OS TRÊS BEIJOS

por Dom Pedro José Conti

Bispo da Diocese de Macapá

O casamento deles já tinha completado os 24 anos. Todas as vezes que deviam se separar, nem que fosse para um só dia, eles trocavam três beijos. As filhas e os amigos ironizavam sobre este costume. Até que um dia o pai explicou: – Os três beijos não são de despedida, mas para recordar o que significa a nossa união matrimonial. O primeiro beijo é para o coração, porque os nossos corações devem estar unidos no amor e na compreensão mútua. O segundo beijo é para a mente. Todos passamos por muitas provas e tribulações. Certas vezes não estamos de acordo sobre algumas questões, mas nos momentos importantes somos uma só pensamento e uma só decisão. O terceiro beijo é para dizer obrigado, porque estamos em paz e assim lembrar quanto lutamos para construir esta união ao longo de tantos anos. Tudo é dom de Deus e disso devemos sempre agradecer. Podem rir de nós, mas é assim que mantemos vivo o nosso amor.”

Com o Domingo da Sagrada Família de Jesus, Maria e José temos a oportunidade de fechar o ano velho e de iniciar o novo pensando e refletindo sobre as nossas famílias: o que tem de bom e o que poderiam ter de melhor. Apesar de vivermos na sociedade da pressa, das comunicações e dos compromissos, as nossas “famílias”, ainda são lugares onde podemos ser nós mesmos, mais espontâneos, mais livres. Em nossas casas também temos tarefas e responsabilidades, mas por nossa escolha e não por interesse ou obrigação. Em casa somos nós que decidimos se ser gentis e amáveis ou ríspidos e grossos. Os nossos familiares não são clientes para agradar ou convencer, cobradores de serviços ou de resultados. A nossa família não pode funcionar como uma empresa que visa o lucro e a eficiência. As relações são outras, os laços que nos unem são bem diferentes. No entanto, é comum ouvir dizer que em lugar de ser o ambiente familiar a transformar a sociedade num conjunto mais humano, fraterno e solidário é a sociedade do consumo, do sucesso e do individualismo a condicionar as nossas famílias banalizando os afetos, esfriando os relacionamentos, rompendo aqueles laços que deveriam ser sobremaneira amorosos. Toda família deveria surgir por uma escolha de comunhão e de amor e não deveria se deixar vencer pela indiferença, o egoísmo e a provisoriedade.

No evangelho deste domingo da Sagrada Família, o velho Simeão, depois de ter anunciado que aquele menino será “luz para iluminar as nações e glória do povo de Israel” declara que Jesus será também “causa de queda como de reerguimento…Ele será um sinal de contradição. Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações”. (Lc 2,32-35). A profecia significa que o “Messias” não terá caminho fácil e até a mãe Maria irá sofrer. Mas nos convida também a não ter medo de confrontar os nossos pensamentos com a mensagem de Jesus, com o seu projeto de amor e de paz. Quando refletimos sobre o matrimônio e a família, talvez achamos que o Senhor seja exigente demais. Nos apavoram compromissos duradouros. As palavras “para sempre” são bonitas, mas acabamos acreditando pouco nelas. Nos parecem mais amarras que nos prendem de que caminhos a serem percorridos juntos até o fim com decisão e confiança, com esforço e humildade. Desta forma não somente duvidamos da força que Deus não deixa faltar aos seus amigos, mas também das nossas próprias possibilidades de viver um amor único e exclusivo com quem decidimos partilhar a vida, com tudo o que somos e temos. Como todas as coisas humanas, a vida matrimonial, também se abençoada por Deus, não tem garantia absoluta de êxito feliz, porque sempre será o resultado de muitos fatores que incluem as nossas fraquezas, as circunstâncias da vida e, sobretudo, a nossa fé. No entanto, devemos ser nós cristãos os primeiros a acreditar no amor e na fidelidade das pessoas. “Ser família” é um chamado, uma missão, um sinal de esperança para quem nunca conheceu a acolhida, a gratuidade, o perdão. Somente de famílias em paz podem surgir homens e mulheres construtores daquela paz que ainda tanto falta no mundo. Benditos os três beijos daquele casal. Quem quiser podem ironizar.

Artigos Anteriores

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

FALAR À TOA

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O TREM SILENCIOSO

Artigo semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá

O NOVO MISSAL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

FOLHAS E FRUTOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

O OVO DA EMA

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

ELE VIVEU COMO UM SANTO E MORREU COMO UM HERÓI

por  Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá No dia 26 de outubro de 2007, Papa Bento XVI proclamou bem-aventurado Franz Jägerstätter que o próprio Papa definiu como um jovem objetor de consciência que lutou contra o nazismo durante a segunda guerra mundial e...

MISTER SMILE

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

TEREMOS QUE DESISTIR DE TUDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Um rico lavrador entrou impetuosamente em casa e exclamou com voz aflita: - Antônia, há uma história terrível na cidade: o Messias chegou! – O que há de tão terrível nisso? – perguntou a mulher. – Acho o máximo. Por que...

PODERIA DAR CONTA SOZINHO?

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá O santo rei Enrique II da Baviera, junto com a esposa Cunegonda, toda manhã ia na igreja para participar da missa e receber a comunhão. Alguns dos mais importantes membros da Corte disseram para ele: - Majestade, não é...

O AMOR NÃO É AMADO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Neste domingo realizaremos mais um Círio em honra de Nossa Senhora de Nazaré. De novo Maria nos convoca para rezarmos e cantarmos juntos os louvores a Deus, Pai de bondade, que olhou com especial predileção aquela jovem...

O FILHO MAIS QUERIDO

Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá Perguntaram um dia a um sábio persa: - Tu tens muitos filhos; a qual preferes? O homem respondeu: - O filho que prefiro é o menor até que cresça; o que está longe até voltar; o que está doente até ficar curado; o que...