A SIGNIFICATIVIDADE DA EXPERIÊNCIA DO VOLUNTARIADO

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Uma das mais significativas propostas da pastoral juvenil salesiana é a promoção da experiência do voluntariado. Tem crescido em todo o mundo, sobretudo nas novas gerações, o desejo de fazerem a experiência do voluntariado.  Trata-se de um fenômeno profundamente humano, muito significativo que merece ser aprofundado. A palavra “voluntário” deriva do termo latino “voluntas” que significa vontade, e do verbo “volere”, que quer dizer “querer”. O voluntário é aquela pessoa que, por livre e espontânea vontade, decidiu fazer a experiência de servir aos outros gratuitamente, sem remuneração nenhuma e com generosidade. Por isso só o ser humano pode ser verdadeiramente voluntário.

A expressão “voluntariado” é carregada de elementos positivos porque nos fala de consciência de si, de liberdade, amor ao próximo, serviço, sensibilidade, doação, generosidade; a experiência do voluntariado nos fala de disponibilidade pessoal, coragem, superação da infantilidade egoísta, altruísmo, solidariedade… Por isso, o voluntário não está fazendo um favor a quem serve; não age por pressão (interna ou externa), nem por interesse pessoal; age livremente. É uma atitude de amor, pois o amor é gratuito!

A experiência do voluntariado revela excelência humana, consciência humanista, maturidade sócio-afetiva e ética! Mais que uma ação, é importante cultivarmos a “cultura do voluntariado”, a virtude da voluntariedade, ou seja, da gratuidade. Diz a Sagrada Escritura: “Cada um dê conforme decidir em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama quem dá com alegria” (2Cor 9,7).

Compromisso moral

Quem quer servir por amor, gratuitamente, deve servir com alegria. As atitudes do voluntário devem comprovar a vivência de profundos valores humanos ou, ao menos, seu desejo de experimentá-los. Por isso, o voluntário se predispõe ao sacrifício de si mesmo, como oferta altruísta e generosa. Não impõe condições para ser, não exige nada e nem espera recompensa! A recompensa maior é o sentimento de felicidade em poder fazer a experiência de gratuidade. Essa atitude de oferta é fruto de um processo de amadurecimento humano que nos leva a entender o núcleo central do Sentido da Vida, que não está no Ter e nem na segurança pessoal. Com suas atitudes o voluntário comunica: “Estou aqui para servir! Eu vim para servir e dar a vida”! (cf. Mc 10,45; Jo 10,10).

Experiência de compaixão

Alegria e compaixão são sentimentos constantemente presentes no coração e nos lábios de um bom voluntário. A compaixão é ação proativa, promotora do bem ao outro que, por sua vez, produz alegria e bem-estar. O voluntário é alguém movido por uma grande compaixão. Era esse o mais forte sentimento de Jesus (cf. Mt 9,36; Mt 20,34; Mc 6,34). A compaixão é uma profunda virtude carregada de dinamismo positivo e propositivo. De fato, sempre após a manifestação do sentimento de compaixão em Jesus, segue uma ação proativa.

O serviço gratuito, mas prestado com frieza e “cara feia”, não é autêntico voluntariado humanista, muito menos cristão. A compaixão e a bondade combinam com a alegria, o entusiasmo, a serenidade edificante. Falando das características da caridade cristã, São Paulo estimula os fiéis de Roma dizendo que quem exerce a misericórdia, deve fazê-lo com alegria (cf. Rm 12,7).

Um voluntário triste é uma contradição! Um voluntário preguiçoso, murmurador e que vive reclamando de tudo, errou em sua decisão, está sendo, na verdade, pressionado a fazer algo pelos outros, não está sendo livre. Há pessoas que, erroneamente, se decidem ao “voluntariado” para fugir de algo, para preencher o próprio tempo livre… Quando falta a compaixão como motivação básica, o voluntariado se esvazia.

A gratuidade tem um preço

O voluntário não só abraça o serviço gratuito (o trabalho), mas também aceita as exigências inerentes ao serviço, e deve acolher com serenidade as circunstâncias desagradáveis ou desfavoráveis. As dificuldades provam a consistência das convicções do voluntário. É muito fácil fazer o bem quando tudo está favorável; desafio é manter a mesma convicção quando temos dificuldades.

Dentro desse contexto, vale a pena recordarmos a parábola do bom samaritano que Jesus contou quando estava falando do amor ao próximo (cf. Lc 10,25-37). Quem não sente compaixão, olha, vê e passa adiante pelo outro lado. A causa dos desvios do pobre caído no chão não era a agenda dos atarefados, nem a urgência dos seus compromissos, mas a falta de compaixão: “Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu e teve compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas suas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e o levou a uma pensão, onde cuidou dele” (Lc 10,33-34).

Se não sentisse compaixão, se não fosse sensível, o viajante samaritano teria possivelmente todas as desculpas para não servir. Mas não foi isso que aconteceu. A sequência dos verbos é maravilhosa: viu, aproximou-se, sentiu, agiu… ele fez a sua parte!

 

Artigos Anteriores

“MARIA LEVANTOU-SE E PARTIU APRESSADAMENTE”

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) deste ano vai acontecer em Lisboa de 01-06 de agosto. Milhões de jovens de diversas religiões, mas sobretudo católicos, estarão reunidos durante uma semana...

A LIDERANÇA DO BOM PASTOR (final)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Na Bíblia há uma abundância de referências ao líder como pastor do seu rebanho. Eram considerados pastores todos aqueles que tinham responsabilidades sobre os outros, de modo...

A ESPIRITUALIDADE DO CORAÇÃO

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém É costume no mês de junho na Igreja Católica, se fazer uma especial memória do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria. Vivendo numa cultura muito marcada pela insensibilidade,...

O ESTILO DE LIDERANÇA DE JESUS CRISTO (Parte 19)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Continuemos nossa reflexão sobre o estilo da liderança de Jesus. Na próxima edição concluiremos esta série de textos com a parábola do Bom Pastor. Jesus Cristo é o líder por excelência. Por...

O ESTILO DA LIDERANÇA DE JESUS CRISTO (Parte 18)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução É clássica a afirmação que diz que Jesus é modelo de todos os líderes; que Jesus é o líder perfeito; que Jesus é o mestre da liderança; que Jesus é referência na arte de liderar...

A DIMENSÃO PASTORAL DAS FESTAS JUNINAS

Dom Antonio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução O mês de junho, de norte a sul do Brasil, é caracterizado pelas festas folclóricas, mas com uma forte roupagem religiosa. Por isso, nas aglomerações festivas de rua e nas instituições...

A LIDERANÇA NO TESTAMENTO ÉTICO-PASTORAL DE SÃO PAULO (Parte 17)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução Antes de concluir esta série de reflexões sobre liderança pastoral, quero lhe convidar a fazer uma leitura orante do testamento ético e pastoral de Paulo. Esse texto se encontra em...

AMOR E VERDADE NA COMUNICAÇÃO

Dom Antonio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Todos os anos a Igreja Católica dedica uma jornada de reflexão sobre as Comunicações Sociais que acontece no IV domingo do mês de maio, e tem um tema específico cada ano comentado numa mensagem do...

PECADOS CAPITAIS DA LIDERANÇA (Parte 16)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Há vícios que inviabilizam plenamente a possibilidade de uma liderança efetiva e eficaz, tornando-a estéril, amarga, opressora, injusta e assim o líder, às claras se torna “persona...

LÍDER: SEMEADOR DE ESPERANÇA E OTIMISMO (Parte 15)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém LÍDER: SEMEADOR DE ESPERANÇA E OTIMISMO (Parte 15) Introdução: O autêntico líder não é aquele que simplesmente manda, mas sobretudo, é quem alimenta esperança e nutre o otimismo nos seus...

LIDERANÇA E SENSIBILIDADE HISTÓRICA (Parte 14)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Em muitas ocasiões tenho encontrado, em diversos contextos pastorais, líderes messiânicos, aqueles que manifestam através de suas atitudes que chegaram ilusoriamente para resolver...

ZILDA ARNS: HEROÍNA DA PÁTRIA

Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém   No dia 20 de abril foi divulgado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 14.552, que colocou o nome da Dra. Zilda Arns Neumann, médica pediatra, sanitarista e fundadora...

LIDERANÇA E ESPIRITUALIDADE (Parte 12)

Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A exigente missão de liderança proporciona, muitas vezes ao líder, o enfrentamento de sérios desafios e problemas. Se ele não tiver uma forte estrutura espiritual, nessas...

 TERNURA E FIRMEZA NA LIDERANÇA (Parte 11)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução “O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e sai correndo. Então o lobo ataca e...

A LIDERANÇA ÉTICA (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Uma das mais importantes exigências que recai sobre um líder é aquela que diz respeito a sua dimensão ética. Quando Jesus disse aos seus apóstolos: “entre vocês, não deve ser assim....

APROFUNDAMENTO DO SENTIDO DA CELEBRAÇÃO DA PÁSCOA

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Na Bíblia a Páscoa aparece pela primeira vez no capítulo doze do livro do Êxodo, dentro do contexto de vida nova, como memória da libertação da escravidão no Egito (cf. Êxodo 1-3). A Páscoa judaica...

LIDERANÇA, INQUIETUDE E VISÃO EMPREENDEDORA (Parte 9)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução O líder tem a missão de cuidar das pessoas, estimulá-las, animá-las, promovê-las, envolvê-las, corresponsabilizá-las na missão fomentando a busca de respostas a desafios e problemas....

LIDERANÇA e SINODALIDADE (Parte 8)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Os líderes da Igreja, em todos os níveis, têm como missão comum a promoção do Reino de Deus. A missão de evangelizar da Igreja tem como meta essa única finalidade; portanto, todos os...

LIDERANÇA E TEOLOGIA DO SERVIÇO (Parte 7)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Na Igreja, mesmo se não somos todos líderes e com funções de coordenação, somos servidores. Mas liderar os outros é servir. É uma das mais significativas e exigentes formas de serviço...

LIDERANÇA: A SÁBIA HORA DA SUCESSÃO (Parte 6)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A Sagrada Escritura nos diz que há um tempo para cada coisa. Então é preciso saber discernir o momento certo de cada uma; quando iniciar e também quando terminar. “Debaixo do céu há...

DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E CATEQUESE: Não há Justiça sem Caridade (Parte 11)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.

VII JORNADA MUNDIAL DOS POBRES: «Nunca afastes de algum pobre o teu olhar» (Tb 4,7)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: CARIDADE E JUSTIÇA (Parte 10)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: PRINCÍPIOS E CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS (Parte 9)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: TEMAS SOCIAIS NAS CARTAS CATÓLICAS (Parte 8)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.