do Mestre. Simplesmente nos diz, duas vezes, que algo diferente dos ensinamentos dos mestres da Lei estava acontecendo: Jesus “ensinava como quem tem autoridade” (Mc 1,22 e 27). Com efeito, a palavra de Jesus tinha força e ao intimar ao espírito mau de deixar o homem por ele possuído este sarou de vez. Os presentes ficaram espantados e começaram a se perguntar uns aos outros o que era aquilo.

Fica claro que a mensagem central do evangelho deste domingo não é a expulsão do espírito mau daquele homem, como poderíamos pensar, mas o ensinamento de Jesus, a sua palavra que cura e liberta. De onde vem a autoridade de Jesus? Eis alguma justificativa. A primeira é que Jesus não fica só ensinando para os outros fazer o que ele explica, mas ele por primeiro confirma as suas palavras com a seu modo de agir. Ele tem autoridade porque pratica o que ensina. Também, diferentemente dos mestres da Lei, ele fala em nome próprio, consciente da originalidade da própria missão. Para simplificar podemos dizer que o evangelho de Marcos é o evangelho dos “catecúmenos” ou seja daqueles adultos que, no início e até nos primeiros séculos da Igreja, chegavam aos poucos ao conhecimento de Jesus e pediam o batismo como mudança radical da própria vida. Para conseguir fazer isso, os catecúmenos deviam confiar plenamente na palavra de Jesus. Eles deviam seguir alguém que aceitavam como luz iluminadora para as escolhas mais importantes para o resto de suas vidas. Quem queria e quer ser cristão, ainda hoje, só pode ser discípulo do único Mestre Jesus, como ele mesmo disse: “Quanto a vós, não vos fazeis chamar de ‘rabi’, pois um só é vosso Mestre e todos vós sois irmãos”(Mt 23,8).

Desde sempre a humanidade busca responder a algumas perguntas fundamentais:  qual é o sentido da vida? quem somos? de onde viemos? para onde vamos? por que amar? por que o sofrimento e a morte? Quando consegue fazer isso com humildade, reconhece que não possui a solução; somente alguém que está acima de nós, pode nos ajudar. No entanto, hoje, de maneira especial, muitos se consideram “mestres” de se mesmos. Alguns desistem de buscar as respostas por achar isso perda de tempo, fora de moda,  por não dar nenhum lucro. Outros, em nome da própria autonomia – ou individualismo que seja – , fascinados pelas novidades, jogam no esquecimento antigas sabedorias ou as práticas religiosas recebidas dos seus pais. Nem nós, fiéis da Igreja, estamos livres disso. Parece mais fácil e atual ter por “mestre” um líder carismático famoso, um frade ungido, um teólogo ferrenho defensor da doutrina que buscar na Palavra do Senhor a luz necessária nos caminhos da vida. Paramos de nos confrontar com os irmãos da comunidade, de escutar o que os pastores das nossas paróquias procuram nos transmitir todo domingo e acabamos confiando na autoridade de quem tem milhares de seguidores que nunca chegaremos a conhecer. Engano fácil do espírito mau da fama. Ilusão de uma fé que imaginamos ser possível praticar, com orações e bençãos, na frente de um monitor ou pelo celular. Os irmãos na fé, em carne e ossos desaparecem. Trabalhar e lutar juntos pelo bem de todos, pela justiça e a paz se torna supérfluo. Precisamos ser curados disso. 

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...