CATEQUESE E DOUTRINA SOCIAL: QUESTÕES SOCIAIS NAS CARTAS DE SÃO PAULO (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

A sensibilidade social Paulina é fruto da aplicabilidade do mandamento do Amor na sua dimensão social em diversos níveis e contextos da vida pessoal, familiar, comunitária e social. Os conteúdos da moral social cristã presentes nas cartas de São Paulo, fazem referência às mais variadas dimensões da vida do fiel discípulo de Jesus Cristo. Não se trata de uma repetição do conteúdo dos Evangelhos, mas é continuidade e aprofundamento em coerência com as palavras, gestos e atitudes de Jesus Cristo.

Não pretendemos nesta reflexão apresentar a totalidade dos temas sociais presentes na literatura Paulina, mas simplesmente evidenciar alguns aspectos da sua sensibilidade social. A pregação pastoral de Paulo era profundamente marcada pela sensibilidade social afastando-se do intimismo. Vejamos alguns temas sociais:

  1. O meio ambiente: para São Paulo também a criação (natureza) é beneficiária da redenção; ela geme e sofre esperando a sua plena libertação porque está sujeita à corrupção. “A própria criação espera com impaciência a manifestação dos filhos de Deus” (Rm 8,19); vive na tensão da esperança para ser liberta da opressão e participar da liberdade e glória dos filhos de Deus (cf. Rm 8,21). A manifestação dos filhos de Deus acontece através da vivência do amor já aqui neste mundo e terá a sua plenitude na eternidade. As relações de fraternidade não estão confinadas entre pessoas, mas atinge também a natureza.
  2. A questão política: diante da necessidade de uma autoridade política para cada comunidade, São Paulo afirma que a autenticidade das autoridades humanas depende da sua sintonia com a autoridade divina, porque Deus é a fonte da autoridade (cf. Rm 13,1-2). A relação entre a autoridade e súditos não deve ser marcada pelo temor, mas pelo profundo senso de corresponsabilidade (cf. Rm 13,3-5); a finalidade do serviço da autoridade é a promoção do bem de todos. Mas cada cidadão é chamado a dar a sua contribuição: “Dêem a cada um o que lhe é devido: o imposto e a taxa, a quem vocês devem imposto e taxa; o temor, a quem vocês devem temor; a honra, a quem vocês devem honra” (Rm 13,7). Com essas reflexões, São Paulo nos ensina que “todo bom cristão deve ser um honesto cidadão”. Em todas as circunstâncias o fiel discípulo de Jesus é chamado a dar o seu testemunho diante das autoridades como assim fez Jesus Cristo (cf. 1Tm 6,13). A lei escrita não é absoluta, mas tem função pedagógica (cf. Gl 5,23-25). A lei absoluta é o amor vivido por Cristo (cf. Gal 5,13).
  3. O zelo pela família: na primeira carta aos Coríntios, Paulo denuncia com muita firmeza, o caso de um incesto na comunidade, ou seja, da convivência marital entre mãe e filho. O fato é avaliado como grave imoralidade que nem mesmo era visto entre os pagãos (cf. 1Cor 5,1). A postura seríssima de Paulo, demonstra a sua grande sensibilidade para com os valores da família que constituem a base da moralidade da sociedade. Marido e mulher são estimulados ao amor reciprocamente e os filhos devem se exercitar na obediência (cf. Col 3,18-19). A família deve ser defendida diante dos promotores da imoralidade e da perversão que ensinam aquilo que é vergonhoso (cf. Tt 1,10-12). Na carta aos hebreus afirma: “Que todos respeitem o matrimônio e não desonrem o leito nupcial, pois Deus julgará os libertinos e adúlteros” (Hb 13,8).
  4. A ciência a serviço da vida: na frente do conhecimento está o princípio supremo da Caridade. “Ainda que eu tivesse o dom da profecia, o conhecimento de todos os mistérios e de toda a ciência… se não tivesse o amor, eu não seria nada” (1Cor 13,2). Guiada e fundamentada no amor, a ciência deve estar então, a serviço da vida, da paz e da justiça. O puro conhecimento provoca a vaidade, o amor ao contrário, sempre edifica (cf. 1Cor 8,1).
  5. A ética na cultura e na religião: Paulo se manifesta com muita firmeza diante daqueles que propagavam a perversão dos bons costumes, disseminando falsas doutrinas que provocavam mal-estar nas famílias, na vida religiosa e na comunidade em geral. Eram “falsos apóstolos, operários fraudulentos, disfarçados de apóstolos de Cristo” (2Cor 11,13). Na carta aos hebreus alerta os fiéis para que não se deixassem levar por nenhum tipo de doutrinas estranhas (cf. Hb 13,9). Paulo adverte sobre a mentalidade dos homens dos últimos tempos: “serão egoístas, gananciosos, soberbos, blasfemos, rebeldes com os pais, ingratos, iníquos, sem afeto, implacáveis, mentirosos, incontinentes, cruéis…” (2Tm 3,2-3). E continua alertando: “vai chegar o tempo em que não se suportará mais a sã doutrina; pelo contrário, com a comichão de ouvir alguma coisa, os homens se rodearão de mestres a seu bel-prazer. Desviarão seus ouvidos da verdade e os orientarão para as fábulas” (2Tm 4,4-5).
  6. A fé em Cristo põe fim à escravidão. Paulo não propõe uma ruptura brusca da estrutura da cultura do seu tempo, mas estimula uma transformação na qualidade da relação entre senhores e escravos, judeus e gregos, fiéis e pagãos. A partir do batismo as relações humanas devem ser de acolhida, respeito, justiça e igualdade e não de dominação de um sobre o outro (cf. Ef 6,6-9; Col 4,1); escravos ou livres são irmãos e por isso, entre eles, devem prevalecer as relações de fraternidade (cf. 1Tm 6,1-2; Carta a Filêmon). Para os batizados, toda e qualquer forma de injustiça deve ser banida, seja nas relações interpessoais quanto nas trabalhistas (cf. 2Tm 2,6-7; 1Tm 5,17-20). Alicerçados no amor fraterno, os discípulos de Jesus são chamados à aquisição de uma nova mentalidade abandonando o “homem velho”, evitando paixões enganadoras, a mentira, o roubo, a aspereza no trato, raiva, gritaria, insulto, e todo tipo de maldade (cf. Ef 4,22-30).
  7. A importância do trabalho: em diversas ocasiões Paulo falou da importância da sua autossustentabilidade, vivendo dignamente com o seu próprio trabalho para não ser peso para ninguém (cf. 2Tss 3,6-9; 1Cor 4,12; Ef 4,28). Na comunidade de Tessalônica deixou esta norma: “quem não quer trabalhar, também não coma” (2Tss 3,10). Cada membro da comunidade, gozando de boa saúde e tendo condições de servir é chamado a comer o próprio pão, trabalhando em paz (cf. 2Tss 3,12). Cada um receberá de Deus a sua recompensa segundo seu próprio trabalho (cf. 1Cor 3,8-9).
  8. A questão financeira: em diversas ocasiões Paulo fala da ambivalência do dinheiro. Escrevendo a Timóteo o alerta dizendo que a “origem de todos os males está no apego ao dinheiro. Por causa da ânsia de dinheiro, alguns se afastaram da fé e afligem a si mesmos com muitos tormentos” (1Tm 6,10). Lamenta afirmando que homens de espírito corrupto fazem da religião fonte de lucro, sendo ávidos pelo dinheiro (cf. 1Tm 6,6). Para Paulo a riqueza material é uma armadilha levando quem é movido por desejos insensatos e perniciosos, a se afundar na ruína (cf. 1Tm 6,9). Pede a Timóteo que “admoeste os ricos deste mundo, para que não sejam orgulhosos e não coloquem sua esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que nos dá tudo com abundância para que nos alegremos. Que eles façam o bem, se enriqueçam de boas obras, sejam prontos a distribuir, capazes de partilhar. Desse modo, estão acumulando para si mesmos um belo tesouro para o futuro, a fim de obterem a verdadeira vida” (1Tm 6,17-19). A sensibilidade para com os pobres e a promoção da justiça é um compromisso permanente da Igreja (cf. 2Cor 9,9). A Igreja não deve se esquecer dos pobres (cf. Gal 2,10).

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Quais outros temas sociais são tratados por Paulo?
  2. O que mais lhe chamou a atenção desses temas?
  3. O que esses temas sociais têm a ver com a catequese?

Artigos Anteriores

“MARIA LEVANTOU-SE E PARTIU APRESSADAMENTE”

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) deste ano vai acontecer em Lisboa de 01-06 de agosto. Milhões de jovens de diversas religiões, mas sobretudo católicos, estarão reunidos durante uma semana...

A LIDERANÇA DO BOM PASTOR (final)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Na Bíblia há uma abundância de referências ao líder como pastor do seu rebanho. Eram considerados pastores todos aqueles que tinham responsabilidades sobre os outros, de modo...

A ESPIRITUALIDADE DO CORAÇÃO

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém É costume no mês de junho na Igreja Católica, se fazer uma especial memória do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria. Vivendo numa cultura muito marcada pela insensibilidade,...

O ESTILO DE LIDERANÇA DE JESUS CRISTO (Parte 19)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Continuemos nossa reflexão sobre o estilo da liderança de Jesus. Na próxima edição concluiremos esta série de textos com a parábola do Bom Pastor. Jesus Cristo é o líder por excelência. Por...

O ESTILO DA LIDERANÇA DE JESUS CRISTO (Parte 18)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução É clássica a afirmação que diz que Jesus é modelo de todos os líderes; que Jesus é o líder perfeito; que Jesus é o mestre da liderança; que Jesus é referência na arte de liderar...

A DIMENSÃO PASTORAL DAS FESTAS JUNINAS

Dom Antonio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução O mês de junho, de norte a sul do Brasil, é caracterizado pelas festas folclóricas, mas com uma forte roupagem religiosa. Por isso, nas aglomerações festivas de rua e nas instituições...

A LIDERANÇA NO TESTAMENTO ÉTICO-PASTORAL DE SÃO PAULO (Parte 17)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução Antes de concluir esta série de reflexões sobre liderança pastoral, quero lhe convidar a fazer uma leitura orante do testamento ético e pastoral de Paulo. Esse texto se encontra em...

AMOR E VERDADE NA COMUNICAÇÃO

Dom Antonio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Todos os anos a Igreja Católica dedica uma jornada de reflexão sobre as Comunicações Sociais que acontece no IV domingo do mês de maio, e tem um tema específico cada ano comentado numa mensagem do...

PECADOS CAPITAIS DA LIDERANÇA (Parte 16)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Há vícios que inviabilizam plenamente a possibilidade de uma liderança efetiva e eficaz, tornando-a estéril, amarga, opressora, injusta e assim o líder, às claras se torna “persona...

LÍDER: SEMEADOR DE ESPERANÇA E OTIMISMO (Parte 15)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém LÍDER: SEMEADOR DE ESPERANÇA E OTIMISMO (Parte 15) Introdução: O autêntico líder não é aquele que simplesmente manda, mas sobretudo, é quem alimenta esperança e nutre o otimismo nos seus...

LIDERANÇA E SENSIBILIDADE HISTÓRICA (Parte 14)

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Em muitas ocasiões tenho encontrado, em diversos contextos pastorais, líderes messiânicos, aqueles que manifestam através de suas atitudes que chegaram ilusoriamente para resolver...

ZILDA ARNS: HEROÍNA DA PÁTRIA

Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém   No dia 20 de abril foi divulgado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 14.552, que colocou o nome da Dra. Zilda Arns Neumann, médica pediatra, sanitarista e fundadora...

LIDERANÇA E ESPIRITUALIDADE (Parte 12)

Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A exigente missão de liderança proporciona, muitas vezes ao líder, o enfrentamento de sérios desafios e problemas. Se ele não tiver uma forte estrutura espiritual, nessas...

 TERNURA E FIRMEZA NA LIDERANÇA (Parte 11)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução “O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e sai correndo. Então o lobo ataca e...

A LIDERANÇA ÉTICA (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Uma das mais importantes exigências que recai sobre um líder é aquela que diz respeito a sua dimensão ética. Quando Jesus disse aos seus apóstolos: “entre vocês, não deve ser assim....

APROFUNDAMENTO DO SENTIDO DA CELEBRAÇÃO DA PÁSCOA

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Na Bíblia a Páscoa aparece pela primeira vez no capítulo doze do livro do Êxodo, dentro do contexto de vida nova, como memória da libertação da escravidão no Egito (cf. Êxodo 1-3). A Páscoa judaica...

LIDERANÇA, INQUIETUDE E VISÃO EMPREENDEDORA (Parte 9)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução O líder tem a missão de cuidar das pessoas, estimulá-las, animá-las, promovê-las, envolvê-las, corresponsabilizá-las na missão fomentando a busca de respostas a desafios e problemas....

LIDERANÇA e SINODALIDADE (Parte 8)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Os líderes da Igreja, em todos os níveis, têm como missão comum a promoção do Reino de Deus. A missão de evangelizar da Igreja tem como meta essa única finalidade; portanto, todos os...

LIDERANÇA E TEOLOGIA DO SERVIÇO (Parte 7)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Na Igreja, mesmo se não somos todos líderes e com funções de coordenação, somos servidores. Mas liderar os outros é servir. É uma das mais significativas e exigentes formas de serviço...

LIDERANÇA: A SÁBIA HORA DA SUCESSÃO (Parte 6)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A Sagrada Escritura nos diz que há um tempo para cada coisa. Então é preciso saber discernir o momento certo de cada uma; quando iniciar e também quando terminar. “Debaixo do céu há...

DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E CATEQUESE: Não há Justiça sem Caridade (Parte 11)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.

VII JORNADA MUNDIAL DOS POBRES: «Nunca afastes de algum pobre o teu olhar» (Tb 4,7)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: CARIDADE E JUSTIÇA (Parte 10)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: PRINCÍPIOS E CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS (Parte 9)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: TEMAS SOCIAIS NAS CARTAS CATÓLICAS (Parte 8)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.