CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2024: INTRODUÇÃO GERAL (Parte 1)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro

Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém do Pará

O tema da Campanha da Fraternidade deste ano é “Fraternidade e Amizade social” e tem como lema “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mt 23,8). O seu objetivo geral é contribuir para nos despertar sobre o valor e a beleza da Fraternidade humana, promovendo e fortalecendo a experiência da Amizade Social. Esse objetivo nos desafia a superar a cultura da indiferença para com os outros, que nos torna como que portadores do mal da cegueira, da insensibilidade nos proporcionando uma atitude de descaso diante das necessidades alheias.

O tema da Amizade social nos convida a refletir sobre as causas dos conflitos, a hostilidade na relações humanas e a agressividade interpessoal. Onde não há a experiência da amizade, pode haver não somente a indiferença, mas também a violência. São dois graves males.

O tema da CF 2024 nos convida a promover abertos vínculos de amizade, capazes de estimular a comunhão, a reconciliação entre as pessoas e o espírito fraterno favorecendo a promoção do bem comum. Dessa forma a amizade autêntica não é um bem privado e fechado entre duas pessoas ou mais, mais tem uma responsabilidade social. A experiência da amizade aberta estimula a construção de pontes entre pessoas e grupos. É dessa forma que fomentamos o desafio do diálogo que promove a cultura do encontro.

  1. Palavras chaves da CF 2024

O texto base da CF deste ano nos apresenta uma lista de palavras chaves que nos ajuda didaticamente a melhor compreender os horizontes, o conteúdo e a sensibilidade do tema Amizade Social. Falamos muito de amizade genericamente, mas associada ao adjetivo “social” não é comum. Portanto, o tema da CF deste ano nos estimula a pensar a necessidade da abertura da experiência da amizade, que se opõe à experiência daquela fechada, intimista, defensiva, com barreira, indiferente à sua dimensão social.

O tema da CF 2024 nos fala de acolhida, compaixão, comunidade, diálogo, convivência, empatia… A autêntica experiência de Amizade tem a sua fonte no Amor e este, por sua natureza, é sempre aberto, sensível, compassivo, empático, benfazejo. A fonte da amizade  não é egoísta, mesquinha, fechada, seletiva.

O tema da CF 2024 nos convida a pensar e nos treinar na importância da proximidade, da acolhida incondicional, do intercâmbio de dons, pois todos somos portadores de riquezas. Isso só é possível se a experiência da amizade for aberta. Quando dois amigos ou um grupo se fecha na amizade, se empobrece e, dessa forma, não contribui para o bem comum porque esqueceu da sua dimensão social. A família é o primeiro grupo natural de experiência de amizade chamada a abrir-se às necessidades dos outros. Por isso, em geral, aprendemos a ser solidário no seio familiar, pois a sociedade é uma rede de famílias.

O tema da CF 2024 nos desafia a estimular o desenvolvimento integral que é consequência da consciência ativa da corresponsabilidade para com a promoção da paz e da justiça. O desenvolvimento integral implica também o esforço em vista da dilatação do coração, ou seja, da dimensão socioafetiva. Quem não desenvolveu sua dimensão socioafetiva, lamentavelmente, terá sempre dificuldade de relacionamento com os outros e de abertura sem fronteira, sendo capaz de pensar na “família humana”, na “fraternidade universal”, na “civilização do amor e da paz”.

  1. Fenômenos a serem rejeitados

A partir da contemplação do vasto horizonte positivo do tema da CF 2024, podemos imaginar, por outro lado também, um universo de males a serem rejeitados e combatidos porque promovem o adoecimento da sociedade. Um dos primeiros males é a cegueira; esse mal nos proporciona a indiferença às realidades que estão a nossa frente e ao nosso lado. Segundo o sociólogo Zigmunt Baumam, em sua obra a Cegueira moral, “a negligência moral está crescendo em alcance e intensidade, a demanda por analgésicos aumenta cada vez mais, e o consumo de tranquilizantes morais se transforma em vício. Por conseguinte, uma insensibilidade moral induzida e manipulada se torna uma compulsão ou uma “segunda natureza”: uma condição permanente e quase universal – e as dores são despidas de seu papel salutar de prevenir, alertar e mobilizar. Com as dores morais aliviadas antes de se tornarem verdadeiramente perturbadoras e preocupantes, a teia de vínculos humanos tecida com os fios da moral torna-se cada vez mais débil e frágil, vindo a descosturar-se.” (BAUMAN, Zigmunt… Cegueira moral, 2014, p. 181). Uma sociedade que padece do mal do “anestesiamento socioafetivo” jaz na insensibilidade; isso significa a ausência da semente da necessidade dos outros.

No mundo da “cegueira moral” a experiência das amizades é fechada, intimista, isolada, segura (defensiva), internamente prazerosa, mas insensível à dor dos outros. Essa experiência de amizade é intolerante a qualquer forma de incômodo. A abertura à experiência do incômodo é uma natural consequência da sociabilidade.

Um grupo que vive a experiência da amizade sem a dimensão social e senso de bem comum, facilmente cai em atitudes extremistas rejeitando todos aqueles que não tem afinidade com seus interesses. Dessa forma estimulam a rejeição, o preconceito, a segregação, a injúria étnica, cultural e ou religiosa, promovendo a inimizade e os conflitos.  Assim nascem as guerras entre povos, alicerçadas na intolerância religiosa, no nacionalismo que alimenta a xenofobia.

  1. A origem do tema “amizade social”

O tema da Campanha da Fraternidade de 2024 é inspirado na Carta Encíclica Fratelli Tutti: sobre a fraternidade e a amizade social – do Papa Francisco – publicada no ano 2020. Num mundo marcado por múltiplas formas de violências, grupos fechados e tendências extremistas (ideológicas, políticas, religiosas), somos chamados a promover a experiência da Amizade aberta que ultrapassa barreiras e promove o diálogo, a solidariedade, a comunhão, a compaixão, a justiça, a paz e a harmonia entre as pessoas.

Nessa encíclica (Fratelli Tutti= todos irmãos) o Papa lança para a humanidade um sonho: “entrego esta encíclica social como humilde contribuição para a reflexão, a fim de que, perante as várias formas atuais de eliminar ou ignorar os outros, sejamos capazes de reagir com um novo sonho de fraternidade e amizade social que não se limite a palavras” (FT,6). François Lyotard (1924-1998), sociólogo francês, nos anos 70 em sua obra “O pós-moderno” já alertava o mundo sobre surgimento de uma nova sensibilidade marcada pelo fenômeno do desaparecimento dos grandes sonhos batizando essa nova era de pós-modernidade (cf. LYOTARD, 1998. p. 26). Ele se referia às grandes correntes filosóficas (iluminismo, positivismo, comunismo etc). No campo das relações humanas a sensibilidade pós-moderna faz pouco caso com o conteúdo e a dinâmicas das relações interpessoais.  O que mais se deseja não é a promoção de senhos mais é o «haurir satisfação» (cf. BAUMAN, Ética pós-moderna…,115-127). O intimismo interpessoal leva as pessoas a se fecharem no mundo do prazer e a não pensar em outras dimensões. É a “amizade” que gera escravidão.

O Papa Francisco, persiste em seu sonho dizendo: “Desejo ardentemente que, neste tempo que nos cabe viver, reconhecendo a dignidade de cada pessoa humana, possamos fazer renascer, entre todos, um anseio mundial de fraternidade… Ninguém pode enfrentar a vida isoladamente; precisamos duma comunidade que nos apoie, que nos auxilie e dentro da qual nos ajudemos mutuamente a olhar em frente. Como é importante sonhar juntos! Sozinho, corres o risco de ter miragens, vendo aquilo que não existe; é juntos que se constroem os sonhos. Sonhemos como uma única humanidade, como caminhantes da mesma carne humana, como filhos desta mesma terra que nos alberga a todos, cada qual com a riqueza da sua fé ou das suas convicções, cada qual com a própria voz, mas todos irmãos” (FT,8).

PARA REFLEXÃO PESSOAL:

  1. O que o tema “amizade social” me provoca?
  2. Por que a experiência da “amizade social” exige desenvolvimento humano?
  3. Qual é o grande sonho do Papa Francisco presente no número 8 da Fratelli Tutti e por que é tão importante?

Artigos Anteriores

LIDERANÇA E ESPIRITUALIDADE (Parte 12)

Dom Antônio de Assis Ribeiro, SDB Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A exigente missão de liderança proporciona, muitas vezes ao líder, o enfrentamento de sérios desafios e problemas. Se ele não tiver uma forte estrutura espiritual, nessas...

 TERNURA E FIRMEZA NA LIDERANÇA (Parte 11)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução “O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O mercenário, que não é pastor, a quem não pertencem as ovelhas, quando vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e sai correndo. Então o lobo ataca e...

A LIDERANÇA ÉTICA (Parte 10)

por Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Uma das mais importantes exigências que recai sobre um líder é aquela que diz respeito a sua dimensão ética. Quando Jesus disse aos seus apóstolos: “entre vocês, não deve ser assim....

APROFUNDAMENTO DO SENTIDO DA CELEBRAÇÃO DA PÁSCOA

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Na Bíblia a Páscoa aparece pela primeira vez no capítulo doze do livro do Êxodo, dentro do contexto de vida nova, como memória da libertação da escravidão no Egito (cf. Êxodo 1-3). A Páscoa judaica...

LIDERANÇA, INQUIETUDE E VISÃO EMPREENDEDORA (Parte 9)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução O líder tem a missão de cuidar das pessoas, estimulá-las, animá-las, promovê-las, envolvê-las, corresponsabilizá-las na missão fomentando a busca de respostas a desafios e problemas....

LIDERANÇA e SINODALIDADE (Parte 8)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Os líderes da Igreja, em todos os níveis, têm como missão comum a promoção do Reino de Deus. A missão de evangelizar da Igreja tem como meta essa única finalidade; portanto, todos os...

LIDERANÇA E TEOLOGIA DO SERVIÇO (Parte 7)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Na Igreja, mesmo se não somos todos líderes e com funções de coordenação, somos servidores. Mas liderar os outros é servir. É uma das mais significativas e exigentes formas de serviço...

LIDERANÇA: A SÁBIA HORA DA SUCESSÃO (Parte 6)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A Sagrada Escritura nos diz que há um tempo para cada coisa. Então é preciso saber discernir o momento certo de cada uma; quando iniciar e também quando terminar. “Debaixo do céu há...

LIDERANÇA E SENSIBILIDADE ESTRATÉGICA (Parte 5)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução A diversidade de desafios a serem administrados por um líder, em qualquer áreas de serviço, lhe exigem algo a mais, além da boa vontade e da generosidade. Para que sua missão seja cumprida...

LIDERANÇA E ESPÍRITO DE INICIATIVA (Parte 4)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Outro grande desafio que percebemos em nossas paróquias, comunidades, grupos, movimentos e, entre tantas outras, em relação aos líderes, é a questão da carência de espírito de iniciativa....

LIDERANÇA E FORMAÇÃO HUMANA (Parte 3)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Muitas são as condições necessárias para que haja um bom líder, a primeira delas talvez, seja a formação humana. O líder é gente que trabalha com gente, e por isso, precisa conhecer o ser...

QUAL É A SUA ATITUDE DIANTE DO SOFRIMENTO ALHEIO?

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém A pandemia da COVID-19 ainda permanece entre nós promovendo centenas de milhares de mortes no Brasil e milhões no mundo; enquanto isso, novos dramas se abatem sobre a humanidade como a guerra na...

CARACTERÍSTICAS E SINAIS DE LIDERANÇA  (Parte 2)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Parece uma questão desnecessária, mas na verdade, os fatos que contemplamos na sociedade e na vida pastoral da Igreja nos dizem que o conceito de liderança não é bem claro para muitas...

LIDERANÇA: NECESSIDADE E IMPORTÂNCIA (Parte 1)

Dom Antônio de Assis Ribeiro Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém Introdução Um dos grandes temas pastorais que precisamos estar continuamente refletindo, aprofundando e ressignificando é aquele da “liderança”. Esse assunto não é importante somente para a Igreja,...

Dom Antônio: PAZ E A CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL

Introdução No dia 1º. de janeiro, estreando o ano novo, comemoramos também o dia da Confraternização Universal. Esse grande sonho só é possível se for consequência da paz; não há fraternidade onde não se vive a paz. A condição para a experiência da fraternidade, do...

O ASSOCIACIONISMO JUVENIL NA EXPERIÊNCIA DE DOM BOSCO (Parte 5)

Por Dom Antônio de Assis Ribeiro, bispo auxiliar da arquidiocese de Belém. Introdução Continuando nossa reflexão sobre o associacionismo juvenil, façamos memória de São João Bosco (1815-1888). Na carta "Centesimo Exeunte", por ocasião da conclusão do primeiro...

Dom Antônio: O PAPA FRANCISCO E A CULTURA DA SOLIDARIEDADE

No III domingo de novembro, a Igreja Católica celebra o VI Dia Mundial dos Pobres. Essa comemoração foi instituída pelo Papa Francisco em 2016, por ocasião da conclusão do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia. Na mensagem da instituição desse evento anual, o Papa...

A DOUTRINA SOCIAL NA CATEQUESE: ATIVIDADES SOCIOEDUCATIVAS E PASTORAIS (Parte 12)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará.

DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E CATEQUESE: Não há Justiça sem Caridade (Parte 11)

Artigo semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém.

VII JORNADA MUNDIAL DOS POBRES: «Nunca afastes de algum pobre o teu olhar» (Tb 4,7)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: CARIDADE E JUSTIÇA (Parte 10)

Artigo Semanal de Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar na Arquidiocese de Belém do Pará

DOUTRINA SOCIAL E CATEQUESE: PRINCÍPIOS E CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS (Parte 9)

por Dom Antonio de Assis Ribeiro, SDB
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Belém