OS NOMES DE DEUS

por Dom Pedro José Conti
Bispo da Diocese de Macapá

Conta-se que os monges do Tibet, nas montanhas da Ásia, procuravam desde séculos reunir em um grosso código todos os nomes com que os homens, pelo mundo inteiro, tivessem designado Deus. Tratava-se de aproximadamente nove bilhões de nomes a ser consignados naquele volume. O trabalho parecia muito lento. Estimavam que fossem necessários 200.000 anos para chegar a concluir a tarefa. Um deles então lembrou-se de uma máquina que podia ajuda-los. Alugaram um computador que trabalhava rapidamente e imprimia os nomes. Os monges mal tinham tempo para colar os nomes no enorme livro. Uma dúvida, porém, começou a surgir: – Por que procuramos reunir todos os nomes de Deus? Eles perceberam que esta era, e ainda é, a busca de todo ser humano: chegar a designar Deus pelo seu nome verdadeiro. A vida não tem outro objetivo a não ser a procura de Deus. Conhecê-lo e encontrá-lo é a maior alegria.

No Quarto Domingo da Páscoa a liturgia da Palavra nos oferece um trecho do capítulo 10 do evangelho de João. Lá encontramos um “nome” com o qual Jesus se apresenta e com este nome podemos reconhece-lo e invocá-lo. Ele disse, dele mesmo: “Eu sou o Bom Pastor” (Jo 10,11). Podemos então chamar Jesus assim, sobretudo se, como lemos no evangelho, ele está em contraposição ao “mercenário” ou seja àquele que se importa mais com sua vida e seu lucro que com o bem-estar das ovelhas. Quando chega o lobo, na hora do perigo, o mercenário foge e abandona o rebanho. O verdadeiro pastor, que é o dono do rebanho está pronto a dar a própria vida para defender as ovelhas ameaçadas. O Bom Pastor e as ovelhas se conhecem de uma forma única e extraordinária comparável com a intimidade entre Deus Pai e o Deus Filho que só podemos pensar como uma comunhão perfeita de amor. A missão do Filho é aquela de conduzir ao único redil e ao único Pastor também ovelhas de outros rebanhos sem mais divisões, agressões e disputas entre elas. Para que isso aconteça precisamos escutar a voz do Bom Pastor que chama todos à unidade. Por fim, o Filho entrega livremente a sua vida para a salvação da humanidade porque sabe que é amado pelo Pai, nele confia e a ele obedece.

Todos nós, de tantas formas, somos chamados a “cuidar” de alguém, além, obviamente, de nós mesmos. Quantos pais e mães gastam a própria saúde para cuidar dos filhos quando pequenos e ainda quando crescem se precisam de carinho e ajuda especial. Quantas pessoas generosas criam filhos de outros e conseguem amá-los como se fossem os próprios, apesar de encontrar enorme dificuldades para educá-los. Tem grupos de famílias que “adotam” outras famílias sem recursos ou atribuladas por doenças e calamidades. Cuidar de uma ou mais pessoas idosas que vivem sozinhas é uma verdadeira missão que demanda carinho e fidelidade. Cuidar de alguém que precisa, até de um animal ou de uma planta, faz bem e se tornou hoje uma terapia para curar do desinteresse, da indiferença ou de problemas ainda mais sérios. Não podemos esquecer dos “bons” pastores e pastoras que tomam conta das nossas Comunidade do interior ou das periferias, sobretudo aquelas mais afastadas, de difícil acesso ou de bairros malfamados e perigosos. Muitas vezes, estas pessoas que fadigam nas Comunidades, muito dedicadas e fieis, são vistas com suspeita. São julgadas como interesseiras ou até “mercenárias” porque os que pouco ou nada entendem de vida cristã acham impossível que exista alguém que “trabalhe” de graça para os outros ou mesmo só para a glória de Deus. Ser generosos e dar um pouco do seu próprio tempo, da sua competência, do seu zelo, parece demais fora do comum e, de fato o é, se o avaliamos com a mentalidade gananciosa e calculadora que domina a nossa sociedade. Estes nossos irmãos e irmãs não aguardam o prémio simplesmente para mais tarde no céu. Eles sabem que fazer o bem, cuidar dos necessitados e das coisas de Deus dá gosto e alegria já nesta vida. O que virá depois será gratuidade de Deus. Eles e elas conheceram não só o nome de Jesus “Bom Pastor”, o encontraram e seguiram o seu exemplo.

Artigos Anteriores

MAS ELES NÃO FALHARÃO

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEis uma estória totalmente imaginária. Quando Jesus ressuscitado chegou ao céu houve uma grande festa marcada por cantos e muita alegria. Finalmente, os anjos tiveram a oportunidade de falar com Jesus. Um deles...

AS MÃOS QUE ORAM

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de MacapáEsta é a história de um quadro famoso de Albrech Duerer. No fim do século XV dois amigos desejavam ardentemente tornar-se pintores. Precisavam estudar, mas ambos eram muito pobres. Por isso decidiram que um ficaria...

PARA QUE A VIDA SEJA PRECIOSA

por Dom Pedro José ContiBispo da Diocese de Macapá“Eu observava... o modo como meu pai olhava um passarinho deitado de lado à margem da calçada perto da nossa casa. – Está morto, pai? Eu tinha seis anos e não sentia a coragem de olhá-lo. – Por que morreu? – Tudo o que...

UMA VIAGEM NO ESCURO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUm pequeno avião avançava em meio à noite. De repente, caíram os sistemas de comunicação, a orientação da rota e o painel de controle apagou-se. O avião voava às cegas. Os pilotos tentaram inutilmente concertar o...

NO CORAÇÃO DA IGREJA… EU SEREI O AMOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáEstas são palavras de Santa Teresa do Menino Jesus e da Santa Face, mais conhecida como Santa Teresinha. Nos primeiros dias após o Domingo de Páscoa recebemos, em Macapá, as relíquias desta Santa, uma das mais...

CREDO PASCAL

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáCreio em Deus libertador de todo o que oprime.Creio em Jesus Cristo, irmão nosso,solidário com os sofredores.Creio no vento do Amor,Espírito que transforma homens e mulheresem artistas do Reino.Creio na comunhão dos...

“ENTÃO TODOS O ABANDONARAM E FUGIRAM” (Mc 14,50)

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáChegamos à semana central do Ano Litúrgico e decisiva para a nossa fé. Se nos dias que precedem o Natal somos distraídos pelas compras e a correria de final de ano, a Semana Santa pode passar despercebida simplesmente...

COM SÃO JOSÉ PROCURAMOS JESUS, PARA ENCONTRA-LO NOS IRMÃOS E IRMÃS

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáNa próxima terça feira, após o Quinto Domingo da Quaresma, celebraremos a Festa de S. José, o padroeiro escolhido para Macapá e para toda a nossa Diocese. Além do tema da Campanha da Fraternidade deste ano...

ESTE HOMEM CONHECE O PASTOR

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáAo final de um jantar em um castelo inglês, um famoso ator entretinha os hóspedes declamando textos de Shakespeare. Disse que, a pedido, estava disposto a declamar outro textos. Um tímido padre que estava lá sugeriu...

O REFLEXO

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáUma mulher foi até a fonte do seu vilarejo. Era um pequeno espelho de água limpa e tinha arvores ao redor. Quando ela colocou o seu pote para pegar a água, viu um fruto colorido que parecia dizer para ela: - Me pegue!...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNNIDADE 2

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáA página evangélica da Transfiguração do Senhor (Mc 9,2-8), que encontramos no Segundo Domingo da Quaresma, está bem no centro do escrito de Marcos. Além do acontecimento extraordinário deixamo-nos conduzir pela...

QUARESMA E CAMPANHA DA FRATERNIDADE 1

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de MacapáTodo ano a Quarta Feira de Cinzas marca o início do Tempo Litúrgico que chamamos de Quaresma. Será uma caminhada de quarenta dias acompanhando Jesus rumo à sua Páscoa de Paixão, Morte e Ressurreição. Como cristãos...

NUNCA VAI SE ARREPENDER

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá“Você nunca vai se arrepender de fazer o melhor possível, ser gentil com todos, escutar antes de julgar, refletir antes de falar, fechar os ouvidos às fofocas, ser fiel aos seus princípios, ser bondoso com os...

BOMBEIRO DE VERDADE

por Dom Pedro José Conti Bispo da Diocese de Macapá- A doença de seu filho não tem cura. Não há mais nada a ser feito. Disse o médico à mãe do menino. Ela sabia das condições do seu filho. Por isso aproximando-se dele, lhe perguntou qual era o seu maior sonho. Ele...

NÃO É FÁCIL

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, Bispo da Diocese de Macapá.

OS TRÊS BEIJOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.

OS DOIS BURRINHOS

Artigo Semanal de Dom Pedro José Conti, bispo da Diocese de Macapá.