CATEQUESE E DOUTRINA SOCIAL: QUESTÕES SOCIAIS NAS CARTAS DE SÃO PAULO (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

A sensibilidade social Paulina é fruto da aplicabilidade do mandamento do Amor na sua dimensão social em diversos níveis e contextos da vida pessoal, familiar, comunitária e social. Os conteúdos da moral social cristã presentes nas cartas de São Paulo, fazem referência às mais variadas dimensões da vida do fiel discípulo de Jesus Cristo. Não se trata de uma repetição do conteúdo dos Evangelhos, mas é continuidade e aprofundamento em coerência com as palavras, gestos e atitudes de Jesus Cristo.

Não pretendemos nesta reflexão apresentar a totalidade dos temas sociais presentes na literatura Paulina, mas simplesmente evidenciar alguns aspectos da sua sensibilidade social. A pregação pastoral de Paulo era profundamente marcada pela sensibilidade social afastando-se do intimismo. Vejamos alguns temas sociais:

  1. O meio ambiente: para São Paulo também a criação (natureza) é beneficiária da redenção; ela geme e sofre esperando a sua plena libertação porque está sujeita à corrupção. “A própria criação espera com impaciência a manifestação dos filhos de Deus” (Rm 8,19); vive na tensão da esperança para ser liberta da opressão e participar da liberdade e glória dos filhos de Deus (cf. Rm 8,21). A manifestação dos filhos de Deus acontece através da vivência do amor já aqui neste mundo e terá a sua plenitude na eternidade. As relações de fraternidade não estão confinadas entre pessoas, mas atinge também a natureza.
  2. A questão política: diante da necessidade de uma autoridade política para cada comunidade, São Paulo afirma que a autenticidade das autoridades humanas depende da sua sintonia com a autoridade divina, porque Deus é a fonte da autoridade (cf. Rm 13,1-2). A relação entre a autoridade e súditos não deve ser marcada pelo temor, mas pelo profundo senso de corresponsabilidade (cf. Rm 13,3-5); a finalidade do serviço da autoridade é a promoção do bem de todos. Mas cada cidadão é chamado a dar a sua contribuição: “Dêem a cada um o que lhe é devido: o imposto e a taxa, a quem vocês devem imposto e taxa; o temor, a quem vocês devem temor; a honra, a quem vocês devem honra” (Rm 13,7). Com essas reflexões, São Paulo nos ensina que “todo bom cristão deve ser um honesto cidadão”. Em todas as circunstâncias o fiel discípulo de Jesus é chamado a dar o seu testemunho diante das autoridades como assim fez Jesus Cristo (cf. 1Tm 6,13). A lei escrita não é absoluta, mas tem função pedagógica (cf. Gl 5,23-25). A lei absoluta é o amor vivido por Cristo (cf. Gal 5,13).
  3. O zelo pela família: na primeira carta aos Coríntios, Paulo denuncia com muita firmeza, o caso de um incesto na comunidade, ou seja, da convivência marital entre mãe e filho. O fato é avaliado como grave imoralidade que nem mesmo era visto entre os pagãos (cf. 1Cor 5,1). A postura seríssima de Paulo, demonstra a sua grande sensibilidade para com os valores da família que constituem a base da moralidade da sociedade. Marido e mulher são estimulados ao amor reciprocamente e os filhos devem se exercitar na obediência (cf. Col 3,18-19). A família deve ser defendida diante dos promotores da imoralidade e da perversão que ensinam aquilo que é vergonhoso (cf. Tt 1,10-12). Na carta aos hebreus afirma: “Que todos respeitem o matrimônio e não desonrem o leito nupcial, pois Deus julgará os libertinos e adúlteros” (Hb 13,8).
  4. A ciência a serviço da vida: na frente do conhecimento está o princípio supremo da Caridade. “Ainda que eu tivesse o dom da profecia, o conhecimento de todos os mistérios e de toda a ciência… se não tivesse o amor, eu não seria nada” (1Cor 13,2). Guiada e fundamentada no amor, a ciência deve estar então, a serviço da vida, da paz e da justiça. O puro conhecimento provoca a vaidade, o amor ao contrário, sempre edifica (cf. 1Cor 8,1).
  5. A ética na cultura e na religião: Paulo se manifesta com muita firmeza diante daqueles que propagavam a perversão dos bons costumes, disseminando falsas doutrinas que provocavam mal-estar nas famílias, na vida religiosa e na comunidade em geral. Eram “falsos apóstolos, operários fraudulentos, disfarçados de apóstolos de Cristo” (2Cor 11,13). Na carta aos hebreus alerta os fiéis para que não se deixassem levar por nenhum tipo de doutrinas estranhas (cf. Hb 13,9). Paulo adverte sobre a mentalidade dos homens dos últimos tempos: “serão egoístas, gananciosos, soberbos, blasfemos, rebeldes com os pais, ingratos, iníquos, sem afeto, implacáveis, mentirosos, incontinentes, cruéis…” (2Tm 3,2-3). E continua alertando: “vai chegar o tempo em que não se suportará mais a sã doutrina; pelo contrário, com a comichão de ouvir alguma coisa, os homens se rodearão de mestres a seu bel-prazer. Desviarão seus ouvidos da verdade e os orientarão para as fábulas” (2Tm 4,4-5).
  6. A fé em Cristo põe fim à escravidão. Paulo não propõe uma ruptura brusca da estrutura da cultura do seu tempo, mas estimula uma transformação na qualidade da relação entre senhores e escravos, judeus e gregos, fiéis e pagãos. A partir do batismo as relações humanas devem ser de acolhida, respeito, justiça e igualdade e não de dominação de um sobre o outro (cf. Ef 6,6-9; Col 4,1); escravos ou livres são irmãos e por isso, entre eles, devem prevalecer as relações de fraternidade (cf. 1Tm 6,1-2; Carta a Filêmon). Para os batizados, toda e qualquer forma de injustiça deve ser banida, seja nas relações interpessoais quanto nas trabalhistas (cf. 2Tm 2,6-7; 1Tm 5,17-20). Alicerçados no amor fraterno, os discípulos de Jesus são chamados à aquisição de uma nova mentalidade abandonando o “homem velho”, evitando paixões enganadoras, a mentira, o roubo, a aspereza no trato, raiva, gritaria, insulto, e todo tipo de maldade (cf. Ef 4,22-30).
  7. A importância do trabalho: em diversas ocasiões Paulo falou da importância da sua autossustentabilidade, vivendo dignamente com o seu próprio trabalho para não ser peso para ninguém (cf. 2Tss 3,6-9; 1Cor 4,12; Ef 4,28). Na comunidade de Tessalônica deixou esta norma: “quem não quer trabalhar, também não coma” (2Tss 3,10). Cada membro da comunidade, gozando de boa saúde e tendo condições de servir é chamado a comer o próprio pão, trabalhando em paz (cf. 2Tss 3,12). Cada um receberá de Deus a sua recompensa segundo seu próprio trabalho (cf. 1Cor 3,8-9).
  8. A questão financeira: em diversas ocasiões Paulo fala da ambivalência do dinheiro. Escrevendo a Timóteo o alerta dizendo que a “origem de todos os males está no apego ao dinheiro. Por causa da ânsia de dinheiro, alguns se afastaram da fé e afligem a si mesmos com muitos tormentos” (1Tm 6,10). Lamenta afirmando que homens de espírito corrupto fazem da religião fonte de lucro, sendo ávidos pelo dinheiro (cf. 1Tm 6,6). Para Paulo a riqueza material é uma armadilha levando quem é movido por desejos insensatos e perniciosos, a se afundar na ruína (cf. 1Tm 6,9). Pede a Timóteo que “admoeste os ricos deste mundo, para que não sejam orgulhosos e não coloquem sua esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que nos dá tudo com abundância para que nos alegremos. Que eles façam o bem, se enriqueçam de boas obras, sejam prontos a distribuir, capazes de partilhar. Desse modo, estão acumulando para si mesmos um belo tesouro para o futuro, a fim de obterem a verdadeira vida” (1Tm 6,17-19). A sensibilidade para com os pobres e a promoção da justiça é um compromisso permanente da Igreja (cf. 2Cor 9,9). A Igreja não deve se esquecer dos pobres (cf. Gal 2,10).

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Quais outros temas sociais são tratados por Paulo?
  2. O que mais lhe chamou a atenção desses temas?
  3. O que esses temas sociais têm a ver com a catequese?

Artigos Anteriores

A TRANSVERSALIDADE DA PASTORAL JUVENIL

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Na Exortação Apostólica Christus Vivit afirma-se que, às vezes, “perante um mundo cheio de tanta violência e egoísmo, os jovens podem correr o risco de se fechar em pequenos grupos,...

A VISÃO DA PESSOA HUMANA E A PASTORAL JUVENIL

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Numa sociedade profundamente marcada por múltiplas formas de reducionismos e polarização, é necessário que a ação pastoral nunca perca a visão da totalidade da identidade da Igreja. Na era...

PASTORAL JUVENIL: EDUCAR E EVANGELIZAR ATRAVÉS DA DIMENSÃO LÚDICA

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Na Exortação Apostólica, Pós-sinodal, Christus Vivit, o Papa Francisco provocou a Igreja a promover uma profunda renovação da Pastoral Juvenil. Ela não deve estar fechada na dimensão...

INVESTIR TEMPO, ENERGIA E RECURSOS NA PASTORAL JUVENIL

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém O parágrafo 119, do documento final do Sínodo dos bispos sobre os jovens, nos diz que a prioridade da pastoral juvenil é uma escolha que exige investimento de "tempo, energias e recursos"....

AMIZADE E ESPERANÇA (Final)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A experiência da Amizade nos proporciona dois níveis de esperança: o primeiro é aquele mundano, da nossa história, deste mundo no relacionamento com os outros; o outro é a Esperança da vida...

A AMIZADE ENTRE AS INSTITUIÇÕES (Parte 16)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A reflexão sobre amizade social entre as pessoas físicas e grupos, nos estimula a estendê-la ao nível das instituições. Quando o Papa Francisco lançou o Pacto Educativo Global foi...

AMIZADE E SEXUALIDADE (Parte 15)

  por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A Campanha da Fraternidade deste ano que tem como tema a amizade social, nos estimula a refleti-la em muitas direções e a aprofundá-la em várias dimensões. Uma delas é a relação entre...

AMIZADE E ESPIRITUALIDADE (Parte 14)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáQual é a contribuição da fé para a experiência da amizade? Como a espiritualidade contribui para a promoção da sustentabilidade da amizade? Encontramos na Sagrada Escritura muitas pistas...

EDUCAR PARA A AMIZADE (Parte 13)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do ParáA educação como desenvolvimento humano integral, abraça a promoção da totalidade das dimensões da pessoa humana. Visto que tudo depende da inteligência, o processo de educação integral deve...

ARQUIDIOCESE DE BELÉM REALIZA ‘I CONGRESSO MARIANO DA JUVENTUDE’

por Pe Demisson Batista /  Assessor do Setor Juventude da Arquidiocese de BelémO Setor Juventude da Arquidiocese de Belém realizou, no sábado, dia 4, no Centro de Cultura e Formação Cristã, o ‘I Congresso Mariano da Juventude’, que reuniu cerca de 450 jovens da...

AMIZADE, CONFLITO E RESILIÊNCIA RELACIONAL (Parte 12)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNinguém pode afirmar com segurança e despreocupação que tem um amigo garantido e ficar tranquilo. Um amigo não é um objeto e a amizade não é um contrato assinado, mas é uma relação viva,...

A DIMENSÃO ÉTICA DA AMIZADE (Parte 11)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará Na visão popular a amizade está sempre conectada à alegria, à festa, ao prazer, ao lazer, à diversão, à aventura, ao companheirismo, ao apoio nas horas imprevistas. Contudo, na era do...

AMIZADE NOS ATOS DOS APÓSTOLOS E EPÍSTOLAS (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA chave de leitura para entendermos a importância da questão da amizade nos Atos dos Apóstolos e nas diversas cartas é a amplitude e o dinamismo do mandamento do Amor deixado por Jesus...

A AMIZADE EM JESUS CRISTO (Parte 9)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáJesus Cristo é o mestre das relações humanas. Por ser verdadeiro Deus e verdadeiro homem, Nele a experiência da Amizade é uma realidade profundamente complexa se manifestando em diversos...

A PRIMAZIA DA MISERICÓRDIA

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáTodos os anos a Igreja nos convida a meditar solenemente sobre o Mistério da Misericórdia divina, no assim chamado, Domingo da Misericórdia, a ser celebrado no segundo Domingo da Páscoa;...

AMIZADE NOS LIVROS SAPIENCIAIS (Parte 8)

por Dom Antônio de Assis RibeiroBispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNos livros sapienciais encontramos a maioria das citações bíblicas sobre a amizade e a identidade do verdadeiro amigo. À diferença dos livros históricos, nos sapienciais não encontramos a...

AMIZADE NA BÍBLIA: ALGUNS CASOS (Parte 7)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáNa Bíblia encontramos muitas narrações profundamente significativas sobre a experiência da amizade. As relações de afeto entre duas ou mais pessoas nem sempre, porém, são marcadas pela...

A AMIZADE SOCIAL NA ENCÍCLICA FRATELLI TUTTI (Parte 6)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará O Papa Francisco através da Encíclica Fratelli Tutti (ano 2020) nos convida a contemplar novos horizontes para as relações humanas e descortinar a beleza da dimensão social da amizade com...

A AMIZADE NA EXORTAÇÃO APOSTÓLICA CHRISTUS VIVIT (Parte 5)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáA pastoral juvenil abraça a totalidade das dimensões da pessoa do jovem, dentre elas, estão as dimensões socioafetiva, vocacional, lúdica, sexual. Uma pastoral juvenil que não dá a devida...

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DO PAPA FRANCISCO (Parte 4)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará No seu primeiro documento, a Carta Encíclica Lumen Fidei (2013) sobre a Fé, o Papa Francisco nos recorda que a experiência de compromissos comuns, de amizade e de partilha da mesma sorte,...