OS DOIS BURRINHOS

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

No dia de Natal também dois burrinhos chegaram à gruta de Belém. Estavam magros e cansados. As suas costas estavam feridas por causa dos duros golpes de bastão e dos pesados sacos de farinha de trigo que o patrão os obrigava a carregar todo dia. Tinham ouvido os pastores falarem da chegada do Rei dos Reis e eles também se animaram e correram para lá. Ficaram um momento a contemplar a Criança recém-nascida. A adoraram e fizeram orações como todos. Quando saíram, o terrível patrão estava à espera deles. Partiram de volta cada um com a sua carga pesada na garupa. – Não serve para nada – disse um deles – Rezei ao Messias que me tirasse o peso das costas, mas ele não o fez. – Eu, ao contrário, – respondeu o outro, trotando com certo vigor – lhe pedi que me desse a força para carregá-lo.

Estamos acostumados, neste tempo de Natal, a nos desejar paz e alegria uns aos outros. Todos caprichamos em encontrar as palavras mais bonitas para expressar os sentimentos mais altos e valiosos. É muito bom, porque, ao menos por alguns dias, todos concordamos que a nossa convivência humana poderia ser melhor. Devemos aproveitar bem destes momentos, para que o Natal não se transforme numa formalidade quase obrigatória de cumprimentos e troca de presentes. Cabe a cada um de nós ser sinceros e honestos com nós mesmos e com os demais. Temos a oportunidade de pedir desculpa se fizemos algo errado e ofendemos alguém. Podemos abraçar de novo quem nos virou as costas ou nós mesmos excluímos das nossas conversas. É sempre possível lembrar momentos bons e esquecer para sempre situações constrangedoras.

É Natal e com o Menino Jesus que nasce tudo parece recomeçar. Cabe a cada um de nós decidir o que será diferente ou se, muito em breve, tudo voltará como antes. Retomaremos a nossa rotina de família, de trabalho, de luta pela sobrevivência, de disputas pelo poder, de espertezas para derrubar os outros e afirmar as nossas pequenas superioridades. Cabe a nós mudarmos as coisas, as relações e os sentimentos. Foi isso que Jesus veio nos ensinar. Não resolveu todos os problemas, não quis nos obrigar a sermos bons se não queremos, mas ele começou algo novo, tão diferente que foram poucos o que o compreenderam. Quando curava aos sábados, as autoridades o acusavam de colocar o ser humano doente e excluído no lugar de Deus. Quando perdoava os pecados em nome de um Pai misericordioso e convidava a mudar de vida, foi considerado perigoso porque acabava com o medo do castigo de Deus. Quando proclamava felizes os pequenos e os pobres e convidava a olhar a beleza das flores dos campos, foi chamado de louco e sonhador. Foi crucificado porque anunciava um Reino de Amor que não cabia em nenhum esquema, em nenhuma ideologia e nem na religião do Templo. Mas ele começou. Foi algo novo que continua sempre novo ainda hoje. É o novo que incomoda, que mexe na nossa indiferença, no nosso comodismo e bem-estar, no nosso bom-senso, equilíbrio e prudência. Jesus foi exagerado em tudo, na pobreza, no amor até o fim, no perdão a quem o matava. Ele só começou, cabe a nós cristãos continuarmos a missão dele. Ainda esperamos que seja ele a resolver os problemas que nós criamos, a acabar com as guerras que nós iniciamos, a refazer o jardim da criação que nós destruímos. Rezamos muito para que ele faça o que nós não temos coragem ou vontade de fazer. Reclamamos e achamos que Deus deveria intervir. Ele já veio e nos mostrou que é possível fazer diferente, que é sempre possível recomeçar, na humildade, no reconhecer que precisamos de ajuda, de luz, de esperança, que precisamos de um Deus mais humano que caminhe conosco e nós prontos a seguir os seus passos. Agora a responsabilidade é nossa. É o peso da história que a humanidade está escrevendo, mas não estamos sozinhos, não estamos sem rumo, sem projeto, sem fé. Neste Natal pedimos ao Menino Jesus a força de fazer a nossa parte, de colaborar com a nossa carga de amor e de paz. Sem desistir. Será difícil, mas não impossível. Feliz Natal para todos e todas!

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...