RENOVAR A ESPERANÇA COM VISÃO DE FUTURO

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

Introdução

Na conclusão de cada ano e início do outro costumamos nos desejar um feliz e próspero Ano Novo. É um rito do qual todos participamos e, sobretudo, desejamos todo bem possível às pessoas que mais amamos, em geral, nossos parentes e amigos. Por mais que o ano que esteja passando tenha sido profundamente marcado por desgraças e sofrimentos, nossa mente não se detém no passado.

Essa é uma característica muito significativa da pessoa humana que deve ser refletida e aprofundada.  O final de cada ano é um gatilho que nos desperta para a esperança, que nos faz olhar para o futuro com visão otimista. Essa mirada para frente, em geral, está carregada de espírito de confiança em Deus, mesmo por parte daqueles que não frequentam nenhuma religião. Por isso desejamo-nos bênçãos dos céus, saúde, paz, proteção, sucesso, prosperidade! Somos chamados a aprofundar a beleza desse dinamismo humano.

  1. O homem voltado para o futuro

Escrevendo aos Colossenses, São Paulo os exorta a buscar e a pensar nas coisas do alto (cf. Cl 3,1-2); a sabedoria que vem do alto nos livra do imanentismo terreno e do materialismo estéril e passional (cf. Tg 3,15-16). Assim, verdadeiramente livres, caminhamos retamente rumo ao futuro por excelência que é a vida eterna (cf. Lc 18,30). Somos vocacionados a desfrutar das maravilhas do mundo futuro (cf. Hb 6,5). Portanto, a visão de futuro nos ajuda a dar sentido para o presente.

Essa realidade faz parte da essência do ser humano porque é dotado de espírito, inteligência, vontade, consciência e liberdade. Essas capacidades colocam o ser humano numa tríplice perspectiva: a memória do passado, a consciência do presente e a previsão do futuro.

A imortalidade da alma, alimenta continuamente no ser humano o desejo de eternidade, de plenitude, de vida eterna, de saciedade. Por sua natureza a alma é inquieta e por isso, provoca o ser humano a não ser acomodado, estático e aprisionado em sua realidade. Todavia, essa natural sede de infinito e plenitude presente no coração do ser humano, choca-se profundamente com a triste realidade em que vivem milhões de pessoas: encarceradas pela apatia, desmotivadas pelo medo, estacionadas no comodismo, dependentes!

Passando pelas grandes cidades do nosso país e do mundo em geral, constatamos uma triste realidade: milhares de moradores de rua; uma realidade de miséria assustadora; muitos em situação de vulnerabilidade socioeconômica sem trabalho, sem dinheiro, sem saúde, sem morada e, por isso, vivendo na rua; outros milhares quase na mesma situação, mas com um sério agravante, os vícios profundos com grave miopia sobre o sentido da vida, da esperança e sem forças de vontade para sair daquela situação. Também eles, apesar de combalidos pela miséria, sonham… No entanto, estão voltados para o presente em busca das suas necessidades básicas imediatas de comer, beber e dormir.

A visão desse drama nos deixa inquietos, provocados, questionados, sensíveis. Isso significa que quando o outro está na miséria perdendo o brilho da sua dignidade, sua situação existencial nos convoca à reflexão e ação. Somos chamados a fazer todo o possível para que o outro jamais perca a capacidade de sonhar e amar a vida. A desumanização do ser humano é um drama para com o qual não devemos nos acostumar. Quem dá esmola e não se deixa tocar pelo clamor das necessidades e dignidade da pessoa que pede, não contribui para a superação da sua miséria. O outro deve ser visto, acolhido, tratado e desafiado como sujeito. O costume da mendicância é negação da subjetividade sadia. Isso acontece quando a situação da mendicância atinge a mentalidade da pessoa.

Num mundo marcado pelo individualismo, fragmentação e heroísmo solitário, um dos grandes desafios é a promoção do sonho coletivo, do sonho sinodal, da ação conjunta, da corresponsabilidade, da comunhão naquilo que é essencial tanto para a sociedade, quanto para a Igreja.

  1. Somos capazes de sonhar

Apesar das muitas formas de negação do dinamismo do futuro presente no ser humano. Ele, graças às suas extraordinárias capacidades naturais, é o único ser vivo capaz de idealizar, sonhar, projetar, planejar… por isso, está aberto para a promoção do inédito. Esse aspecto tão significativo do dinamismo do ser humano nos fala do seu Criador, a fonte de toda novidade, bondade e beleza. Por isso jamais o ser humano deveria deixar de sonhar!

Todavia, segundo o filósofo francês Jean François Lyotard (1972), a grande característica dos tempos atuais é o fim das “metanarrativas”, ou seja, dos grandes sonhos da humanidade; segundo ele hoje estamos vivendo na era da ausência das grandes utopias, dos grandes sonhos da humanidade; a pós-modernidade é a era da crise dos grandes sonhos. Isso é antes de tudo, uma questão puramente acadêmica. Na verdade, o ser humano nunca deixou e nem deixará de sonhar, mas os sonhos mudam, se redimensionam e sonhos geram sonhos, ou seja, novos ideais e metas. É verdade que onde há ausência de sonhos ali há inércia, incerteza, insegurança, desorientação, ausência de norte, pessimismo. Quando deixamos de crer, sonhar e caminhar perdemos o nosso equilíbrio existencial.

Iniciando um novo ano somos chamados pela fé e inatural inquietude da razão, a olhar para o futuro na perspectiva da responsabilidade pessoal; se somos capazes de idealizar, projetar, programar e executar atividades, isso significa que também nós somos livres e responsáveis pelo nosso presente e futuro. Essa convicção é muito importante porque nos livra do mal de nos deixarmos aprisionar por uma atitude fatalista e determinista da vida.

O fatalismo nega a beleza da subjetividade humana porque defende que na história tudo já está destinado e determinado a acontecer. Nessa visão o ser humano é um mero instrumento de uma engrenagem com movimentos inevitáveis. Esse modo de pensar gera o conformismo que tanto promove o atraso humano porque alimenta nas pessoas o sentimento de impotência diante dos desafios da realidade. Por isso, quase sempre, lá onde há uma mentalidade fatalista, determinista, há pessimismo, miséria, forte crença na sorte, no azar e passiva espera por milagres.

  1. A necessidade de projetar

Na verdade, apesar das crises, sempre presentes em todas as eras, o ser humano nunca perdeu a inteligência, a sua vontade, liberdade e tensão para o futuro porque essas são características profundamente humanas.  Isso significa também que nunca o ser humano perdeu a capacidade de querer, sonhar e buscar o melhor para si e para os outros (família, amigos, grupo).

A nossa capacidade de querer nos lança o desafio e o compromisso da projeção. Não basta sonhar e querer, é preciso inquietar-se, pensar, articular, programar-se. Quem não faz isso fica somente em suas fantasias. Isso acontece quando se deseja algo, mas a pessoa não se preocupa com o “como”, não se programa, não se organiza, não tem sensibilidade estratégica. Assim, não cresce, não amadurece, não evolui!  Não basta desejar, é preciso dar trabalho para a inteligência, comprometer a vontade, articular passos estratégicos, percorrer etapas, encher-se de firmeza de ânimo para superar obstáculos. Nada vem de “mão beijada”.

Iniciando um novo ano somos todos convidados a nos reprojetar, a nos autoavaliar, a reconhecer nossas necessidades presentes e erguer a cabeça olhando para as perspectivas do futuro. Para isso é preciso superar alguns males como o pessimismo, o medo, a visão determinista da vida (não existe destino), o derrotismo, a mentalidade mendicante (aquela que nos leva simplesmente a viver dependendo dos outros), a preguiça, o desânimo diante das dificuldades. É preciso cultivar esperança, mas sendo projetada como aquela atitude do bom agricultor que sabe o que plantou e espera ansiosamente a colheita.

A esperança é antes de tudo uma virtude! É uma força interior que nos faz querer e promover o bem; é dom de Deus que se junta com o dinamismo da razão. A inteligência nos convida à esperança. A esperança é uma virtude capital geradora de outras virtudes!

Há situações em que a nossa esperança é profundamente provada, assim como vemos em Jó que, desprezado, doente, incompreendido, sendo objeto de zombaria e solitário, afirmava que sua esperança tinha chegado ao fim e se questionava: “Onde está a minha esperança? Alguém viu a minha esperança por aí? Ela descerá comigo ao túmulo, quando juntos nos afundarmos no pó» (Jó 17,15-16).  Em outra passagem sentindo-se desonrado e ferido, desprezado e injustiçado, afirma que lhe fora arrancada a “árvore da sua esperança” que, neste caso, seria a solidariedade dos amigos (cf. Jo 19,12-17). De fato, entre solidariedade e esperança há uma profunda relação. Por isso, para quem tem fé, Deus é o eterno companheiro e essa presença invisível, é confortante. Isso nos diz também que o sonho de boas realizações no futuro nos lança o desafio de abertura ao outro fazendo crescer o próprio capital social.

A fonte e a meta da nossa esperança é Deus. Disso nos vem a atitude de alegria, confiança, entrega, serenidade, otimismo, entusiasmo, firmeza de ânimo, vontade de lutar, desejo de vitória; a esperança é dinâmica!  Por ser uma virtude a esperança precisa ser alimentada através da Palavra de Deus que nutre a fé, do bom senso, da oração pessoal, da meditação, da renovação dos bons propósitos.

PARA A REFLEXÃO PESSOAL:

  1. Como você reflete a questão da esperança no mundo de hoje?
  2. O que acha da promoção do sonho coletivo e sinodal na sociedade e na Igreja?
  3. O que podemos fazer para evitar a mentalidade fatalista e mendicante?

Artigos Anteriores

A AMIZADE NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 3)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano 2024, nos propõe o exercício da reflexão e vivência da Amizade Social e também nos convida a aprofundar o sentido da amizade em si e a...

A AMIZADE SOCIAL NO MAGISTÉRIO DA IGREJA (Parte 2)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáIntrodução A amizade é a qualidade de um relacionamento estável alicerçado no Amor. Visto que a missão da Igreja é testemunhar a vivência do mandamento do Amor vivido por Jesus Cristo, ela...

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do ParáO tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

ENCONTRO DE GERAÇÕES: III DIA MUNDIAL DOS AVÓS E DOS IDOSOS

Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém  Introdução O IV Domingo de julho foi instituído pelo papa Francisco como o Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, motivado pela celebração do dia de Sant’Ana e São Joaquim, os avós de Jesus, no dia...

SIGNIFICADOS DO NATAL

por Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém

A DOUTRINA SOCIAL NA CATEQUESE: ATIVIDADES SOCIOEDUCATIVAS E PASTORAIS (Parte 12)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará.

DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E CATEQUESE: Não há Justiça sem Caridade (Parte 11)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.